Gestão curricular como substância e função das instituições do subsistema de ensino primário em Angola

Autores

  • Miguel Divovo Instituto Superior Politécnico Privado do Kilamba - Angola
  • Faustino Moma Tchipesse Universidade Agostinho Neto - Angola

Palavras-chave:

Currículo, Concretização Curricular, Chave, Política Curricular

Resumo

O estudo visa analisar a dimensão fundamentativa do currículo e seus níveis de objectivação e concretização curricular no Ensino Primário em Angola. Dada a pertinência dos estudos curriculares, o contexto escolar e a sua função social, o presente estudo busca dar resposta a seguinte indagação: Qual é a dimensão fundamentativa do currículo e de que forma o Estado define os níveis de objectivação e concretização das políticas educativas? O currículo representa a caminhada que o sujeito irá fazer ao longo de sua vida escolar, tanto em relação aos conteúdos apropriados, quanto às actividades realizadas sob a sistematização da escola. Por esta razão a compreensão de que “a escolaridade é um percurso para alunos/as, e o currículo é seu recheio, seu conteúdo, o guia de seu progresso pela escolaridade”. A pesquisa é de abordagem qualitativa, desenvolvida através de pesquisa bibliográfica exploratória. Com esta pesquisa se espera que professores, educadores, tutores, facilitadores, pais e encarregados de educação, directores, equipe escolar, reflictam sobre a prática pedagógica e a teoria curricular estabelecida nas escolas e na formação social, cultural, afectiva e humana de todos os estudantes. O estudo conclui que face a crescente necessidade, interesse e desejo de se preparar um sujeito histórico-social, íntegro, que tenha dimensão humana desenvolvidas (cognitiva, psicomotora e afectiva) é necessária a luta não só contra as atuais ergonomias da sala de aula, mas também, garantir que o processo de desenho, desenvolvimento e avaliação do currículo seja centrado no desenvolvimento do conhecimento, habilidades, atitudes, valores e ética. 

****

O kikalakalu kiki kitalesa o maka alungu ni kitumu kya ulongelu ni itala ya kimesenu kye, mu kayula ka kubhanga undonda wa kidi. Mukonda dya kwila kyabingi isoneku kala yiyi, yendesa o xikola ni kinemenu kye mwaxaxe ka mundu, o kikalakalu kiki kyamesena o kutaya o kibhudisu kiki: Kinemenu kyebhi kyalanakyu o kitumu kya ulongelu ni kyebhi o Unguvulu uxinda o itala ya imesenu ni utelu mu kidi wa unganji wa ulongesu wa mundu? O kitumu kya ulongelu kyadifwangana o wendelu wandabhanga kwala o muthu mu kithangana kyandakala mu xikola, mu imbamba ya kudilonga, mba mu yoso yabhanga m’ungiji wa xikola. Mukonda dya kiki, o utetulukilu wa kwila “kudilonga njila yenda kwala o dixibhulu, ni o kitumu kya ulongelu kyene kizalesa, ima ye ya kulongesa, o kyendelu kya undonda wa kudilonga”. O kikalakalu kibwata maka m’ukexilu wa ifika, bhu kaxi ka isoneku yabhange kya kwala athu engi. Ni kayula ka kikalakalu kiki twakala ni dikingilu dya kukala ni alongexi, athu asasa, jimesene, athu akwatekesa, jitata, jimama, jindandu ni jingendexi jya jixikola, oso axingeneka o wendelu wa ulongelu ni kitumu kyamulongesanakyu mwaxaxe ka jixikola ni m’ubguji wa ukexilu mu kisangi, mu ifwa ni idifwa, mu kizola ni uthu wa maxibhulu oso. O disukilu dya kikalakalu dilondekesa o kwila, mukonda dya kudibandekesa kwa kimesenu ni hanji ya kubhanga muthu wejiya o musoso ni mundu, mukwa kijingu, ukala ni muxima wa muthu wa lumbidyasuku (mu kwijiya, m’ubhangelu ni mu kwiva mba mu kizola), kyabingi kubanga kanaku ngo ni imbamba itusanga lelo mwaxaxe ka dixilu dya kulongela, kuma ni mu kayula ka kubana uxindilu wa ifika, ulombolwelu ni uzambwilu wa kitumu kya ulongelu ukale kikale mu kibuta kyadyanga m’ulombolwelu wa kwijiya, maufunu, maubhangelu, kijingu ni mbote.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Miguel Divovo, Instituto Superior Politécnico Privado do Kilamba - Angola

