Análise comparativa da leitura e escrita dos alunos do ensino bilíngue: do Echuwabo ao Português

Osekesera woladdaniyana wa oleba na owengesela wa anamasunza na masunzo a dhilogelo bili: na Echuwabo para ezugu

Autores

  • Leonarda Jacinto José Maria Menezes Universidade Eduardo Mondlane - Moçambique
  • Gilberto Necas Mucambe Milice Universidade Eduardo Mondlane - Moçambique

Palavras-chave:

Educação/Ensino Bilíngue, Leitura, Competência

Resumo

Este estudo baseia-se em evidências que mostram que alunos com dificuldades de leitura na sua língua materna (bantu) transportarão esta dificuldade para a leitura do Português (língua segunda/língua estrangeira - L2/LE) (Nijakowska, 2010). Esta pesquisa, conduzida em 2022, parte dos problemas de aprendizagem, que muitos alunos do Ensino Primário moçambicano evidenciam e procura estudar a correlação leitura e escrita em L1 e L2, em alunos do Ensino Bilíngue (EB), na província da Zambézia, Distrito de Maquivale, zona rural, com o Português como língua estrangeira; e, portanto, demonstrar o potencial didático da identificação desses problemas no aperfeiçoamento da competência leitora e escrita desta população. O estudo parte da seguinte questão: De que forma o estudo da correlação leitura e escrita em L1 e em L2/LE pode ajudar aos alunos do Ensino Primário do Ensino Bilíngue a melhorarem a sua competência leitora e escrita em língua portuguesa? A nossa pesquisa com, enfoque qualitativo e quantitativo, baseou-se na análise de textos e de leituras, em Echuwabo (L1) e em Português (L2/LE), produzidos e lidos, em voz alta, por 20 alunos que frequentam a 6ª classe, do subsistema de Educação Bilíngue, bem como questionários feito a alunos e professores. As principais conclusões apontam para a eficácia do estudo da correlação leitura e escrita em L1 e L2, no aperfeiçoamento da competência leitora e escrita dos alunos, visto que, geralmente, problemas de descodificação, de correlação grafema-fonema, registrados na aprendizagem em L1 se refletem posteriormente na transição para L2/LE, embora alguns deficits de leitura e de escrita respondam à problemas estruturais como práticas metodológicas e programas do EB inadequados, falta de materiais, professores sem formação, etc.

****

Masunzo aba anttonyiedha dhihwanyiwe mu masunzoni wa anamasunza abale ana makattamiyo a owengesela na elogelo ya mmawani, anele okana makattamaiyo aba agengeselaga elogelo ya lizu nezugu (Nijakowska, 2010). Masunzo aba akosiwe yaka ya 2022, akalaga epade ya masunzu, enna anamaunza a mwalano dhoroma dha masunzo a lizu na mmawani na lizu nezugu, mwa anamasunza ansunza na dhilogelo bili a provincia yo zambezia, kwatti yo maquivave, onaga ezugu ninga elogelo ya elabo inaguwa; nona anologiya enziwani mwa ofwanya dhipano dha maka maka dhofiyedhana ofwanya makattamiyo oziwa oleba na owengesela mwa nlogo ntti. Masunzoya aba aromile na nivuzo ninga ntti: mukalelogani onkamiyedha oleba na owengesela na elogelo ya ezugu na ya elabo inaguwa onodhaga okamiyedha anamasunza a mwalano dhroma na masunso a dhilopgelo bili owkamiyedha oleba na owenegela na lizu nezugu? Mabasa aba anttameleca osequesera na owenbesa esile dinlebiwa na dhinengeseliwa, na Echuwabo, vina na ezugu vamodha elogelo inaguwa, dhinlalleiwa na nzu nowoba na muttengo wa anamasunza makumeli ansunza kalassi yo nottana mu msunzoni a dhilogelo bili, ninga mavuzo ankosiwa mwa anamasunza. Dha maka maka dhifwanyiwe dhintonya makattamiyo a oziwa oleba na owengesela na elogelo ya mmawani na elogelo ya ezugu, na oziwa oleba na owengesela mwa anamasunza, eziweaga wi makattamiyo anfwanyeeca muttapulelani dhinsunzani na dhinsunzani mu elogeloni ya mmawani dhinodhaga owonea agafunga olupela elogelo ya mmwani mpaka elogelo ya ezugu, masiki na makattamiyo a owengesela na leba  arumelelga makatmiyo anawafwanya munsunzana dhilogelo bili, na odjombeliwa dhipano dha mabasa amwa anamunziya abale ailibiwe na gano dhosunziyana na dhina.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonarda Jacinto José Maria Menezes, Universidade Eduardo Mondlane - Moçambique

