O português em Angola: língua materna e língua segunda nos subsistemas de ensino

O puto ya Ngola: dimi diamama, dimi diakayadi

Autores

  • André Zua Bulo Universidade Agostinho Neto - Angola

Palavras-chave:

Angola, Ensino, Língua materna, Língua segunda

Resumo

Esta pesquisa tem como propósito, fazer uma abordagem sobre –  “O português em Angola – como língua materna e língua segunda nos subsistemas de ensino”. O estudo formulou como objetivos (i) analisar alguns fatores que estejam na base do ensino do Português como língua materna e língua segunda nos subsistemas de ensino em Angola; e (ii) compreender os aludidos fatores subjantes da análise em voga. Apresentamos como enfoque – a pesquisa bibliográfica, numa perspectiva qualitativa e descritiva, apresentando a seguinte questão de partida: Que fatores concorrem para o sucesso ou o insucesso do ensino da Língua Portuguesa como língua materna e língua segunda nos subsistemas de ensino em Angola? Para dar corpo e substância a este assunto, recorremos ao suporte bibliográfico de Mudiambo (2013), Quivuna (2013) Contente (2013) e outros, com os quais, dentre outros aspectos, definimos alguns conceitos sobre língua. Por outro lado, descrevemos outras abordagens sobre o português quer como língua materna, quer como língua segunda nos subsistemas de ensino em Angola, assim como sobre a dimensão intercultural e interdisciplinar do português, o seu caráter didático e pedagógico enquanto disciplina científica, com o suporte de Gaspar et al. (2012), Nauege (2015), Azeredo (2010), entre outros. Outrossim, apresentamos também outras considerações sobre alguns fatores subjacentes, tais como, o caso da formação técnico-científica dos técnicos, o respectivo direcionamento e a sua contínua capacitação, consubstanciados como fatores imprescindíveis e decisivos para o desenvolvimento da política educacional e a sua execução no país. Finalmente, faz-se uma sucinta reflexão sobre o ensino do português em Angola.

****

Uzambwilu yu  wakala ni disukilu kubanga uzwelelu walungu ni – “Phutu mu Ngola kala dizwi dya umama ni dizwi dya kayadi mu ukexilu wa ulongelu”. Oulongesu wakala ni mbambe kala (i) kuzambula ikuma imoxi yakala budimatekenu dya ulongelu wa Phutu kala dizwi dya umama ni dizwi dya kayadi mu ukexilu wa ulongelu mu Ngola; ni (ii) Okutetuluka mukaxi ka ikuma yaxindi mu uzambwilu yu. Twalondekesa kala utundisilu – uzambwilu wa mikanda, mukexilu wa uvudilwilu ni wa utangelwelu, mukuta odiba didi dya dimatekenu: Ikuma yahi yakala mu ukudilu mba uxombelu wa ulongelu wa Dizwi dya Phutu kala dizwi dya umama ni dizwi dya kayadi mu ukexilu wa ulongelu mu Ngola? Anga mu kubana nguzu mu maka ya, twai mu mikanda ya Mudiambo (2013), Quivuna (2013) Contente (2013) ni akamukwa, ni ene, mu kaxi ka ima ya kamukwa, twatetulwila maba amoxi alungu ni dizwi. Ku mbandu yakamukwa, twatongolwela izwelelu yengi yalungu ni phutu, mukwila kala dizwi dya umama, kala dizwi dya kayadi mu ukexilu wa ulongelu mu Ngola, kala we mu unene wa ifwa ni wa ilongelu imoxi ya phutu, ni ukexilu we wa didatika ni pedagojiya kala dilongesu dya kwijiya, ni ukwatekesu wa Gaspar et al. (2012), Nauege (2015), Azeredo (2010), ni akwamukwa. Kyamukwa, twalondekesa na izwelelu yakamukwa yalungu ni ima imoxi ni yengi. Kyamukwa, twalondekesa na izwelelu yakamukwa yalungu ni ima imoxi ya kingoho, kala, kulongesa mu kwijiya kwa akalakadi, oulondekesu ufamena ni ulongelu we mu ithangana yoso, walungu ni ikuma yakolo ni ifamena mu ukudisilu wa ukexilu wa ulongelu ni ubangelu we mu ixi. Mu usukininu, abangeku kixinganeku kyalungu ni ulogelu wa Phutu mu Ngola.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Zua Bulo, Universidade Agostinho Neto - Angola

É Licenciado em Língua e Literatura Portuguesa, opção de Linguística; Mestre em Língua Portuguesa e Literaturas em Língua Portuguesa, especialidade em Linguística Portuguesa, pela Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto; Pós-Graduado em Agregação Pedagógica para Docentes do Ensino Superior, e em Elaboração de Artigos Científicos, pelo Centro de Estudo de Apoio à Formação, Investigação e Extensão, da mesma Universidade. Funcionou como professor do Ensino não Universitário Público por mais de 18 anos, tendo lecionado nos três ciclos daquele sistema de ensino, tendo também desempenhado algumas funções de direção, e a de Supervisor Pedagógico e Inspector Provincial da Educação.  No ensino superior privado, leciona desde 2014/15, em regime de Colaborador, dentre outras cadeiras, a de LP, TEOE e IPC.

