Estado, políticas sexuais e cidadania LGBT no Brasil pós-impeachment

Autores

  • Henrique Araujo Aragusuku Universidade de São Paulo
  • Maria Fernanda Aguilar Lara Universidade de São Paulo
  • Yuri Fraccaroli Universidade de São Paulo
  • Alexandre Nogueira Martins

Palavras-chave:

Políticas Sexuais, Gênero, Cidadania LGBT, Governo Federal

Resumo

Este artigo tem como objetivo principal a construção de uma análise conjuntural sobre as políticas sexuais no Brasil, com destaque para as políticas de cidadania LGBT no âmbito do Governo Federal. Nossa narrativa parte de uma análise histórica de tais políticas, concentrando-se fundamentalmente no período de 1996 a 2018, ou seja, do momento de apresentação dos primeiros programas destinados à população LGBT pelo Governo Federal ao atual período de transição político-ideológica da agenda governamental em um Brasil pós-impeachment. Em termos teórico-metodológicos, realizamos uma análise conjuntural, vinculando eventos políticos fragmentados e dispersos em uma narrativa articulada, relacionando conceitos como política sexual e cidadania LGBT para a produção de uma análise do cenário político nacional. Buscamos assim evidenciar os principais fatos políticos que marcaram as relações entre o Estado brasileiro e a sociedade civil no campo das políticas sexuais. Cabe ressaltar que esta narrativa não se conformou enquanto uma análise acabada ou fechada, mas sim como uma possibilidade analítica que intenta trazer novos elementos para refletirmos sobre o contexto político-social brasileiro. Por outro lado, trata-se de uma contribuição teórica ao campo de estudos de gênero e sexualidade, em específico, ao campo de estudos sobre Estado e políticas sexuais.

Biografia do Autor

Henrique Araujo Aragusuku, Universidade de São Paulo

Doutorando e Mestre em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Especialista em Psicologia Política pela Escola de Artes, Ciência e Humanidades da USP. Graduado em Psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso.

Maria Fernanda Aguilar Lara, Universidade de São Paulo

Mestranda em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Mato Grosso. Bolsista CNPq.

Yuri Fraccaroli, Universidade de São Paulo

Mestrando em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Bacharel em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. Bolsista CAPES.

Alexandre Nogueira Martins

Mestrando em Sociologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. Bacharel em Ciências Sociais pela USP. Bolsista CNPq.

Referências

ALMEIDA, R. A onda quebrada – evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, n. 50, s./p., 2017.

ANDERSON, P. Lula’s Brazil. London Review of Books, v. 33, n. 7, p. 3-12, mar. 2011.

ARAGUSUKU, H. A. O discurso da “ideologia de gênero” na Câmara dos Deputados: análise crítico-discursiva e psicopolítica. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

ARAGUSUKU, H. A.; LOPES, M. A. S. Preconceito, Discriminação e Cidadania LGBT: Políticas Públicas em Mato Grosso e no Brasil. Revista ACENO, v. 3, n. 5, p. 242-258, 2016.

ARAGUSUKU, H. A.; LOPES, M. A. S. Políticas públicas e cidadania LGBT em Mato Grosso: uma década de avanços e retrocessos (2007-2017). Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 29, p. 147-171, 2018.

BENTO, B. Nome social para pessoas trans: cidadania precária e gambiarra legal. Contemporânea, v. 4, n. 1, p. 165-182, 2014.

BRASIL. Presidência da República. Programa Nacional de Direitos Humanos. Brasília: Governo Federal, 1996.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Programa Nacional de Direitos Humanos - PNDH II. Brasília: SEDH, 2002.

BRASIL. Ministério dos Direitos Humanos. Portaria nº 202, de 10 de maio de 2018. Institui o Pacto Nacional de Enfrentamento à Violência LGBTfóbica. Brasília: MDH, 2018. Disponível em: <https://www.mdh.gov.br/biblioteca/lgbt/portaria-no-202-2018-institui-o-pacto-nacional-de-enfrentamento-a-violencia-lgbtfobica/view>. Acesso em 10 out 2018.

BUTLER, J. O parentesco é sempre tido como heterossexual?. Cadernos pagu, n. 21, p. 219-260, 2003.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, J. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARRARA, S. Políticas e direitos sexuais no Brasil contemporâneo. Bagoas, v. 4, n. 5, p. 131-148, 2010.

