O re(flexo) do intento desmistificador através do mito em “Ubirajara”, de José De Alencar

The reflection of the demystifying intent through the myth in “ubirajara”, by José De Alencar

Autores

  • Larissa Araujo Da Cruz Universidade Federal da Bahia - Bahia

Palavras-chave:

Reflexo, Mito, Ubirajara, José de Alencar

Resumo

A presente pesquisa visa analisar a obra alencariana “Ubirajara” (1874), escrita no período do romantismo brasileiro. Objetivou-se discorrer sobre de que forma o autor contribuiu para as concepções sobre a identidade nacional e, sobretudo, às idealizações concebidas aos indígenas, as quais até os dias de hoje se mantém no imaginário da população brasileira. Nesse ínterim, fez-se uma profunda reflexão sobre como as práticas indígenas e o próprio indígena são situados no contexto do livro, utilizando-se para tal da pesquisa de cunho documental, ao analisar o romance, e com o aporte de teóricos e documentos que discutem a construção da nacionalidade brasileira desde o século XIX. Como resultado, compreendeu-se que a figura indígena sofreu um processo de subalternização e distorção por entre os séculos, passando de símbolo mítico a um instrumento de exotismo em uma nação despersonalizada.

****

The present research aims to analyze José de Alencar's work "Ubirajara" (1874), written during the Brazilian Romantic period. The objective was to discuss how the author contributed to conceptions of national identity and, above all, to the idealizations conceived of indigenous peoples, which still persist in the Brazilian population's imagination to this day. In this context, there was a deep reflection on how indigenous practices and the indigenous person are situated within the context of the book, utilizing documentary research to analyze the novel, along with the support of theorists and documents discussing the construction of Brazilian nationality since the 19th century. As a result, it was understood that the indigenous figure underwent a process of subalternization and distortion over the centuries, transitioning from a mythical symbol to a tool of exoticism in a depersonalized nation.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Araujo Da Cruz, Universidade Federal da Bahia - Bahia

Graduanda em Letras Vernáculas e uma Língua Estrangeira Moderna pela Universidade Federal da Bahia. Tem como área de concentração o estudo em pesquisas nas literaturas brasileira e hispano-americana contemporâneas. Atua como professora em formação no ensino de espanhol como língua estrangeira (ELE) em curso de extensão da mesma universidade. O trabalho apresentado é resultado da avaliação final da disciplina LETA21 - Literatura brasileira e a construção da nacionalidade, cuja pesquisa foi realizada entre os meses de abril a junho de 2022.

Referências

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e difusão do nacionalismo. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Cia das Letras, 2008, p. 26-70.

ALENCAR, José de. Ubirajara. 14º ed. São Paulo: Ática, 1998.

ALENCAR, José de. Bênção Paterna. In: Garnier, B.L.(Org). Sonhos d’ouro. 1º ed. Rio de Janeiro: Instituto do Brazil, 1872, p. 5-23.

ALMEIDA, Alexandre Vieira de. A desconstrução da identidade nacional a partir do imaginário mitológico em Ubirajara, de José de Alencar. Caderno Seminal Digital; Rio de Janeiro, n.6, v.6, 2006, p. 48-68.

BERND, Zilá. Literatura e Identidade Nacional. Porto Alegre: Ed.UFRGS, 1992.

CASTRO, Silvio (int., atual., notas). O descobrimento do Brasil: A carta de Pero Vaz de Caminha. Porto Alegre: L&PM, 1996, p. 76-98.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. 6 ed. Belo Horizonte: Editora Itatiaia, 2000.

DUSSEL, Enrique. 1492: El encubrimiento del otro. Buenos Aires: Docência, 2012.

GÂNDAVO, Pero de Magalhães. Da condição e costumes dos índios da terra. In: Cardim, Carlos Henrique; Madruga, Carlyle Coutinho; Cunha Neto, Raimundo Pontes (Org.). Tratado da terra do Brasil: história da província de Santa Cruz, a que vulgarmente chamamos Brasil. Brasília: Senado Federal, 2008, p. 65-70.

HALL, Stuart. As culturas nacionais como comunidades imaginadas. In: ______.(Org.). A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006, p. 47-65.

_____________. Heróis ou vilões? In: ______(Org.). Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Apicuri, 2016. p. 139-160.

LENZ, Thiago. Um etnográfico de gabinete: a ficcionalização do indígena em Ubirajara (1874), de José de Alencar. 2022. 175 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Faculdade de Letras, UFPR, Curitiba, 2022.

LIBRANDI-ROCHA, Marília. A carta Guarani Kaiowá e o direito a uma literatura com terra e das gentes. Estudos de Literatura Brasileira, Brasília, v.1, n. 44, p. 165-191, jul./dez. 2014.

MIRANDA, Wander Melo. Heterogeneidade e conciliação em Alencar. Revista de Letras, Fortaleza, v. 29, n.1, p. 121-124, 2009.

SÁ, Lúcia. Ubirajara: la leyenda y las notas. In: AGUILAR, Gonzalo; CÁMARA, Mario (Org.). Ubirajara, por José de Alencar. Buenos Aires: Corregidor, 2009, p. 9-18.

SADLIER, Darlene J. As bases de um imaginário literário nacional. In: _____.(Org.) Brasil imaginado: de 1500 até o presente. São Paulo: EDUSP, 2016, p. 157-216.

SANTIAGO, Silvano. Roteiro para uma leitura intertextual de Ubirajara [1975]. Ubirajara. 14º ed. São Paulo: Ática, 1998.

SOARES, Thereza Maria Zavarese. Língua e identidade nacional: a construção de imaginários pelas políticas linguísticas. In: Anais do XIII CNLF. CiFEFiL, Rio de Janeiro, 2009, p. 704-716.

SOUZA, Florentina. Texto, Cor e Histórias. In: SOUZA, Florentina da Silva (org.). Afro-descendência em cadernos negros e Jornal do MNU. São Paulo: Autêntica, 2007, 2 ed., p. 51-70.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

Da Cruz, L. A. . (2024). O re(flexo) do intento desmistificador através do mito em “Ubirajara”, de José De Alencar: The reflection of the demystifying intent through the myth in “ubirajara”, by José De Alencar. JINGA SEPÉ: evista nternacional e ulturas, Línguas fricanas rasileiras, 4(1), 322–336. ecuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1670