40.Analisando a cultura e as línguas africanas, a partir da Costa da Mina até a formação da identidade brasileira

Analyzing African culture and languages, from Costa da Mina to the formation of Brazilian identity

Autores

  • Silvana da Silva Santana de Almeida Universidade Federal do Recôncavo Baiano - Brasil
  • Alexandre António Timbane Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - Brasil

Palavras-chave:

Educação, Cultura, Língua, Pedagogia, Costa da Mina

Resumo

Refletir sobre uma educação de qualidade no Brasil não basta ter bons manuais e escolas apetrechadas sem que haja conteúdos que “libertem” a mente do eurocentrismo. A Lei Federal nº 10.639/2003 trouxe uma boa contribuição, mas é necessário reconhecer historicamente, a Bahia que recebeu influências fortes das tradições africanas vindas de Costa Mina. A pesquisa visa analisar a situação das línguas e das culturas e sua relação com a educação brasileira. Explicam-se os contextos da formação do povo brasileiro e depois estabelece as relações entre língua, a cultura e a educação visando  combater o preconceito e oferecer caminhos para uma educação formal que não se distancie da história e das línguas africanas porque elas carregam a cultura. Metodologicamente, desenvolvemos uma pesquisa bibliográfica que busca discutir fenômenos e teorias por meio de uma análise qualitativa. Da pesquisa se conclui que a formação do Brasil se deve em grande parte da contribuição dos povos da Costa de Mina. É importante buscar as línguas e as culturas desses povos para compreender como é a nossa cultura. Há que valorizar a Lei nº 10639/2003 e a introdução de uma pedagogia culturalmente sensível que não valoriza apenas a cultura hegemônica do aluno, mas também a história e as tradições dos povos africanos.

***

Reflecting on quality education in Brazil is not enough to have good manuals and schools equipped without content that “frees” the mind from Eurocentrism. The federal Law nº 10.639/2003 made a good contribution, but it is necessary to recognize historically, Bahia that received strong influences from African traditions coming from Costa Mina. The research aims to analyze the situation of languages ​​and cultures and their relationship with Brazilian education. The contexts of the formation of the Brazilian people are explained and then it establishes the relations between language, culture and education in order to combat prejudice and offer ways for a formal education that is not distant from African history and languages ​​because they carry culture. Methodologically, we have a bibliography that seeks to discuss phenomena and theories through a qualitative analysis. The research concludes that the formation of Brazil is due to the contribution of the peoples of the Costa de Mina. It is important to seek out the languages ​​and cultures of these peoples in order to understand what our culture is like. Law 10639/2003 must be valued and the introduction of a culturally sensitive pedagogy values ​​not only the student's culture, but also the history and traditions of the African peoples.

Biografia do Autor

Silvana da Silva Santana de Almeida, Universidade Federal do Recôncavo Baiano - Brasil

Assistente Social formada pela Faculdade Dom Pedro II, Salvador Bahia - 2017, como aluna bolsista Prouni 100%. Graduada em Pedagogia pela Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro Brasileira (UNILAB). Mestranda em Historia da África, Diáspora e dos Povos indígenas pela Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB). Atuei como aluna bolsista do projeto Letra de Mulher: literatura de autoria feminina brasileira e africana PROPPG/UNILAB 2017. Bolsista do projeto Projeto pesquisa quilombo - guia temático da produção Acadêmica sobre quilombos nos acervos digitais das universidades públicas da Bahia e Ceará PROPPG/UNILAB 2018. Atuei como bolsista PROPPG 02/2019 PIBIC/FAPESB, projeto de pesquisa Avaliação dos Impactos das Políticas de Cotas Raciais no Ensino Superior entre os moradores do Recôncavo Baiano: Salvador, Candeias e Santo Amaro. Mestranda bolsista do Programa PPQ-Pós da Universidade Federal do Recôncavo Baiano

Alexandre António Timbane, Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira - Brasil

Doutor em Linguística e Língua Portuguesa (2013) pela UNESP-Brasil, Mestre em Linguística e Literatura moçambicana (2009) pela Universidade Eduardo Mondlane-Moçambique. É professor Permanente da Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), Instituto de Humanidades e Letras, Campus dos Malês, Bahia. Tem experiência no ensino e na pesquisa na área de Sociolinguística e Dialetologia com enfoque na variação e mudança lexical do Português (Estudos do Léxico), Contato linguístico e Línguas Bantu. Membro do Grupo de Pesquisa África-Brasil: produção de conhecimento, sociedade civil, desenvolvimento e Cidadania Global.

Referências

ABIMBOLA, Wande. A concepção iorubá da personalidade humana. Colóquio Internacional para a noção de pessoa na África Negra. Paris: Centre National de la Recherche Scientifique, 1971.

