Um estudo entre ruínas: o Programa Rio Sem Homofobia e a política LGBTI fluminense

  • Luan Carpes Barros Cassal Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (Bolsista CAPES).

Resumo

 
Quem paga o preço com o desmonte do Programa Rio Sem Homofobia (RSH) pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro? O que possibilita anunciar uma política como sucedida ou fracassada? Quais as condições necessárias para execução de serviços públicos para a população LGBTI? Tal qual a genealogia trabalhada por Michel Foucault, o presente texto recupera registros relativos a alguns momentos do Programa Rio Sem Homofobia para compreensão de lutas, movimentos e processos históricos em operação. Não se trata de uma busca exaustiva e conclusiva de informações, e nem mesmo uma tentativa de desvelar um passado supostamente verdadeiro e definitivo. Não obstante, acreditamos que este texto pode colaborar para a compreensão do tempo presente e não responder mas, ao menos, tentar extrair implicações das perguntas formuladas. O texto está dividido em seis itens, organizado a partir da noção de constelação de Walter Benjamin, a agrupar diferentes ideias por semelhanças provisórias. Primeiro, a apresentação de marcadores metodológicos. Segundo, o funcionamento do RSH na última gestão do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Terceiro, a análise de processos relacionados à concepção, inauguração e implementação do Programa. Quarto, a discussão referente a serviços anteriores ao RSH, executados por movimentos sociais, com financiamento público. Quinto, a crítica às narrativas de sucesso, numa tentativa de possibilitar miradas diferentes sobre o presente. Por fim, o apontamento para experiências e responsabilidades que ainda (nos) restam.
 

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Doutorando em Psicologia pela Universidade Federal Fluminense (Bolsista CAPES). Contato: luancassal@gmail.com

Referências

BAPTISTA, Luis Antônio. Cidade dos Sábios. São Paulo: Summus, 1999.
BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Rio de Janeiro: Autêntica, 2016.
____. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. 8ª edição revista [Obras Escolhidas v.1]. São Paulo: Brasiliense, 2012.
BUTLER, Judith. Corpos que ainda importam. In: COLLING, Leandro (ORG). Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: EDUFBA, 2016, p.19-42.
COTTA, Diego de Souza. Conquistas, impasses e desafios da cidadania LGBT no Rio de Janeiro. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Mídia e Cotidiano/Universidade Federal Fluminense, 2016.
CUNHA, Gilmara Santos. Grupo Conexão G luta pelos direitos LGBT nas favelas. Disponível em: . Acesso em: 29 ago.2018. Datado de 22 dez. 2014.
GAIO, Carlos Eduardo; ARAGÃO, Daniel Maurício; FRIGO, Darci; GORSDORF, Leandro; CARVALHO, Sandra. Na linha de frente: defensores de direitos humanos no Brasil: 2002 – 2005. Rio de Janeiro: Justiça Global; Curitiba: Terra de Direitos, 2006.
FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal, 1979.
GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Editora 34, 2009.
GARCIA, Aline Monteiro. O que sou? Do que gosto? Identidades em análise nas lutas em defesa da diversidade sexual. Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia/Universidade Federal Fluminense, 2011.
IRINEU, Bruna Andrade. Exercendo a “crítica lesbofálica” às demandas por uma “cidadania LGBT” no contexto brasileiro (2993-2016). Periodicus, n. 7, v. 1, maio-out. 2017, p. 78-101.
LÖWY, Michel. Walter Benjamin: Aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. São Paulo: Boitempo, 2005.
MATOS, Adriane Henderson de. Cidade Olímpica, cuidado e política: narrativas de um CAPS-AD. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia/Universidade Federal Fluminense, 2017.
MELLO, L. ; AVELAR, R. B.; MAROJA, D. Por onde andam as Políticas Públicas para a População LGBT no Brasil. Revista Sociedade e Estado, v. 27, n. 2, mai/ago, 2012, p. 289-312.
RAMOS, Sílvia; CARRARA, Sérgio. A constituição da problemática da violência contra homossexuais: a articulação entre ativismo e academia na elaboração de políticas públicas. PHYSIS: Revista de Saúde Coletiva, n.16, v.2, 2006, p. 185-205.
RODRIGUES, Sílvia Aguião. Fazer-se no “Estado”: uma etnografia sobre o processo de constituição dos “LGBT” como sujeitos de direitos no Brasil contemporâneo. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais/Universidade Estadual de Campinas, 2014.
SENNA, Mônica de Castro Maia. Gestão Estadual do SUAS no Rio de Janeiro: iniciando um debate. Argum, v. 8, n. 2, p. 51-63, maio/ago. 2016.
TEIXEIRA, Camila Cristina da Silva. Políticas Públicas para a População LGBT no Estado do Rio de Janeiro: A experiência dos Centros de Referência da Cidadania LGBT. Revista de Políticas Públicas e Segurança Social, v. 1, n. 1, 2017, p. 13-35.
TREVISAN, João Silvério. Homocultura & Política Homossexual no Brasil: do Passado ao Por-vir. In: COSTA, Horácio; BENTO, Berenice; GARCIA, W.; INÁCIO, E.; PERES, Willian Siqueira. (orgs). Retratos do Brasil Homossexual: Fronteiras, subjetividades e desejos. São Paulo: EdUSP/Imprensa Oficial, 2010, p. 49-59.
Publicado
2019-02-11
Como Citar
CARPES BARROS CASSAL, Luan. Um estudo entre ruínas: o Programa Rio Sem Homofobia e a política LGBTI fluminense. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 04, p. 124-162, feb. 2019. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/163>. Acesso em: 20 aug. 2019.
Seção
Dossiês Temáticos