Uma perspectiva sapatão para o estudo do Jornalismo

Autores

  • Paula Évelyn Silveira Barbosa Universidade Estadual de Ponta Grossa

Palavras-chave:

Perspectiva sapatão; perspectiva lésbica; jornalismo

Resumo

A partir de breve revisão bibliográfica, detalho no que consiste uma perspectiva sapatão de análise e discuto o impacto da adoção dessa categoria em pesquisas sobre o jornalismo e a imprensa. A ideia é provocar um debate sobre a relação entre jornalismo, pesquisa científica e a produção e reprodução de desigualdades e assimetrias de poder nesses espaços. Para isso, discorro sobre a noção de lésbica/sapatão, além de discutir sobre as bases epistemológicas do jornalismo e sua relação com a heteronormatividade. Por fim, a figura da sapatão é apresentada como metáfora para guiar uma virada epistemológica.

Referências

ALMEIDA, Gabriela. A mulher na pesquisa em jornalismo: teses e dissertações defendidas em programas de Pós-Graduação em Jornalismo e Comunicação no Brasil (1972-2015). 2018. 149 f. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) – Programa de Pós-Graduação em Jornalismo, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2018.

CLARKE, Cheryl. Lesbianism: An Act of Resistance. In: MORAGA, Cherrie; ANZALDÚA, Gloria (orgs.). This bridge called my back: writings by radical women of color. 6. ed. Watertown: Persephone, 1983. p. 128-137.

LESSEPS, Emmanuèle de. Hétérosexualité et féminisme. Questions Féministes, n. 7, 1980, p. 55-69.

LORDE, Audre. There is no hierarchy of oppressions. Interracial Books for Children Bulletin, v. 14, n. 3/4, p. 9, 1983.

LORDE, Audre. Os usos do erótico: o erótico como poder. In: LORDE, Audre. Irmã Outsider. Tradução de Stephanie Borges. Belo Horizonte: Autêntica, 2019 [1984], p. 67-74.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista, n. 46, p. 201-218, 2007.

MOGROVEJO, Norma. Diversidad sexual, un concepto problemático. Perspectiva, n. 8, p. 62-71, 2008.

MORAES, Fabiana; VEIGA, Marcia. A objetividade jornalística tem raça e tem gênero: a subjetividade como estratégia descolonizadora. Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação XXVIII Encontro Anual da Compós, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre – RS, 11 a 14 de junho de 2019. Anais [...]. Brasília: Compós, 2019.

PENELOPE, Julia. The Lesbian Perspective. In: ALLEN, Jeffner (ed.). Lesbian philosophies and cultures. Albany: SUNY Press, 1990, p. 89-108.

PERUZZO, Cicilia M. Krohling. Comunicação nos movimentos populares: a participação na construção da cidadania. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

RICH, Adrienne. Compulsory Heterosexuality and Lesbian Existence, Signs, v. 5, n. 4, 1980.

SAUNDERS, Tanya. Epistemologia negra sapatão como vetor de uma práxis humana libertária. Tradução de Sarah Ryanne Sukerman Sanches. Periódicus, v. 1, n. 7, p. 102-116, 2017.

SILVEIRA-BARBOSA, Paula. Trajetória da Imprensa Lésbica brasileira (1981-1995): uma história possível pare (re)-pensar o jornalismo. 2019. 308 f. Dissertação (Mestrado em Jornalismo) – Programa de Pós-Graduação em Jornalismo, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2019.

VEIGA, Marcia. Masculino, o gênero do jornalismo. 2010. 250 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Informação) – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

WITTIG, Monique. La pensée straight. Questions Féministes, n. 7, p. 45-53, 1980a.

WITTIG, Monique. On ne naît pas femme. Questions Féministes, n. 8, p. 75-84, 1980b.

WOITOWICZ, Karina Janz. Periodismo alternativo e militancia feminista: Experiencias de portales digitales con enfoque de género en Equador. Quito: Centro Internacional de Estudios Superiores de Comunicación para América Latina. 2019. 118 f. (Postdoctorado) – Programa de Postdoctorado en Comunicación de CIESPAL.

Downloads

Publicado

0604-2020

Edição

Seção

Dossiês Temáticos