CARRARA, S. Moralidades, Racionalidades e Políticas Sexuais no Brasil Contemporâneo. Mana, v. 21, n. 2, p. 323-345, 2015.

CARRARA, S.; VIANNA, A. R. B. Políticas sexuales y derechos sexuales en Brasil: estudio de caso. In: PARKER, R.; PETCHESKY, R.; SEMBER, R. (Org.). Políticas sobre sexualidad: Reportes desde las líneas del frente. Sexuality Policy Watch, 2008. Disponível em: <https://sxpolitics.org/es/wp-content/uploads/sites/3/2016/03/sexpolitics-en.pdf>. Acesso em 10 mai 2017.

CRUZ, R. R. Do protesto às urnas: o movimento homossexual brasileiro na transição política (1978-1982). Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2015.

ANIS. Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero e Associação Lésbica Feminista de Brasília Coturno de Vênus. Legislação e Jurisprudência LGBTTT. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2007

CONNELL, R. The State, Gender, and Sexual Politics: Theory and Appraisal. Theory and Society, v. 19, n. 5, p. 507-544, 1990.

DARDOT, P.; LAVAL, C. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEFAGO, M. A. P.; FAÚNDES, J. M. M.; VAGGIONE, J. M. Religious conservatism on the global stage: threats and challenges for LGBTI rights. Global Philanthropy Project, 2018. Disponível em: <https://globalphilanthropyproject.org/2018/11/04/religious-conservatism-on-the-global-stage-threats-and-challenges-for-lgbti-rights/>. Acesso em: 6 jan. 2019.

FACCHINI, R. Sopa de letrinhas? Movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90. Rio de Janeiro: Garamond, 2005.

FIGARI, C. @s “outr@s” cariocas: interpelações, experiências e identidades homoeróticas no Rio de Janeiro: séculos XVII ao XX. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007

GREEN, J. N. Além do Carnaval: a homossexualidade masculina no Brasil do século XX. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

GREEN, J. N.; POLITO, R. Frescos trópicos: fontes sobre homossexualidade masculina no Brasil (1870-1980). Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2006.

FRACCAROLI, Y.; HEINZELMANN, F.L. Fin de la historia? La disputas por el concepto de género en Brasil Contemporáneo. Anales electrónicos XIII Jornadas Nacionales Historia de Mujeres/VIII Congreso Iberoamericano de Estudios de Género, p. 1-12, 2018. Disponível em: <http://eventosacademicos.filo.uba.ar/index.php/JNHM/XIII-VIII-2017/paper/view/3592>. Acesso em: 13 mar 2017.

FRASER, N. The End of Progressive Neoliberalism. Dissidente Magazine, 2 jan. 2017. Disponível em: <https://www.dissentmagazine.org/online_articles/progressive-neoliberalism-reactionary-populism-nancy-fraser>. Acesso em: 13 mar 2017.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, n. 5, p. 7-41, 1995.

HARVEY, D. A brief history of neoliberalism. Oxford: Oxford University Press, 2007.

HARVEY, D. O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

IGBE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Nacionais Trimestrais. Indicadores de Volumes e Valores Correntes: Outubro/Dezembro 2016. Brasília: IGBE: 2017. Disponível em: <ftp://ftp.ibge.gov.br/Contas_Nacionais/Contas_Nacionais_Trimestrais/Fasciculo_Indicadores_IBGE/pib-vol-val_201604caderno.pdf>. Acesso em: 10 fev 2018.

IRINEU, B. A. Homonacionalismo e cidadania LGBT em tempos de neoliberalismo: dilemas e impasses às lutas por direitos sexuais no Brasil. Revista Em Pauta, v. 12, n. 34, p. 155-178, 2014.

IRINEU, B. A. Exercendo a “crítica lesbofálica” às demandas por uma “cidadania LGBT” no contexto brasileiro (2003-2016). Periódicus, v. 7, n. 1, p. 78-101, 2017.

JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (Org.). Por que gritamos golpe?: Para entender o impeachment e a crise política no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2016.

JUNQUEIRA, R. D. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária - ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”?. In: RIBEIRO, P. R. C.; MAGALHÃES, J. C. (Org.). Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande, RS: Editora da FURG, 2017.

KOVÁTS, E; PÕIM, M. (Org.). Gender as symbolic glue: the position and role of conservative and far right parties in the anti-gender mobilizations in Europe. Berlin: Foundation for European Progressive Studies & Friedrich Ebert Stiftung, 2015.

