Por uma Geração Fervida ou onde o fervo encontra o tropicalismo e o soul

Autores

  • Vinicius Alves da Silva Universidade Federal da Bahia

Palavras-chave:

Fervo; Contracultura; Movimento Soul; Geração Fervida;

Resumo

RESUMO

Como derrotar o paradigma atual que parece ter vencido não somente as eleições, mas as possibilidades de seguirmos construindo nossos sonhos e planos juntas, juntos e juntes? Onde nos encontramos para voltar a sonhá-los e planejá-los de maneira mais coletiva? Propomos aqui uma reflexão em torno da ideia de uma Geração Fervida. Explicaremos de maneira breve neste artigo como chegamos a proposta deste conceito, que na verdade é uma aposta frente ao atual momento. Acreditamos que a Geração Fervida, enquanto ideia, pode servir como forma de aquilombar diferentes linhagens que organizaram resistência e organização a partir do uso político de festividades urbanas. Para fins analíticos separamos duas grandes linhagens que consideramos determinantes, neste momento, na construção de uma geração fervida: as herdeiras do tropicalismo e as herdeiras do movimento soul.  Esse artigo, portanto, tem o objetivo de construir o esforço nesse sentido: refletir sobre possibilidades de diálogo e composição entre essas duas linhagens e produzir, com isso, fundamento para a ideia de uma geração fervida, como forma de aglutinar uma nova centralidade de poder capaz de acumular para o horizonte de derrocada da Nova Era Fascista. 



ABSTRACT

How to defeat the current paradigm that seems to have won not only the elections, but the possibilities of continuing to build our dreams and plans together? Where do we find ourselves to go back to dreaming them and planning them more collectively? We propose here a reflection on the idea of ​​a Boiled Generation. We will briefly explain in this article how we came to the proposal of this concept, which is actually a bet on the current moment. We believe that the Boiled Generation, as an idea, can serve as a way to balance different lineages that organized resistance and organization from the political use of urban festivities. For analytical purposes we separate two great lineages that we consider to be decisive, at this moment, in the construction of a boiled generation: the heirs of tropicalismo and the heirs of the soul movement. This article, therefore, aims to build the effort in this direction: to reflect on the possibilities of dialogue and composition between these two lineages and to produce, with this, a foundation for the idea of ​​a boiled generation, as a way of bringing together a new centrality of power capable of accumulating for the collapse horizon of the New Fascist Era.

Referências

MACRAE, Edward. A construção da igualdade: Identidade Sexual e Política no Brasil da "Abertura". Campinas. Editora da UNICAMP. 1990.

_____. Movimentos Sociais e os Direitos de Cidadania dos Homossexuais. In: ARAÚJO, A. (Org.). Trabalho, cultura e cidadania - um balanço da história social brasileira. São Paulo. Editora Scrittta. 1997. pp. 237-242.

_____. Os respeitáveis militantes e as bichas loucas. In: MACRAE, E. et al (Orgs.). Caminhos Cruzados - Linguagem, Antropologia e Ciências Naturais. São Paulo. Editora Brasiliense. 1982. pp. 99-111.

______. Em Defesa do Gueto. In: Novos Estudos CEBRAP. Vol. 2, nº 1, abril de 1983. São Paulo. CEBRAP. 2013. pp. 53-60.

MORAES, Alana; GUTIÉRREZ, Bernardo; PARRA, Henrique; ALBUQUERQUE, Hugo; TIBLE, Jean; SCHAVELZON, Salvador. Junho está sendo. In: Idem (Org). JUNHO potência das ruas e das redes. São Paulo. Fundação Friedrich Ebert Stiftung (FES). 2014.

MORAS, Alana; TIBLE, Jean. Quando novos personagens entram em cena? In: MORAES, Alana; TARIN, Bruno; TIBLE, Jean (Org). Cartografias da Emergência: novas lutas no Brasil. São Paulo. Fundação Friedrich Ebert Stiftung (FES). 2015. p. 14-39.

MOTTA, Alda Britto da. As dimensões de gênero e classe social na análise do envelhecimento. In: Cadernos de Pagu (13). Campinas. UNICAMP. 1999. p. 191-221.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. In: Eu sou Atlântica: sobre a trajetória de vida de Beatriz Nascimento. São Paulo. Imprensa Oficial. 2006. p. 117-125. Disponível em <https://www.academia.edu/36697943/NASCIMENTO_Beatriz._O_conceito_de_quilombo_e_a_resist%C3%AAncia_cultural_negra._In_RATTS_Alex._Eu_sou_Atl%C3%A2ntica?auto=download> acessado em 24 de março de 2019.

PEREIRA, Carlos Alberto M.. O que é contracultura?. São Paulo. Brasiliense. 1983.

_____. Party Animals: The significance of drug practices in the materialization of urban gay identity. In: S. Fraser & D. Moore (eds.) The Drug Effect: Health, Crime & Society. Cambridge University Press. Melbourne. Cambridge University Press. 2011

RIBEIRO, Esmeralda; BARBOSA, Márcio (Orgs.). Frente Negra Brasileira – depoimentos. São Paulo. Quilombhoje. 2007.

SILVA, Ariel Lucas; MIGUEZ, Paulo. Cultura, Festa e Cidade: tecendo relações. In: Revist@ Observatório da Diversidade Cultural, Vol. 1, n° 1. Belo Horizonte. 2014. Disponível em < http://www.observatoriodadiversidade.org.br/revista/edicao_001/Revista-ODC-001-02.pdf >. Acesso em 01 de Maio de 2016.

SILVA, Vinicius Alves da. Em defesa do Fervo: olhares etnográficos sobre a produção de cuidado no contexto de festas urbanas em Salvador-Bahia-Brasil. Salvador. UFBA. 2018.

SIMÕES, Júlio Assis; FRANÇA, Isadora Lins. Do “gueto” ao mercado. In: Homossexualismo em São Paulo e outros escritos. GREEN, James N.; TRINDADE, Ronaldo (Orgs.). São Paulo. Editora UNESP. 2005. p. 309-336.

Downloads

Publicado

0604-2020

Edição

Seção

Artigos