Mestre em Educação na área de Currículo e Comunidade Educativa pela Faculdade de Ciências Sociais da Universidade do Chile, 2018-2020 e Mestre em Educação na área de Pedagogia do Ensino Superior pelo Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda (ISCED-Luanda) 2017-2020; Licenciado em Ciências da Educação, Opção Ensino de História – Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda. Chefe de Departamento de Avaliação Externa e Acreditação das Instituições de Ensino Superior; É professor do Instituto Superior Politécnico Privado do Kilamba desde 2020. É autor e co-autor de vários artigos científicos em Educação particularmente na área de Currículo, Avaliação, políticas curriculares e formação de Professores.

Faustino Moma Tchipesse, Universidade Agostinho Neto - Angola

Mestre em Ciências da Educação, pela Universidade de Desarrollo Sustentable-UDS. Licenciado em Pedagogia pela Universidade Católica de Angola (UCAN) - Instituto Superior Dom Bosco (ISDB). Vice-presidente do Conselho Científico da Associalização dos Investigadores e Filósofos Angolanos-AIFA. Faz parte do corpo de revisores da Revista Primeira Evolução no Brasil. É também um dos fundadores do Centro de Estudos, Apoios de Politicas Educativas-CEAPE. Tem artigos científicos publicados em Angola, Brasil e Moçambique (Revista UDZIWI), Professor, pesquisador e escritor.

Referências

AFONSO, M. & Agostinho, S. (2019). Avaliando processo e resultados em contexto escolar: perspectivas teóricas, práticas e desafios. Luanda: Editora Moderna.

AFONSO, M. (2022). Pecados Mortais no ensino, na avaliação e na aprendizagem: Reflexões para mudanças as Mudanças Necessárias. 2. ed. Angola: mensagem.

ALVES, M. (2004). Currículo e avaliação: Uma perspectiva integrada. Porto: Porto Editora.

ANGOLA (2016). Lei de Bases do sistema de Educação e Ensino. Diário da República. Iª Série, N.º170, de 7 de Outubro. Luanda: imprensa nacional.

ANGOLA (2016).Lei De Base Do Sistema De Educação Angolana nº17/16-D.R-IªSérie nº170, de 07 de Outubro, Luanda: imprensa nacional.

ANGOLA (2020). Lei de Bases do Sistema de Educação e Ensino nº32/20-D.R-IªSérie nº123, de 12 de Agosto, Luanda: imprensa nacional.

APLLE, Michael W. Repensando ideologia e currículo. In: MOREIRA, A.F.; SILVA, T.T. (Org.). Currículo, Cultura e Sociedade. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

BEM-DAVID, T. & COLLINS, R. (1966). Social factors in the origins of a new science:the case of psychology. American: American Sociological Reviw. Vol.31

BENINE, A. (2007). Reflessioni sulla secondaria di primo grado. Itralia: Revista di inovazione educativa.

BIANCO M. (2006). Currcollo: Storiia, e modelli applicativi School. Mlano: Editora Franco Angeli.

BOAVENTURA, J.F.(2016). Estudo do sistema curricular angolano: reformas e inovação segundo o pensamento de José Gimeno Scristán. Angola: Proget edizioni

BOBBIT J. F. (1918). The curriculum. Boston: Editora Hougton mifflin.

BOURIDEU, P. & PASSERON, J.C.(2000). Reducion in education, society and culturare. 2ªed.Sage: Londres/California

BROCCA, B.(1994). Attese e prospecttive del sistema scolastico.Italia: Innovazione educativa.

BUCHER, R. & STRAUSS, A. (1976).Profissions in process. In: HAMMERSLEY, M. & WOODS, P.(Org.). The process of schooling: a sociological reader. Londres: Routledge and Kegan Paul.

DA SILVA, T. (2000). A poética e a política do currículo como representação. In: Jose Pacheco, Políticas de integração curricular. Porto: Porto Editora.

