Sobre a Revista

​A Revista Científica Njinga & Sepé (ISSN: 2764-1244) foi criada em homenagem a Rainha africana Njinga Mbandi e ao guerreiro indígena brasileiro Sepé Tiarajú. A Revista respeita a Declaração Universal dos Direitos Linguísticos (1996), a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), A Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural (2002) e a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas (2006).

A Revista Njinga & Sepé aceita e publica textos escritos em qualquer língua africana ou indígena brasileira e vídeos de línguas de sinais. Abre-se exceção especial para todas as línguas de Timor Leste por ser país parceiro da UNILAB. Os textos escritos em qualquer outra língua europeia (espanhol, francês, português ou inglês) deverão estar acompanhados de um resumo numa língua  africana ou indígena brasileira. As línguas de sinais terão 2 resumos e um vídeo de no maximo 10 min. A Revista publicará um (1) volume por ano, com dois números  (1º número. em maio e 2º número em outubro) e ocasionalmente um volume especial a depender da demanda dos autores e da Comissão Científica.

A Revista Njinga & Sepé é composta por seis (6) seções: Seção I - Artigos inéditos e traduções/interpretações; Seção II - Entrevistas, resenhas de livros; Seção III - Poesias e Letras de canções populares; Seção IV - Relatos de experiências, fotos, receitas de comidas tradicionais, ritos e festividades ; Seção V - Provérbios, tabus, mitos e outras; Seção VI - Línguas de sinais . Cada autor escolherá uma seção. É importante fazer o cadastro porque todos os textos deverão ser submetidos pelo site da Revista. Bem hajam as culturas, tradições e línguas dos povos indígenas, dos povos africanos e do povo de Timor Leste. 

Todos os textos recebidos são primeiramente submetidos a verificação da originalidade com o uso do software Turnitin Originality, da empresa Turnitin para a detecção de similaridade textual e integridade em textos acadêmicos (antiplágio): https://www.turnitin.com/products/originality. Os textos aprovados nesta fase são submetidos a avaliação dos pares (às cegas) para a definição da aprovação ou não.

O acesso aos trabalhos publicados é inteiramente gratuito

Os autores não pagam e nem recebem nenhum tributo financeiro pela contribuição e publicação

Os editores, avaliadores, tradutores, Comité Científico e outros colaboradores participam voluntariamente.

Anúncios

26-01-2022

Edição Atual

v. 2 n. 1 (2022): "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo"- Nelson Mandela (1918-2013)
					Visualizar v. 2 n. 1 (2022): "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo"- Nelson Mandela (1918-2013)

(Português): O Vol. 2, nº1 (2022) tem como temática "a educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo", frase da autoria de Nelson Mandela (1918-2013) grande líder africano. Esta publicação é dedicada à temáticas da educação com maior enfase para pesquisas, investigações e estudos que se dedicam ao ensino-aprendizagem. A educação é fundamental para todas sociedades, daí que é necessário o estabelecimento de políticas públicas e linguísticas, para além de investimentos em infraestruturas e na formação de profissionais qualificados para que possam atender as demandas de cada realidade. Esta publicação chama atenção para a sociedade que  deve tomar a educação como prioritária em todos os países se entendermos a educação como a base do desenvolvimento de qualquer nação e a principal arma para dominar o mundo. A citação de Nelson Mandela serve de inspiração para que possamos avançar para o sucesso da educação no Brasil, na África e no mundo. 

***

(Français): Le Vol. 2, nº1 (2022) a pour thème "l'éducation est l'arme la plus puissante que vous puissiez utiliser pour changer le monde", une phrase de Nelson Mandela (1918-2013), grand dirigeant africain. Cette publication est consacrée aux thèmes de l'éducation en mettant davantage l'accent sur la recherche, les enquêtes et les études consacrées à l'enseignement et à l'apprentissage. L'éducation est fondamentale pour toutes les sociétés, c'est pourquoi il est nécessaire d'établir des politiques publiques et linguistiques, en plus des investissements dans les infrastructures et la formation de professionnels qualifiés afin qu'ils puissent répondre aux exigences de chaque réalité. Cette publication attire l'attention sur la société qui doit faire de l'éducation une priorité dans tous les pays si nous comprenons l'éducation comme la base du développement de toute nation et la principale arme pour dominer le monde. La citation de Nelson Mandela nous sert d'inspiration pour avancer vers la réussite de l'éducation au Brésil, en Afrique et dans le monde.

***

(English): The Vol. 2, nº1 (2022) has the theme "education is the most powerful weapon you can use to change the world", a phrase by Nelson Mandela (1918-2013) great African leader. This publication is dedicated to the themes of education with greater emphasis on research, investigations and studies dedicated to teaching and learning. Education is fundamental for all societies, which is why it is necessary to establish public and linguistic policies, in addition to investments in infrastructure and the training of qualified professionals so that they can meet the demands of each reality. This publication draws attention to the society that must make education a priority in all countries if we understand education as the basis for the development of any nation and the main weapon to dominate the world. The quote by Nelson Mandela serves as an inspiration for us to move towards the success of education in Brazil, Africa and the world.

***

(Espagnol): El vol. 2, nº1 (2022) tiene como tema "la educación es el arma más poderosa que puedes usar para cambiar el mundo", una frase de Nelson Mandela (1918-2013) gran líder africano. Esta publicación está dedicada a los temas de la educación con mayor énfasis en la investigación, investigaciones y estudios dedicados a la enseñanza y el aprendizaje. La educación es fundamental para todas las sociedades, por lo que es necesario establecer políticas públicas y lingüísticas, además de inversiones en infraestructura y la formación de profesionales calificados para que puedan atender las demandas de cada realidad. Esta publicación llama la atención a la sociedad que debe hacer de la educación una prioridad en todos los países si entendemos la educación como la base para el desarrollo de cualquier nación y la principal arma para dominar el mundo. La cita de Nelson Mandela nos sirve de inspiración para avanzar hacia el éxito de la educación en Brasil, África y el mundo.

Publicado: 28-06-2022

Seção I - Artigos inéditos e traduções/interpretações

Seção III - Poesias e Letras de canções populares

Ver Todas as Edições

A NJINGA & SEPÉ: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras (ISSN: 2764-1244) é um periódico vinculado ao Instituo de Humanidades e Letras, da Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB, Bahia, Brasil). São membros da Revista os seguintes grupos:  Grupo de Pesquisa África-Brasil: produção de conhecimentos, sociedade civil, desenvolvimento, cidadania global (Linha de pesquisa: Línguas e culturas africanas e afro-brasileiras no Brasil e nos PALOP),  Grupo de Recolha e Estudo de Corpus Oral do Português de Angola - GRECORPA, da Universidade Agostinho Neto (Angola), Centro de Estudos Africanos da UNILAB.

A NJINGA&SEPÉ: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras visa divulgar pesquisas sobre os seguintes itens: as culturas africanas/Brasileiras e  sua diversidade; política e planejamento linguísticos das línguas africanas e brasileiras; descrição e análise dessas línguas e projetos de revitalização e direitos humanos. É uma revista que terá um (1) volume por ano, sendo o primeiro número a ser publicado exatamente no dia 25 de maio, em comemoração ao “Dia de África”, ao “Dia da Libertação de África” ou ainda o “Dia da Organização da Unidade Africana” e o segundo número a ser publicado, exatamente no dia 9 de agosto em comemoração ao “Dia Internacional de Povos Indígenas”. Eventualmente, será publicado um número especial (sem data fixa) que será realizado sob demanda.