Heteroidentificação e ingresso de negros na UFMT: percurso e processo

Autores

  • Erivã Garcia Velasco UFMT

Palavras-chave:

Cotas Raciais. Heteroidentificação. Universidade Pública.

Resumo

O artigo reflete o trabalho em curso na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), particularmente sobre a heteroidentificação para o ingresso com corte racial, coerente à Política de Cotas (Lei 12.711 de 2012), experiência que teve início em 2019, portanto encontra-se no seu segundo ano de implementação. Preocupados para que o acesso à vaga destinada às pessoas negras (pretos e pardos) fosse de fato garantido àqueles de direito, assim como dando respostas à força reivindicativa do movimento social negro em Mato Grosso, a UFMT nos últimos dois anos passa a contar com as comissões destinadas a realizar a comprovação de veracidade da Autodeclaração, que legítima e legal deve ser complementada com o processo de aferição racial fenotípica. O enfrentamento das ações fraudulentas nesse contexto constituiu também força propulsora dessa experiência que passa a dar visibilidade a uma agenda há algum tempo pautada no âmbito do movimento e coletivos negros, internos e externos à UFMT, para coibir as fraudes no sistema de cotas raciais e que encontram, então, ambiente institucional e administrativo para ganhar concretude. Permanecem, contudo, desafios para aprimorar práticas e em especial para manter este compromisso ético-político requerente de medidas que tanto necessitam de investimento em formação e capacitação como de estruturação como serviço institucional parte fundamental do sistema de ingresso numa Universidade que se reivindica inclusiva.

Referências

MUNANGA, K. Nosso racismo é um crime perfeito. Entrevista a Camila Souza Ramos e Glauco Faria. Revista Fórum, São Paulo, ano 8, n.77, ago. 2008. Disponível em: https://revistaforum.com.br/revista/77/nosso-racismo-e-um-crime-perfeito/. Acesso em 14/03/2019.

NOGUEIRA, Oracy. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. Sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 19, n. 1. 2007 (pp. 287-308). Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ts/v19n1/a15v19n1.pdf

VAZ. Lívia Maria Santana e Sant'Anna. As comissões de verificação e o direito à (dever de) proteção contra a falsidade de autodeclarações raciais. In: Heteroidentificação e Cotas Raciais: Dúvidas, metodologias e procedimentos. Canoas: IFRS campus Canoas, 2018. (pp. 32-78)

Downloads

Publicado

0604-2020

Edição

Seção

Relatos de Experiências