Práticas de leitura em sala de aula pela perspectiva interacionista em Moçambique

Matirhelo ya ku hlaya ka saleni hi ku suka hi ntlangu wa vutlhokovetseri emozambhiki

Autores

  • Dércio Gidrião Cossa Universidade Estadual de Feira de Santana - Brasil

Palavras-chave:

Práticas De Leitura, Sala De Aula, Interacionismo, Moçambique

Resumo

Neste artigo, de cunho documental objectivamos analisar as perguntas de leitura do livro didáctico da língua portuguesa da 9ª classe. Com base nele, analisamos as etapas assim como a classificação das perguntas de leitura que consideramos importantes para a formação de leitores críticos e assíduos. Partimos da premissa segundo a qual, no contexto de Moçambique, o trabalho com a leitura em sala de aula ainda incide sobre a perspectiva estruturalista, razão pela qual se valoriza mais o material linguístico como detentor de sentido, neste contexto, os elementos contextuais são postos de lado. Com efeito, a noção de leitura discutida neste artigo se engendra e se alicerça na perspectiva interacionista. Deste modo, a nossa fundamentação teórica foi construída à luz dos autores como: Cuamba & Tachiua e Cigarros (2020); Fuza (2010); Fuza & Menegassi (2022); Menegassi (2022); e Solé (1998). Quanto aos procedimentos metodológicos, enveredamos pela abordagem qualitativa de cunho descritivo. Quanto às técnicas de recolha de dados, pautamos pela pesquisa documental e, quanto as técnicas de análise e interpretação de dados, escolhemos a análise de conteúdo. A partir dos resultados da pesquisa, concluímos que as perguntas de leitura analisadas não atendem as etapas de leitura necessárias para a formação de leitores críticos. De facto, as perguntas apresentadas não são sequenciadas e perguntas em função das etapas que vão desde a descodificação, compreensão, interpretação e retenção.

****

Eka xitsalwana lexi, xa muxaka wa matsalwa, hi kongomisa ku xopaxopa swivutiso svo hlaya ku suka eka buku ya ririmi ra Xiputukezi ya buku ya 9. Hi ku ya hi yona, hi xopaxophile magoza xikan’we na ku hlawuriwa ka svivutiso svo hlaya lesvi hi svi tekaka svi ri sva nkoka eka ku vumbiwa ka vahlayi lava xopaxopa na lava hisekaka. Hi sungula eka xisekelo xa leswaku, eka xiyimo xa Mozambhiki, ntirho na ku hlaya etlilasini wa ha kongomisa eka langutelo ra xivumbeko, hi yona mhaka leyi swilo swa ririmi swi tekeriwaka enhlokweni ngopfu tanihi mukhomi wa nhlamuselo, eka xiyimo lexi, swiaki sva xiyimo svi vekiwa etlhelo. Kahle-kahle, mianakanyo ya ku hlaya leyi ku buriweke ha yona eka xihloko lexi yi tumbuluxiwile nasvona yi sekeriwe eka langutelo ra vuhlanganisi. Hi ndlela leyi, masungulo ya hina ya thiyori ya akiwile hi ku vona vatsari vo fana na: Cuamba & Tachiua e Cigarros (2020); Fuza (2010) naswona; Fuza na Menegassi (2022) na vona; Menegassi (2022) naswona; na Solé (1998) na vona. Loko ku ri maendlelo ya maendlelo, hi amukerile endlelo ra xiyimo, ro hlamusela. Loko ku ri tithekiniki to hlengeleta datha, hi kongomise eka ndzavisiso wa matsalwa nasvona, loko ku ri tithekiniki ta nxopaxopo wa datha na nhlamuselo, hi hlawurile nxopaxopo wa nhundzu. Ku suka eka mimbuyelo ya ndzavisiso, hi gimete hi lesvaku svivutiso swo hlaya lesvi xopaxopiweke a swi fikeleli sviteji svo hlaya lesvi lavekaka eka ku vumbiwa ka vahlayi lava xopaxopa. Entiyisweni, svivutiso lesvi nyikeriwaka a svi landzelelani nasvona i svivutiso lesvi simekiweke eka sviteji lesvi sukaka eka ku dekhoda, ku twisisa, ku hlamusela na ku hlayisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Dércio Gidrião Cossa, Universidade Estadual de Feira de Santana - Brasil

