Política de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa: o caso de Moçambique

Mitemo ye kuparadzira uye kuita zvepasi rose ye mutauro wechiPutukezi: nyaya yeMozambique

Autores

  • Elizabeth Mariana Alfredo Capathia Nahia Universidade Púnguè
  • Jose Luis Dias Instituto Superior Politecnico de Manica
  • Amosse Jorge Gelo Instituto Médio Politécnico Cabeça do Velho – Moçambique

Palavras-chave:

língua portuguesa, políticas da língua, Moçambique, internacionalização do português

Resumo

Brasil tornou-se uma grande referência mundial entre os países falantes da língua portuguesa no concernente à atração da língua pelas diversas nações, graças a demonstração do seu poderio económico nos últimos anos. Neste âmbito, vários são os esforços implementados para a promoção da língua através da criação de políticas adequadas para a elevação da língua portuguesa no seio das organizações internacionais, o que constituiu o foco para a produção deste artigo, colocando maior enfoque em políticas moçambicanas. A pesquisa é meramente bibliográfica, baseada na interpretação de informações publicadas em forma de livros, revistas, textos legais, publicações avulsas, imprensa escrita e televisiva, e, eletronicamente, disponibilizada na Internet, palestras de académicos, entre outras. À luz das investigações feitas, ficou claro que Moçambique, apesar de ser uma Nação multilinguística tem na língua portuguesa o elo nacional dos moçambicanos, através do ensino, com a abertura de centros de língua portuguesa do Camões, Instituto da Cooperação e da Língua (CLP/Camões IP), instalados na Universidade Pedagógica, que procuram apoiar o crescente interesse pelo estudo da Língua Portuguesa em Moçambique e a procura de instrumentos para o seu ensino e aprendizagem, com o objectivo de promover e divulgar a língua portuguesa e as culturas lusófonas.

***

Brazil yakave chirevo chikuru chepasi rose pakati penyika dzinotaura chiPutukezi maererano nekukwezva kwemutauro kumarudzi akasiyana-siyana, nekuda kwekuratidzwa kwesimba rayo rehupfumi mumakore achangopfuura. Muchirevo chechinyorwa chino, pane zvakawanda zvakaedza kuitwa kusimudzira mutauro kuburikidza nekugadzirwa kwemitemo yakakwana yekukwidziridza mutauro wechiPutukezi mukati memasangano epasi rose, ayo akave chinangwa chekugadzirwa kwechinyorwa ichi, kuisa pfungwa huru pamitemo yeMozambique. Tsvagiridzo iyi ndeyezvinyorwa zvemabhukhu, zvichibva mukududzirwa kweruzivo rwakaburitswa mumhando yemabhuku, magazini, zvinyorwa zvemutemo, zvinyorwa zvakasiyana, zvinyorwa zvakanyorwa uye terevhizheni, uye zvinowanikwa nemagetsi paInternet, hurukuro nevadzidzi, pakati pevamwe. Tichifunga nezvekuferefeta kwakaitwa, zvakava pachena kuti Mozambique, kunyangwe iri nyika ine mitauro yakawanda, ine mumutauro wechiPutukezi kubatana kwenyika kwevaMozambican, kuburikidza nekudzidzisa, nekuvhurwa kwenzvimbo dzemutauro wechiPutukezi muCamões, Instituto da Cooperação e da Língua (CLP /Camões IP), yakaiswa paPedagogical University, iyo inotsvaga kutsigira kufarira kuri kukura kwekudzidza mutauro wechiPutukezi muMozambique uye kutsvaga midziyo yekudzidzisa nekudzidza kwayo, nechinangwa chekusimudzira nekuparadzira chiPutukezi. mutauro netsika dzechiLusophone.

Biografia do Autor

Elizabeth Mariana Alfredo Capathia Nahia, Universidade Púnguè

Doutoranda em Língua, Cultura e Sociedade pela Universidade Zambeze – Moçambique; Docente na Universidade Púnguè, Faculdade de Letras, Ciências Sociais e Humanidades – Curso de Português.

Jose Luis Dias , Instituto Superior Politecnico de Manica

 Doutorando em Inovacao Educativa pela Universidade Catolica de Mocambique, Faculdade de Educacao e Comunicacao, nasceu a 26 de Novembro de 1981, actualmente Docente do Instituto Superior Politecnico de Manica - Mocambique

Amosse Jorge Gelo, Instituto Médio Politécnico Cabeça do Velho – Moçambique

Graduado em Ensino de Português com Habilitações em Ensino de Línguas Bantu pela Universidade Púnguè – Moçambique; Docente de Português, Metodologias de Investigação Científica e Pedagogia no Instituto Médio Politécnico Cabeça do Velho – Moçambique

Referências

CALVET, Louis Jean. As Políticas Linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial. IPOL, 2007.

FERREIRA, E. O fim de uma era: o colonialismo português em África. Lisboa: Livraria, 1977.

Gil, António Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2000.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA. IV Recenseamento Geral da População e habitação 2017: Resultados Definitivos Moçambique. Maputo – Abril, 2019. Disponível em https://macua.blogs.com/files/censo2017.pdf acesso em 25 Set. 2019.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1978.

LOPES, A. J. Política Linguística: Princípios e Problemas. Maputo: Livraria Universitária, Universidade Eduardo Mondlane, 1997.

LOPES, Livia. O Português como língua franca: O caso de Moçambique. Dissertação Língua e Cultura portuguesa, Faculdade de Letras: Peixoto, Maio de 2012.

MAZULA, Brazão. Educação, cultura e ideologia em Moçambique, 1975-1985: em busca de fundamentos filosófico-antropológicos. Fundo Bibliográfico da Língua Portuguesa, 1995.

MOÇAMBIQUE: Português ganha espaço na população jovem. Diário Liberdade,. 24 Mar. 2010. Consultado em 27 Set. 2019 Disponível em http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=140:mocambiqueportuguesganhaespaconapopulacaojovem&catid=76:linguaeducacom&Itemid=87

NEWITT, Malyn. História de Moçambique. Mira-Sintra: Publicações Europa-América, 1997.

NEWITT, Malyn. O impacto dos portugueses no comércio, política e estruturas de parentesco da África Oriental no século XVI. Oceanos, 34:63-72, 1998.

Downloads

Publicado

02-01-2023

Como Citar

Nahia, E. M. A. C., Dias , J. L. ., & Gelo, A. J. . (2023). Política de Divulgação e Internacionalização da Língua Portuguesa: o caso de Moçambique: Mitemo ye kuparadzira uye kuita zvepasi rose ye mutauro wechiPutukezi: nyaya yeMozambique. NJINGA E SEPÉ: Revista Internacional De Culturas, Línguas Africanas E Brasileiras, 3(1), 124–139. Recuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/875