Estratégias de Desenvolvimento em Moçambique: Caso Corredor de Desenvolvimento Norte e Suas Implicações Socioeconómicas Para o Distrito de Cuamba

Makhalelo a wunnuwiha elapo y’omosambique: mahusiheryo a’wunnuwihiwa ilapo s’omokoni s’omasambique ni makhalelo anakhumela wa muteko yowo veri wa eDistrito y’oKwamba

Autores

  • Adolfo Alexandre Universidade Católica de Moçambique (Extensão de Gúruè) - Moçambique
  • Domingos Pedro Faz-Ver Universidade Católica de Moçambique

Palavras-chave:

Estratégias, Corredores de Desenvolvimento Norte, Distrito de Cuamba

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar as estratégias do desenvolvimento socioeconómico do distrito de Cuamba em relação ao corredor norte. O interesse pela pesquisa parte da seguinte questão quais são as implicações socioeconómicas do corredor do norte em relação as estratégias de desenvolvimento para o distrito de Cuamba? Se o Distrito de Cuamba é o centro de confluência das linhas que perfazem o corredor norte então deveria impulsionar a sua economia pelo fluxo de bens e serviços. Se as estratégias de desenvolvimento do corredor norte forem em consonância com as políticas locais de desenvolvimento maior serão os ganhos da população local. Quanto á metodologia, a pesquisa é qualitativa do tipo hermenêutico, associado a várias técnicas de investigação tais como: análise documental, e entrevistas e observação direta. Quanto aos resultados logrou-se perceber que o governo local tem articulado com as concessionárias do corredor-Norte projetos de desenvolvimento das comunidades no distrito em termos de promoção de fomento a agricultura; As politicas desenhadas pela CDN e CLN não refletem ou seja têm lacunas na componente da responsabilidade social impactando assim um desenvolvimento meio visível. Ora vejamos as receitas tributárias da CDN e CLN são canalizadas a Nampula, sem o retorno ao distrito de Cuamba logo não resta dúvida que o seu contributo em termo de indicador de desenvolvimento no distrito de Cuamba não é notório.

***

Marepelo yala enakwela ohuserya ni osuweliha makhalelo awunnuwiha ni muhakhu ni orela veri wa atxhu mwelaponi yoKwamba, veri wa txantxi yole onlapuwa elapo yomokoni ophierya yoNakala. Mwaha wa marepelo ala ori osuwela ari mwi txantxi yola akhaviheraka  orela watxhu a’ilapo onaviraiyemo, naritho ari mwi governo oKwamba arino makhalelo nari ikano sa wunnuwiha elapo yoKwamba ivinyerakamo mutxantxi mumu. Hiha, annakhumelela makhoheryo ala: makhalelo tani awunnuwiha orela ni muhakhu wa elapo onapwanyeya veri wa txantxi nitho wa ikano sa governo oKwamba? Wona wi eDistrito yo Kwamba teri veri wa ilapo ulan’nayemo txantxi ni arampha akina anitxhaniwa “Corredor do Norte”, tiwi arampha omokoni, yanakweleya wi elapwene yela yoKwamba erele mwa a’nakoso ni miteko sawalapela atxhu. Mwa ohuserya mwahene yola, notxariha makhalelo a walakhana ni otaphulela sorempwa kalai t’atxhu akina, wakoha anamalapa ni asitokwene a elapo yele, nitho yeyo nonnahu ni mitho ahu. Womaliherani wa marepelo yala ohoneyavo wi governo onniwanana ni empresa yela ya txantxi akhaviheryaka atxhu veri wa imatxa, tiva impresa seiha initxaniwa CDN e CLN, henakhaviryasa athu a elapo yele. Ekina yokatxamiha ti wi atxhu yawo analiva musokho wamphula, hiha elapo woKwamba henaphuravo exthu.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adolfo Alexandre, Universidade Católica de Moçambique (Extensão de Gúruè) - Moçambique

Mestre em Ciencias Políticas, Governação e Relações Internacionais, Licenciado em Ensino de História.

Domingos Pedro Faz-Ver , Universidade Católica de Moçambique

Mestre em Gestão e Administração Educacional. Universidade Católica de Moçambique- Extensão de Gurué, Licenciado em ensino de Filosofia¸ Mestrado em Gestão administração educacional¸ Doutorado em Humanidades Investigador da Universidade Católica de Moçambique - Faculdade de Economia e Gestão.

Referências

Abrahamsson, Hans, e Nilsson, Anders. (1994) Aproveitando oportunidades espaço de Manobra numa ordem Mundial em transição: caso de Moçambique, Maputo, CEEI-ISRI

Adam. Y. (2010). A luta pelo Futuro da África Austral: A Estratégia do CONSAS e SADCC” Estudos Moçambicanos” Maputo.CAE.

Chilundo, Arlindo.(1990),” Subsídios para o Estudo dos Transportes Rodoviários na província de Nampula” (1930-1954), in: cadernos de Historia, 8ªed, Maputo.

Condth, S.( 2017), dependência do futuro. ed. lisboa. Lda

Camal, D, I. (2014), Analise da logística nos portos de Moçambique e o seu Interland. (Tese de Mestrado) Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto, Portugal, IPCA.

Cardoso, F. J. (1992) “ SADCC interdependência na africa Austral: realidades e Perspectiva “ Estudos Moçambicanos. Maputo.CEA.

DNPCF, (1974),Plano Director do porto de Nacala: Estudo preliminar. Maputo

LIMA,P. (1971), Historia dos Caminhos de Ferro de Moçambique,3vol. Lourenço Marques, Imprensa Nacional

MIC-DNC- (2011), Analise dos Custos de Transporte na Comercialização Agrícola em Moçambique; Nota de pesquisa da DNC.Nº18,IESE

Mutemba, Jacinto et al, (2007), Plano Estratégico provincial Niassa 2017, o salto de um Gigante rumo ao desenvolvimento Sustentável, Maputo. Phaphalate Digital Printing Lda Empresa Consultora RURAL CONSULT.

Nhabinde, S.A. (1999), Desestabilização e Guerra Económica no sistema ferro-portuário de Moçambique, 1980-1997,editor, Livraria universitária, Maputo.

Rosário, G.M.L.G. (1997),Desestabilização do Corredor de Nacala, 1983-1992. (Tese de Licenciatura),Universidade Eduardo Mondlane, Maputo. UEM.

Ross, Doris. C, (2014),Moçambique em Ascensão, Construir um novo Dia-Washington, DC, Fundo Monetário Internacional: Cataloging-in-Publication Data Joint Bank-Fund Library.

Downloads

Publicado

21-05-2024

Como Citar

Alexandre, A., & Faz-Ver , D. P. . (2024). Estratégias de Desenvolvimento em Moçambique: Caso Corredor de Desenvolvimento Norte e Suas Implicações Socioeconómicas Para o Distrito de Cuamba: Makhalelo a wunnuwiha elapo y’omosambique: mahusiheryo a’wunnuwihiwa ilapo s’omokoni s’omasambique ni makhalelo anakhumela wa muteko yowo veri wa eDistrito y’oKwamba. JINGA SEPÉ: evista nternacional e ulturas, Línguas fricanas rasileiras, 4(1), 488–503. ecuperado de https://revistas.unilab.edu.br/index.php/njingaesape/article/view/1306