É mestrando em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual de Feira de Santana - Brasil, possui Licenciatura em Ensino do Português, com habilitação em Ensino do Português Língua Estrangeira pela Universidade Licungo – Moçambique. Foi colaborador no Camões, I.P. Centro de Língua Portuguesa em Quelimane. Atualmente, é membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em (Multi)Letramentos, Educação e Tecnologias (GEPLET) da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Referências

Alves, P. F. (2014). Manual de pesquisa qualitativa. Belo Horizonte: Grupo Ănima Educação.

Angelo, C. M., & Menegassi, R. J. (2014). Perguntas de leitura na prática docente em sala de apoio. RBLA, p.661-687.

Angelo, C. M., & Menegassi, R. J. (2022). Conceitos de leitura e ensino de língua. In: Angelo, C. M.; Menegassi, R. J. & Fuza, Â. F. Leitura e Ensino de Língua. São Carlos: Pedro & João Editores, p. 13-84.

Fuza, Â. F., & Menegassi, J. R. (2022). Perguntas de leitura em ordenação e sequenciação no ensino fundamental. In: Ângelo, C. M.; Menegassi, R. J. & Fuza, Â. F. (Org.). Leitura e ensino de língua. São Carlos: Pedro & João Editores. p. 153-194.

Bakhtin, M. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: HUCITEC.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Persona.

Boreggio, S. A. (2021). Práticas de leitura e escrita em uma perspectiva discursiva: a constituição da autoria em textualizações verbo-visuais sobre gentileza. Maringá: UEM.

Buendía, M. (2010). Os desafios da leitura: desafios para Moçambique 2010. IESE, p.257-271.

Cuamba , E. G., Tachuia, B. D., & Cigarros, M. B. (2020). A leitura no livro didáctico de língua portuguesa da 7ª série do ensino básico moçambicano. In: Spaziani, L.; Camargo, P. G. & Pozza, R. H. (Org.). Faces da leitura e da escrita: teorias e práticas. São Paulo: Even3 Publicações. p. 85-110.

Fuza, A. F. (2010). O conceito de leitura da prova Brasil. 113f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-graduação em Letras. Maringá: Universidade Estadual de Maringá .

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas.

INDE/MINED. (2010). Português, Programa da 9ª Classe. Maputo: INDE/MINED.

Lino, D. A., & Brito, P. A. (2020). Uma proposta didática para o ensino de leitura na perspectiva dialógica: construção de sentidos por meio do gênero fábula. Letras , 1-15.

Maciel, C. A., & Comé, A. P. (2010). A língua portuguesa, 9ª classe. Maputo: Plural Editores.

Marconi , M. A., & Lakatos, E. M. (2003). Fundamentos de Metodologia Científica. 5.ed. São Paulo: Atlas.

Marcuschi, L. A. (1996). Exercícios de Compreensão ou Copiação nos manuais de ensino da língua. Em aberto, Brasília, ano 16, n.69, p.63-82, jan./mar.1996.

Minayo, C. (2003). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes.

Orlandi, E. P. (1999). Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas-SP: Pontes.

Orlandi, E. P. (2012). Discurso e leitura. 9.ed. São Paulo: Cortez.

Sadoyama , A. P. (2017). Práticas discursivas e educativas de leitura: o fazer, entender e praticar. II SINALEL, 12-18.

Solé, I. (1998). Estratégias de Leitura.6.ed.Porto Alegre:: Artmed.

Tachiua, B. D. (2021). Práticas de ensino da leitura no ensino secundário geral em moçambique: perspetivas de alunos e professores. Minho: Universidade do Minho.

Voloshinov, V. N., & Bakhtin , M. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. Sao Paulo: HUCITEC.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

Cossa, D. G. (2024). Práticas de leitura em sala de aula pela perspectiva interacionista em Moçambique : Matirhelo ya ku hlaya ka saleni hi ku suka hi ntlangu wa vutlhokovetseri emozambhiki. JINGA SEPÉ: evista nternacional e ulturas, Línguas fricanas rasileiras, 4(1), 134–156. ecuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1466