ALARCON, Daniela Fernandes. Forma retomada: contribuições para o estudo das retomadas de terras, a partir do caso tupinambá da serra do padeiro. RURIS, vol.7, nº1, mar.2013.

ANDERSEN, Hanne Leth. Language et culture: jamais l’un sans l’autre. Synergies, Pays Scandinaves. nº4, p.79-88, 2009.

ASANTE, KeteMolefi. Afrocentricidade: Notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, Elísia Larkin (Org.). Afrocentricidade: Uma abordagem epistêmica inovadora. SANKOFA: Matrizes Africanas da Cultura Brasileira. 4.ed. São Paulo: Selo Negro, 2009.p.93-110.

BA, Amadou Hampaté. A tradição viva: metodologia e pré‑história da África,1972. p.167-212.

BA, Amadou Hampaté. A noção de pessoa na África Negra. Tradução para uso didático de: HAMPÂTÉ BÂ, Amadou. La notion de personne en Afrique Noire. In: DIETERLEN, Germaine (ed.). La notion de personne en Afrique Noire. Paris: CNRS, 1981, p. 181-192.

BEZERRA, Juliana. Conferência de Berlim. 2010. Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/conferencia-de-berlim/>. Acesso em: 13 fev.2021.

BONVINI, Emilio. Os vocábulos de origem africana na constituição do português falado no Brasil. in: FIORIN, José Luiz; PETTER, Margarida (Org.). África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008, p.101-144.

BORBA, Lilian do Rocio; LEITE, Cândida Mara Britto. (Org.). Diálogos entre língua, cultura e sociedade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2013.

BORTONI-RICARDO, Stella Bortoni. Educação em língua materna: a sociolinguística na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2004.

BRASIL. Lei Federal 10.639/2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências.

BRINCO, Ramiro Esteves de. Vygotsky e suas contribuições para a educação. 2012. Disponível em:<https://www.ufjf.br/renato_nunes/files/2012/06/Apresenta%c3%a7%c3%a3o-Vigotski.pdf>. Acesso em: 28 fev.2021.

BURKE, Peter; PORTER, Roy. (Org.). Linguagem, indivíduo e sociedade. Trad. Álvaro Luiz Hattnher. São Paulo: Ed. UNESP, 1993.

CASTRO, Eduardo Viveiros de. Sobre a noção de etnocídio, com especial atenção ao caso brasileiro. 2016. Disponível em: <https://www.academia.edu>.Acesso em:28 jan.2021.

CASTRO, Yeda Pessoa de Castro. Influência das línguas africanas no português brasileiro.1983. Disponível em: <http://smec.salvador.ba.gov.br/documentos/linguas-africanas.pdf>. Acesso em: 28 fev.2021.

CASTRO, Yeda Pessoa de. A língua mina-jeje no Brasil: um falar africano em Ouro Preto do século XVIII. Belo Horizonte: Fundação Pinheiro, 2002.

CISOTTO, Lerida; BARBOSA, Ana Rita de Cássia de. Alfabetização emergente e desenvolvimento de competências na educação infantil. Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade. Salvador, v. 18, n. 31, p. 245-255, jan./jun. 2009.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Universidade de Brasília. 2004. Disponível em:https://repositorio.unb.br/handle/10482/7380>. Acesso em: 28 jan. 2021.

GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo. (Org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2009.

HYMES, Dell. Language in Culture and Society: a reader in linguistics and anthropology. New York: Harper and Row, 1964.

JUNIOR, Eduardo da Fonseca. Dicionário Yorubá (Nagô) Português. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1988.

KOLL, Marta de Oliveira. Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento, um processo sócio-histórico.São Paulo: Scipione,2010.

KRAMSCH, Claire. Context and culture in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1993.

KRAMSCH, Claire. Language and culture.New York: Oxford University Press, 1998.

LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. São Paulo: Parábola, 2006.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura:um conceito antropológico.14.ed., Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.

LAW, Robin. Etnias de africanos na diáspora: novas considerações sobre os significados do termo ‘mina”. Revista Tempo. Vol. 20, nº1. p.98-120, 2005.

LUCHESI, Dante; BAXTER, Alan; RIBEIRO, Ilza. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.

LUZ, Marco Aurélio de Oliveira. AGADÁ: Dinâmica da civilização africano-brasileira. 3.ed. Salvador: EDUFBA,2013.

LYONS, John. Linguagem e linguística: uma introdução. Editora Guanabara Koogan S.A. Rio de Janeiro, RJ 1987.

MAHADI, Sepora Tengku; JAFARI, Sepedeh Moghaddas. Language and culture. International Journal os Humanities ans Social Science. Vol.2, nº17, p.230-235, september, 2012.