LAVALLE, A. G.; SZWAKO, J. Sociedade civil, Estado e autonomia: argumentos, contra-argumentos e avanços no debate. Opinião Pública, v. 21, n. 1, p. 157-187, 2015.

LOURO, G.L. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-posições, v. 19, n. 2, p. 17-23, 2008.

MACHADO, F. V. Do Estatal à Política: uma análise psicopolítica das relações entre o Estado e os movimentos de juventude e LGBT no Brasil (2003-2010). Tese (Doutorado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2013.

MACHADO, M. D. C. Aborto e ativismo religioso nas eleições de 2010. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 7, p. 25-54, 2012.

MACHADO, M. D. C. O discurso cristão da “ideologia de gênero”. Revista Estudos Feministas, v. 26, n. 2, p. 1-18, 2018.

MACRAE, E. Afirmação da identidade homossexual: seus perigos e sua importância. In: MACRAE, E. A Construção da Igualdade: política e identidade homossexual no Brasil da Abertura. Salvador: EDUFBA, p. 67-75, [1987] 2018.

MARQUES, R. M.; UGINO, C. K. O Brasil é chamado à ordem. Argumentum, São Paulo, v. 9, n. 3, p. 8-23, set.-dez. 2018.

MELLO, L.; BRITO, W.; MAROJA, D. Políticas públicas para a população LGBT no Brasil: notas sobre alcances e possibilidades. Cadernos Pagu, n. 39, p. 403-429, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n39/14.pdf>. Acesso em: 24 jun 2017.

MELLO, L.; MAROJA, D.; BRITO, W. Políticas Públicas para a população LGBT no Brasil: um mapeamento crítico preliminar. Relatório de Pesquisa. Faculdade de Ciências Sociais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

MIGUEL, F. L. Da “doutrinação marxista” à “ideologia de gênero” - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileira. Direito & Práxis, v. 7, n. 15, p. 590-621, 2016.

MISKOLCI, R; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Estado e Sociedade, v. 32, n. 3, p. 735-747, set.-dez. 2017.

OLIVEIRA, F.; BRAGA, R.; RIZEK, C. (Org.). Hegemonia às avessas: economia, política e cultura na era da servidão financeira. São Paulo: Boitempo, 2010.

OLIVEIRA, J. M. Cidadania sexual sob suspeita: uma meditação sobre as fundações homonormativas e neo-liberais de uma cidadania de “consolação”. Psicologia & Sociedade, v. 25, n. 1, p. 68-78, 2013.

PAULANI, L. O projeto neoliberal para a sociedade brasileira: sua dinâmica e seus impasses, In: LIMA, J. C. F.; NEVES, L. M. W. (Org.). Fundamentos da educação escolar do Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/EPSJV, 2006.

RAMOS, S.; CARRARA, S. A constituição da problemática da violência contra homossexuais: a articulação entre ativismo e academia na elaboração de políticas públicas. Physis, v. 16, n. 6, p. 185-205, 2006.

RAMOS, S.; PEREIRA JR., A. Disque Defesa Homossexual: Primeiro relatório. Rio de Janeiro: Secretaria de Segurança Pública. Disponível em: <https://www.ucamcesec.com.br/textodownload/disque-defesa-homossexual-ddh-primeiro-relatorio/>. Acesso em: 12 jan. 2018.

RUBIN, G. Thinking sex: Notes for a radical theory of the politics of sexuality. In: VANCE, C. (Ed.). Pleasure and Danger: exploring female sexuality. Boston: Routledge and Kegan Paul, 1984.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para a análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, 1995.

TOITIO, R. Cores e contradições: A luta pela diversidade sexual e de gênero sob o neoliberalismo brasileiro. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

TREVISAN, J. S. Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. São Paulo: Editora Record, 2000.

VAINER, C. et al. Cidades rebeldes: Passe Livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013.

VITAL, C.; LOPES, P. V. L. Religião e política: uma análise da atuação de parlamentares evangélicos sobre direitos das mulheres e de LGBTs no Brasil. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2013.

WEEKS, J. Sex, Politics and Society: the regulation of sexuality since 1800. London: Longman, 1989.

WEEKS, J. Sexuality and its discontents: meanings, myths and modern sexualities. New York: Routledge and Kegan Paul, 2002.

Downloads

Publicado

0103-2020

Edição

Seção

Artigos