Docente e investigadora da Universidade Eduardo Mondlane, Chefe de Secção de Português, docente das disciplinas de Português I,II,III e IV, Técnicas de Expressão e Comunicação Oral e Escrita. Fiz o Doutorado em Letras em 2013 na Universidade Federal da Bahia, Brasil, o Mestrado em Didáctica de Línguas, Português Língua não Materna, na Universidade de Aveiro, Portugal e Graduação em Ensino de Português, na Universidade Pedagógica em Maputo. A minha área de investigação é Descrição e análise Linguística e Linha de Pesquisa é Aquisição e Ensino de Português. Meus trabalhos enfocam a questão da literacia, particularmente a questão das interferências linguísticas provenientes das línguas bantu no português língua estrangeira, nos alunos de educação bilingue, das zonas rurais de Moçambique e também faco pesquisas de acordo com a linha de pesquisa, ensino de português língua segunda e língua estrangeira. Tenho um livro publicado e outro em preparação. Publiquei artigos em revistas de especialidade e com revisão de pares. Tenho experiencia como revisora de artigos, na Revista Científica da UEM e supervisora de estudantes de Doutoramento, Mestrado e Graduação. Tenho experiência como Avaliadora de Cursos de Graduação em Letras pelo CNAC. Falo português com fluência, inglês ao nível de leitura e escrita, francês leitura com compreensão, espanhol leitura com compreensão, echuwabo falado e escrito, elómwè leitura com compreensão.

Gilberto Necas Mucambe Milice, Universidade Eduardo Mondlane - Moçambique

Moçambicano, doutorando em Linguística pela Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane, pesquisador e docente na Escola Superior de Ciências Náuticas (ESCN).

Referências

Ançã, M. H.(1999) “Da língua materna à língua segunda”. Lisboa: Ministério da Educação. Instituto de Inovação Educacional. Noesis, Lisboa, nº 51, 14-16, jul./set., 1999.

Benson, C. (1998). Alguns Resultados da Avaliação Externa da Experiência de Escolarização Bilingue em Moçambique. in: Stroud, C. & Tuzine, A. (1998). Uso de Línguas Africanas no Ensino: Problemas e Perspectivas. Cadernos de Pesquisa, Nº 26. Maputo: INDE/MINEDH – Moçambique, p. 297-300.

Bilimória, H. & Almeida, L. S. (2008) Aprendizagem auto-regulada: Fundamentos e organização do programa SABER Programa de auto-regulação da aprendizagem. Programa Saber.

Castiano, J. P. (2014). Finalmente os saberes locais vão entrar oficialmente na escola: Perigos e desafios. in: Nhalevilo, E. A., et. al. (2014). Os saberes locais e a educação. Maputo: Texto Editores, p. 84-95.

Chambo, G. et. al. (2020). Educação bilíngue em Moçambique. Guia Prática. Edição Universidade de Vigo.

Chimbutane, F. (2015). Línguas e Educação em Moçambique: Uma Perspectiva sócio-Histórica. In: Gonçalves, P. & Chimbutane, F. (2015). Multilinguismo e Multiculturalismo em Moçambique. p. 35-75. Maputo: Alcance Editores.

Creswell, J. W. (2007). Projecto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2.ed. Porto Alegre: Artmed.

Cumbane, S. S. (2020). Educação bilíngue em Moçambique e o Empoderamento das Comunidades. Dissertação de Mestrado. FLCS-Universidade Eduardo Mondlane, Maputo.

Da Silva, L.B.V.R. (2018). Communication Estrategies of Adolescent Sexual and Reproductive Health Programmes in Mozambique: The Cultural Challenges of Programa Geração Biz. Tese de Doutoramento. Ghent: Ghent University.

David, M. B. (2017). O Ensino Bilíngue em Moçambique: uma análise sociológica da influência do contexto e das origens sociais dos alunos no seu desempenho escolar na EPC Lussa, Distrito de Gurúe, Província da Zambézia. Monografia de Licenciatura. FLCS, Universidade Eduardo Mondlane, Maputo.

De Paula, M. H. & Quiraque, Z A. S. (2017). Diversidade Linguística, Direitos Linguísticos e Planificação Linguística em Moçambique: Problemática e Desafios na Adopção da Língua de Instrução no Ensino e Aprendizagem. Article July 2017, nº 42-906.

Dorneyei, Z. (2007). Research Methods in Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press.

Eckert, P. (2013). Ethics in linguistic research. In: Podesva, Robert J. & Sharma, Devyani (eds). Research Methods in Linguistics. Cambridge: CUP, p. 11-28

Ellis, R. (1999). The study of Second Language Acquisition. Oxford University, Press.