Referências

ANÇÃ, M. H., (2015). Da língua materna à língua segunda. Noises. Lisboa: Direção Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.

ANGOLA.(2011). Decreto presidencial n.º16/11 de 11 de Janeiro. Luanda: Assembleia Nacional.

ANGOLA.(2003). Decreto-Lei n.º 7/03, 17 de Junho. Luanda: Assembleia Nacional.

ANGOLA .LBSE – Lei De Bases Do Sistema Educativo. Lei n.º 13/01 de Dezembro. Luanda: Assembleia Nacional.

ANGOLA (2020). Lei de Bases do Sistema de Educação e Ensino nº32/20-D.R – Iª Série nº 123, de 12 de Agosto. Luanda: Assembleia Nacional.

ANGOLA (2005). Lei n.º2/05 de 14 de Janeiro. Luanda: Assembleia Nacional.

ANGOLA (2010). Constituição Da República: Luanda: Assembleia Nacional, 2010.

ANGOLA- MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (2013). Programas de língua portuguesa – do ensino primário, do 1º ciclo do ensino secundário e do 2º ciclo do ensino secundário, Luanda: Editora Moderna.

AZEREDO, Fernando José Fraga de (2010). Metodologia da Língua Portuguesa. Luanda: Plural Editores.

CARDOSO, G.A.J.,(s.d.). Interferências Linguísticas do Cabo-verdiano no Processo de Aprendizagem do Português. Lisboa: UAL (Dissertação de Mestrado, Universidade Aberta, Lisboa)

CHICUNA, Alexandre Mavungo. (2014). Portuguesismos nas Línguas Bantu: Para um Dicionário Português – Kiyomb. Lisboa: Edições Colibri.

CONTENTE, Maria Madalena Dias Marque.(1995). A Leitura e a Escrita – Estratégias de Ensino para Todas as Disciplinas. Lisboa: Editorial Presença.

COSTA, António Fernandes da.(2002). Questões das Línguas e das culturas: O ensino do português em Angola. Luanda: AULP.

COSTA, João.(2012). Dicionário Moderno da Língua portuguesa. Lobito: Escolar Editora.

CUNHA, Celso, CINTRA, L. F. Lindley (1984). Nova Gramática do Português Contemporâneo. Lisboa: Edições João Sá da Costa.

CUNHA, Celso, CINTRA, L. F. Lindley (1984): Nova Gramática do Português Contemporâneo. 18.ed. Lisboa: João Sá da Costa.

CUNHA, Celso, CINTRA, L. F. Lindley.(1991).Nova Gramática do Português Contemporâneo. 8.ed. Lisboa: João Sá da Costa.

DOMINGOS, Manuel da Silva.(2011). Nasalidade Vocálica em Português: Pistas para identificação forense de falantes. Lisboa: FLUL(Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa).

FERRAZ, Maria José.(2006). Ensino da Língua Materna. Lisboa: Editorial Caminho, SA.

GALISSON, Robert, COSTE, Daniel (2012). Aproximação Linguística e Experiência Comunicacional. Luanda: Edições de Angola.

GASPAR, Lisete et al., (2012).A Língua Portuguesa e o seu ensino em Angola, Rio de Janeiro: Publicações Dialogarts.

MARQUES, Irene Guerra (2012) Algumas considerações sobre a problemática linguística em Angola: In Neto, Muamba Garcia. Aproximação Linguística e Experiência Comunicacional. Luanda: Edições de Angola.

MINGAS, A. Arlete. (2012). Ensino da Língua Portuguesa no Contexto Angolano – In: Uma política de língua para o português. Angola: Edições Colibri.

MUDIAMBO, Quibongue. (2012). Da Lexicologia e Lexicografia de Aprendizagem ao Ensino da Língua Portuguesa no II Ciclo do Ensino Secundário:10ª, 11ª,12ª e 13ª Classes – na Escola de Formação de Professores “ Cor Mariae” do Uíje. Lisboa: FCSH (Tese de Doutoramento, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa).

NAUEGE, João Muteteca (2015). Aquisição da competência lexical na aprendizagem do português língua segunda – especificidades do aluno angolano. Portugal: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa.

PEROTTI, Antonio.(2003) Apologia do Intercultural. 2ed. Lisboa: Grafis Editor.

QUIVUNA, Manuel. (2013).Lexicologia aplicada ao ensino do léxico em português língua não materna, estudo de caso: Escola do 2º Ciclo da Cidade do Wizi. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa (Tese de Doutoramento).

RENDINHA, José (2003). Etnias e Culturas de Angola, Instituto de Investigação Científica de Angola, Luanda: SE.

XAVIER, Maria F., MATEUS, Maria Helena. (2015). Dicionário de termos linguísticos, Vol. I. Lisboa: SE

ZAVONI, Fernandes; Ntondo, João (2002). Angola povos e línguas. Luanda: Edições Nzila.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

Bulo, A. Z. . (2024). O português em Angola: língua materna e língua segunda nos subsistemas de ensino: O puto ya Ngola: dimi diamama, dimi diakayadi. JINGA SEPÉ: evista nternacional e ulturas, Línguas fricanas rasileiras, 4(1), 80–97. ecuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1542