MAILHOT, José. Les rapports entre la langue et la culture. Meta: journal des traducteurs, vol.14, num.4, décembre, pp. 200-206, 1969.

MINISTERIO DA EDUCAÇÃO. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Básica (LDB), nº 9394/1996.

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz na terra, 1980.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História. Trad.Yara Aun Khoury V. 10, 1993.

OLIVEIRA, Eduardo de. Cosmovisão Africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. 3.ed. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2006.

OLIVEIRA, Fabiana. Infância e resistência: um estudo a partir das relações étnico-raciais entre adulto e bebês nas creches. In: FARIA, Ana Lucia Goulart et al. (Org.). Infâncias e pós-colonialismo: pesquisa em busca de pedagogias descolonizadoras. Campinas, SP: ALB, 2015.p.75-92.

OMIDIRE, Felix Ayoh’.Akogdadunâbc da língua, cultura e civilização iorubanas.Salvador: EDUFBA, 2004.

OMIDIRE, Felix Ayoh’. Pèrègún e outras fabulações da minha terra (contos cantados ioruba-africanos). Salvador: EDUFBA, 2006.

PERINI, Mário A. Sobre língua, linguagem e Lingüística: uma entrevista com Mário A. Perini. ReVEL.Vol.8, nº14, 2010.

PESSOA, Fernando. Livro do desassossego. Assírio & Alvim, Madison, 2008

PETTER, Margarida Maria Toddani. Línguas africanas no Brasil. Gragoatá. Niterói, nº 19, p. 193-217, 2º sem. 2005.

PILETTI, Claudino; PILETTI, Nelson. A História da educação de Confúcio a Paulo Freire/ José de Anchieta e a educação Colonial. São Paulo: Contexto, 2006.

PORTUGAL. Estatuto de indígenas portugueses das províncias da Guiné, Angola e Moçambique 1956. Disponível em:<https://www.fd.unl.pt/Anexos/Investigacao/7523.pdf>. Acesso em: 13 fev. 2021

RAMOSE, M. B. Sobre a legitimidade e o estudo da Filosofia Africana. Ensaios Filosóficos, Vol. 4. Outubro, 2011.

SALAMI, Sikiru, (Prof. King). Ogum: dor e júbilo nos rituais de morte. São Paulo: Editora Oduduwa, 1997.

SANTOS, Juana Elbein dos. Os Nagôs e a morte: Pàde, Asèsè e o culto Égun na Bahia; 14.ed., Petrópolis: Vozes, 2014.

SANTOS, Ivonete da Silva; TIMBANE, Alexandre António. A identidade linguística brasileira e portuguesa: duas pátrias uma mesma língua. Curitiba: Appris, 2020.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SILVA, Ana Célia. A discriminação do negro no livro didático.2.ed. Salvador: EDUFBA, 2004.

SILVA, Ângela Fileno. Amanhã é dia de Santo. Circularidades atlânticas e a comunidade brasileira na Costa de Minas. São Paulo, Alameda Editorial, 2014.

SILVA, Ângela Fileno. Terceira geração de brasileiros em Lagos. Moises da Rocha e as fissuras da dominação colonial. Anos 90, Porto Alegre. Vol.26, nº1, p.1-20, 2019.

SILVA, Ângela Fileno. Vozes de Lagos: brasileiros em tempos do império britânico. 337p. 2016. Doutorado em História Social. Faculdade de Filosofia, letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016b.

SILVA, Ângela Fileno. Lei Áurea no Brasil, festas em Lagos (Nigéria): identidade e representação. Odeere: revista do programa de pós-graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, v. 1, nº1, p. 32-49, 2016a.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil. Educação. Porto Alegre, v.30, n.3, p. 489-506, 2007. Disponível em:<http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/2745>.Acesso em: 22 jun.2017.

TIMBANE, Alexandre António; SANTANA, Yuran Fernandes Domingos; AFONSO, Euclides Victorino Silva. A cultura hip-hop e os angolanismos lexico-semânticos em Yannick Afroman: a língua e a cultura em debate. Afluente, Campus III, v.4, n.12, p 104-128 , mai./ago. 2019.

VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do trafico de escravos entre o golfe do Benin e da Bahia de Todos os Santos: dos séculos XVII a XIX. Trad. Tasso Gazzanis. São Paulo: Corrupio, 1987.

Downloads

Publicado

03-10-2022

Como Citar

Almeida, S. da S. S. de, & Timbane, A. A. . (2022). 40.Analisando a cultura e as línguas africanas, a partir da Costa da Mina até a formação da identidade brasileira: Analyzing African culture and languages, from Costa da Mina to the formation of Brazilian identity. NJINGA E SEPÉ: Revista Internacional De Culturas, Línguas Africanas E Brasileiras, 2(Especial I), 700–726. Recuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1045

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)