Ellis, R. (2015). Understanding Second Language Acquisition. 2.ed. Oxford University, Press.

Faquir, O. C. G. (2016). Didáctica da escrita em contextos multilíngues: o caso de Moçambique – desafios linguísticos, metodológicos e contextuais. Tese de Doutoramento. Lisboa: UL – FLUL.

Firmino, G. (1998). Língua e Educação em Moçambique. In: Stroud, C. & Tuzine, A. (1998). Uso de línguas africanas no ensino: problemas e perspectivas. Cadernos de Pesquisa Nº 26. Capítulo 9. p. 247-278. Maputo: INDE/MINEDH – Moçambique.

Fortin, M. F. (2006). Fundamentos e etapas do processo de investigação. Loures: Lusodidacta.

Gass, S. M & Selinker, L. (2008). Second language acquisition: an introductory course. Third edition. New York and London: Taylor & Francis.

Gonçalves, P. & Diniz, M.J. (2004). A Língua Portuguesa no Ensino Primário. In: Gonçalves, P. &. Diniz, M. J. (Org.). (2004). Português no ensino primário: estratégias e exercícios. Maputo: INDE, p. 1-14.

Gonçalves, P.; Vicente, F. (2010). Erros de Ortografia no Ensino Superior. In Gonçalves, P. (2010). O português escrito por estudantes universitários: descrição linguística e estratégias didácticas.p. 51-69. Maputo: Texto Editores.

INDE/MINED.(s/d). Programa do Ensino Básico para o III º Ciclo (6ª e 7ª Classes), Língua Portuguesa. Maputo: INDE/MINED: Maputo.

Joaquim, J. A. (2013). Educação Bilíngue em Moçambique. Um estudo de caso, na Província de Gaza, centrado nas práticas pedagógicas do Ensino Básico. Dissertação de Mestrado. Instituto de Educação da Universidade do Minho.

Littlewood, W. (2006). Second language learning. In: Davies, A. and Elder, C. (Eds) The handbook of applied linguistics (pp. 501-524). Malden: Blackwell Publishing.

Marcuschi, L. A. (2001). Análise da Conversação. 5.ed. São Paulo: Ática.

Mello, J. A. (s/d) “Interferências da Oralidade na Produção Escrita”. Disponível em: http://www.encontrodevista.com.br/artigos/interferência_da_oralidade_na_produção_Escrita.pdf. acesso em: 15. nov. 2011.

Menezes, L. J. J. M. (2016). O Ensino Bilíngue em Moçambique: Entre a Casa e a Escola – A questão da interferência das Línguas Bantu no Português. Novas Edições Acadêmicas

Ngunga, A. S. A. (2008). O Papel das Línguas Moçambicanas na vida social, política e econômica do país. Maputo: UEM/CEA.

Ngunga, A. S. A. (2021). A toponímia e a diversidade linguística em Moçambique. Njinga & Sepé: Revista Internacional de Culturas, Línguas Africanas e Brasileiras. São Francisco do Conde: (BA), vol.1, nº 1, p.38-62, jan./jun. 2021.

Ngunga, A., Manuel, C., Langa, D., Machungo, I. & Da Câmara, C. (2022). Padronização da Ortografia de Línguas Moçambicanas: Relatório do IV Seminário. Imprensa universitária. Maputo: CEA-UEM.

Nijakowska, J. (2010). Dyslexia in the Foreign Language Classroom/Second Language Acquisition. Multilingual Matters. Clevedon, England: Short Run Press Ltd.

Silva, S. D. (2012). Concepções de Leitura: abordagens psicolinguísticas em interface com abordagens da neurociência. In: Pereira, V. W. & Guaresi, R. (2012). Estudos sobre a Leitura: Psicolinguística e Interfaces. Porto Alegre: EDIPUCRS. p. 151-157.

Timbane, A. A. (2015). A complexidade do ensino em contexto multilíngue em Moçambique: políticas, problemas e soluções. Calidoscópio, Vol. 13, n. 1, p. 92-103, jan/abr. 2015.

UNESCO. (1996). Declaração Universal dos Direitos Linguísticos. UNESCO: Barcelona, Junho, 1996.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

Menezes, L. J. J. M. ., & Milice, G. N. M. . (2024). Análise comparativa da leitura e escrita dos alunos do ensino bilíngue: do Echuwabo ao Português : Osekesera woladdaniyana wa oleba na owengesela wa anamasunza na masunzo a dhilogelo bili: na Echuwabo para ezugu . JINGA SEPÉ: evista nternacional e ulturas, Línguas fricanas rasileiras, 4(1), 114–133. ecuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1547