Um estudo entre ruínas: o Programa Rio Sem Homofobia e a política LGBTI fluminense

Autores

  • Luan Carpes Barros Cassal Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (Bolsista CAPES).

Palavras-chave:

Rio Sem Homofobia, Genealogia, Movimento LGBTI, Políticas Públicas

Resumo

 

Quem paga o preço com o desmonte do Programa Rio Sem Homofobia (RSH) pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro? O que possibilita anunciar uma política como sucedida ou fracassada? Quais as condições necessárias para execução de serviços públicos para a população LGBTI? Tal qual a genealogia trabalhada por Michel Foucault, o presente texto recupera registros relativos a alguns momentos do Programa Rio Sem Homofobia para compreensão de lutas, movimentos e processos históricos em operação. Não se trata de uma busca exaustiva e conclusiva de informações, e nem mesmo uma tentativa de desvelar um passado supostamente verdadeiro e definitivo. Não obstante, acreditamos que este texto pode colaborar para a compreensão do tempo presente e não responder mas, ao menos, tentar extrair implicações das perguntas formuladas. O texto está dividido em seis itens, organizado a partir da noção de constelação de Walter Benjamin, a agrupar diferentes ideias por semelhanças provisórias. Primeiro, a apresentação de marcadores metodológicos. Segundo, o funcionamento do RSH na última gestão do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Terceiro, a análise de processos relacionados à concepção, inauguração e implementação do Programa. Quarto, a discussão referente a serviços anteriores ao RSH, executados por movimentos sociais, com financiamento público. Quinto, a crítica às narrativas de sucesso, numa tentativa de possibilitar miradas diferentes sobre o presente. Por fim, o apontamento para experiências e responsabilidades que ainda (nos) restam.

 

Biografia do Autor

Luan Carpes Barros Cassal, Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (Bolsista CAPES).

Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (Bolsista CAPES). Contato: luancassal@gmail.com

Referências

BAPTISTA, Luis Antônio. Cidade dos Sábios. São Paulo: Summus, 1999.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Rio de Janeiro: Autêntica, 2016.

____. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8ª edição revista [Obras Escolhidas v.1]. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BUTLER, Judith. Corpos que ainda importam. In: COLLING, Leandro (ORG). Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016, p.19-42.

COTTA, Diego de Souza. Conquistas, impasses e desafios da cidadania LGBT no Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano/Universidade Federal Fluminense, 2016.

CUNHA, Gilmara Santos. Grupo Conexão G luta pelos direitos LGBT nas favelas. Disponível em: <https://www.brasil247.com/pt/247/favela247/164468/Grupo-Conex%C3%A3o-G-luta-pelos-direitos-LBGT-nas-favelas.htm>. Acesso em: 29 ago.2018. Datado de 22 dez. 2014.

GAIO, Carlos Eduardo; ARAGÃO, Daniel Maurício; FRIGO, Darci; GORSDORF, Leandro; CARVALHO, Sandra. Na linha de frente: defensores de direitos humanos no Brasil: 2002 – 2005. Rio de Janeiro: Justiça Global; Curitiba: Terra de Direitos, 2006.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.

GARCIA, Aline Monteiro. O que sou? Do que gosto? Identidades em análise nas lutas em defesa da diversidade sexual. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia/Universidade Federal Fluminense, 2011.

IRINEU, Bruna Andrade. Exercendo a “crítica lesbofálica” às demandas por uma “cidadania LGBT” no contexto brasileiro (2993-2016). Periodicus, n. 7, v. 1, maio-out. 2017, p. 78-101.

LÖWY, Michel. Walter Benjamin: Aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.

MATOS, Adriane Henderson de. Cidade Olímpica, cuidado e política: narrativas de um CAPS-AD. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia/Universidade Federal Fluminense, 2017.

MELLO, L. ; AVELAR, R. B.; MAROJA, D. Por onde andam as Políticas Públicas para a População LGBT no Brasil. Revista Sociedade e Estado, v. 27, n. 2, mai/ago, 2012, p. 289-312.

RAMOS, Sílvia; CARRARA, Sérgio. A constituição da problemática da violência contra homossexuais: a articulação entre ativismo e academia na elaboração de políticas públicas. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, n.16, v.2, 2006, p. 185-205.

RODRIGUES, Sílvia Aguião. Fazer-se no “Estado”: uma etnografia sobre o processo de constituição dos “LGBT” como sujeitos de direitos no Brasil contemporâneo. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais/Universidade Estadual de Campinas, 2014.

SENNA, Mônica de Castro Maia. Gestão Estadual do SUAS no Rio de Janeiro: iniciando um debate. Argum, v. 8, n. 2, p. 51-63, maio/ago. 2016.

TEIXEIRA, Camila Cristina da Silva. Políticas Públicas para a População LGBT no Estado do Rio de Janeiro: A experiência dos Centros de Referência da Cidadania LGBT. Revista de Políticas Públicas e Segurança Social, v. 1, n. 1, 2017, p. 13-35.

TREVISAN, João Silvério. Homocultura & Política Homossexual no Brasil: do Passado ao Por-vir. In: COSTA, Horácio; BENTO, Berenice; GARCIA, W.; INÁCIO, E.; PERES, Willian Siqueira. (orgs). Retratos do Brasil Homossexual: Fronteiras, subjetividades e desejos. São Paulo: EdUSP/Imprensa Oficial, 2010, p. 49-59.

Downloads

Publicado

1102-2019

Edição

Seção

Dossiês Temáticos