Sobre a Revista

​A Revista Científica Njinga & Sepé (ISSN: 2764-1244) foi criada em homenagem a Rainha africana Njinga Mbandi e ao guerreiro indígena brasileiro Sepé Tiarajú. A Revista respeita a Declaração Universal dos Direitos Linguísticos (1996), a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), A Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural (2002) e a Declaração das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas (2006).

A Revista Njinga & Sepé aceita e publica textos escritos em qualquer língua africana ou indígena brasileira e vídeos de línguas de sinais. Abre-se exceção especial para todas as línguas de Timor Leste por ser país parceiro da UNILAB. Os textos escritos em qualquer outra língua europeia (espanhol, francês, português ou inglês) deverão estar acompanhados de um resumo numa língua  africana ou indígena brasileira. As línguas de sinais terão 2 resumos e um vídeo de no maximo 10 min. A Revista publicará um (1) volume por ano, com dois números  (1º número. em maio e 2º número em outubro) e ocasionalmente um volume especial a depender da demanda dos autores e da Comissão Científica.

A Revista Njinga & Sepé é composta por seis (6) seções: Seção I - Artigos inéditos e traduções/interpretações; Seção II - Entrevistas, resenhas de livros; Seção III - Poesias e Letras de canções populares; Seção IV - Relatos de experiências, fotos, receitas de comidas tradicionais, ritos e festividades ; Seção V - Provérbios, tabus, mitos e outras; Seção VI - Línguas de sinais . Cada autor escolherá uma seção. É importante fazer o cadastro porque todos os textos deverão ser submetidos pelo site da Revista. Bem hajam as culturas, tradições e línguas dos povos indígenas, dos povos africanos e do povo de Timor Leste. 

Todos os textos recebidos são primeiramente submetidos a verificação da originalidade com o uso do software Turnitin Originality, da empresa Turnitin para a detecção de similaridade textual e integridade em textos acadêmicos (antiplágio): https://www.turnitin.com/products/originality. Os textos aprovados nesta fase são submetidos a avaliação dos pares (às cegas) para a definição da aprovação ou não.

O acesso aos trabalhos publicados é inteiramente gratuito

Os autores não pagam e nem recebem nenhum tributo financeiro pela contribuição e publicação

Os editores, avaliadores, tradutores, Comité Científico e outros colaboradores participam voluntariamente.

Anúncios

Edição Atual

v. 3 n. 1 (2023): Cenas das vidas culturais indígena, afro-brasileira, africana e timorense em tempos contemporâneos
					Visualizar v. 3 n. 1 (2023): Cenas das vidas culturais indígena, afro-brasileira, africana e timorense em tempos contemporâneos

Nos tempos contemporâneos, a vida tem se tornado cada vez mais complexa. As cenas culturais dos povos que vivem nas Américas, na África e na Ásia têm refletido lidas sociopolíticas bastante conflituosas e reconfigurações nas relações entre esses povos. Por meio dessas lidas, os povos estão recompondo suas autonomias etnoculturais, suas percepções de gênero, orientação sexual, e o valor da liberdade religiosa. Eles também estão redefinindo seus comportamentos em relação ao meio ambiente, segurança alimentar, mudanças climáticas, democracia, cidadania, expondo questões urgentes como preconceitos, discriminações e intolerâncias frente às diferenças socioculturais; além de promover repensares sobre a relação entre diversidade e desigualdade que persistem em existir entre os povos. Neste sentido, é relevante aprofundar o debate sobre processos históricos globais atuais tecendo (re)composições das cenas da vida cultural contemporânea. Esses aspectos, carregados de significações e sensibilidades, ensejam olhares interdisciplinares e possibilitam a pesquisadores e estudiosos de diferentes áreas do conhecimento, de origens etnoculturais e sociais diversas a dialogar sobre cenas da vida cultural indígena, africana e timorense em tempos contemporâneos. O presente “Dossiê Especial 2022” almeja fornecer um quadro das abordagens, tendências e articulações metodológicas, históricas, epistemológicas, estéticas, hermenêuticas e áreas afins, que permita a composição de um cenário transdisciplinar e ajude o leitor a apreender o universo contemporâneo dos povos das Américas, da África e da Ásia.

Organização do dossiê: Itamar Rodrigues Paulino (Universidade Federal do Oeste do Pará),  Salome Nyambura (Kenyatta University),  Augusto da Silva Júnior (Universidade de Brasília).

Publicado: 02-01-2023

EDITORIAL

Seção I - Artigos inéditos e traduções/interpretações

Seção III - Literatura, oratura e canções populares

Seção VI -Línguas de Sinais

Ver Todas as Edições

A NJINGA & SEPÉ: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras (ISSN: 2764-1244) é um periódico vinculado ao Instituo de Humanidades e Letras, da Universidade de Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB, Bahia, Brasil). São membros da Revista os seguintes grupos:  Grupo de Pesquisa África-Brasil: produção de conhecimentos, sociedade civil, desenvolvimento, cidadania global (Linha de pesquisa: Línguas e culturas africanas e afro-brasileiras no Brasil e nos PALOP),  Grupo de Recolha e Estudo de Corpus Oral do Português de Angola - GRECORPA, da Universidade Agostinho Neto (Angola), Centro de Estudos Africanos da UNILAB.

A NJINGA&SEPÉ: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras visa divulgar pesquisas sobre os seguintes itens: as culturas africanas/Brasileiras e  sua diversidade; política e planejamento linguísticos das línguas africanas e brasileiras; descrição e análise dessas línguas e projetos de revitalização e direitos humanos. É uma revista que terá um (1) volume por ano, sendo o primeiro número a ser publicado exatamente no dia 25 de maio, em comemoração ao “Dia de África”, ao “Dia da Libertação de África” ou ainda o “Dia da Organização da Unidade Africana” e o segundo número a ser publicado, exatamente no dia 9 de agosto em comemoração ao “Dia Internacional de Povos Indígenas”. Eventualmente, será publicado um número especial (sem data fixa) que será realizado sob demanda.