DURKHEIM, D. É. (2008). A educação moral. Petrópolis,Vozes.

FERRAÇO, C. E. (Org.). Cotidiano Escolar, Formação de Professores(as) e Currículo. São Paulo: Cortez, 2005.

FERREIRA, A. B. de H. (1986). Novo dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

GIL, A.C.Como elaborar projectos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GIRAEDET, H.; HOFFMANN, C.(1984). Proposte per um curricolo elementare. Italia: Firenze.

GOODSON, I. F.(1995).The Making of curriculum. 2.ed. Londres/New York: Falmer.

GOODSON, Ivor. F.(2008). As políticas de currículo e de escolarização: abordagens históricas. Petropolis, RJ: Editora Vozes.

MILANDO, J.(2021). Poderes abusivos: As avarias de um país em autodestruição assistida. Lisboa: Livros e conteúdos

KRUG, A. (2001).Ciclos de Formação: uma proposta transformadora. Porto Alegre: Mediação.

LOPEZ, K. (2021). Teorias curriculares. Assunção: Universidad de Desararrolo sustentable-UDS.

MACKERNAN, J. (2009).Currículo e imaginação: teorias do processo, pedagogia e pesquisa-acção. Porto Alegre: Artmed.

MARGOTTA, U.(1997). Premessa. In: Fiorino Tessaro.(Org.). La volutazione dei processi formativi. Roma: Editora Armando.

MED-INIDE (2019). Revisão Curricular: propostas de novos planos de estudos no âmbito no INACUA/PAC 2018-2025. Luanda:MED

MED-INIDE (Org.). (2019). Jango de saberes e experiências curriculares 2019: Angola, Moçambique e Portugal. Luanda: Editora Mensagem.

MED-INIDE. (2019). Jango de Saberes curriculares: um olhar sobre o ensino e a aprendizagem do alfabeto em Angola. Angola: Editora Mensagem.

MEYER, J. W.(1977). The structure of educacional organization. In: MEYER, J.W.; MARSHALL, W. et al.(Eds.). Environments and organizaction. São Francisco: Josseey-Bass.

MORREIRA, A. F. B; CANDAU, V. M.(2008). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. São Paulo: Vozes.

MORREIRA, A. F. B; SILVA, T. T. da (Org.) (1994). Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez.

NANNI Carlos. (2005). Relazionalitá e responsabilitá in educazione. Roma: IFREP.

PACHECO J. (2001). Currículo: teorias e práxis. Porto: Editora Porto.

PACHECO, J. A.(2001). Currículo: teoria e práxis. Porto: Porto Editora.

PARASKEVA J. (2001). A dinâmica dos conflitos ideológicos e culturais na fundamentação do currículo. Lisboa: Asa.

ROLDÃO M. (1999). Os professores e a gestão do currículo: perspectivas em análises. Porto: Porto Editora.

SACRISTÁN, J. G; GOMES, P.(1998). Compreender e transformar a escola. 4. ed. Porto Alegre: Artmed.

SILVA, T. T.(2003). Documento de identidade: uma introdução as teorias di currículo. 2.ed. Belo Horizonte: Autentica.

TORRES, R. M. (2000).Una década de educación para todos: la terea pendiente. Montevideu: Fum-Tep/Editorial Popular.

TOURAINE, A. (1981). The voice and the eye: an analyses of social movements. Cambridge: Cambridge University Press.

TYLER, R.(1949). Basics principles of curriculum and instrucion. Chicago: University of Chicago Press.

VIERAS, J. (2002). Política educacional, currículo e controle disciplinar: implicações sobre o trabalho docente e a identidade do professorado. Currículo sem Fronteiras, v.2, n.2, pp.111-136, Jul/Dez 2002.

ZOTTI, S. A. (2008). Currículo. Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação. Navegando na história da educação brasileira. Campinas-SP.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

Divovo, M. ., & Tchipesse, F. M. (2024). Gestão curricular como substância e função das instituições do subsistema de ensino primário em Angola. JINGA SEPÉ: evista nternacional e ulturas, Línguas fricanas rasileiras, 4(1), 554–581. ecuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1540