A participação política das mulheres: do movimento sufragista as cotas eleitorais de gênero no Brasil

  • Beliza Stasinski Lopes Universidade de Santa Cruz do Sul

Resumo

O artigo tem como tema a participação política das mulheres. Primeiramente contextualiza a conquista do voto feminino através dos movimentos sufragistas que tiveram início desde a Revolução Industrial, ressaltando a importância da organização do movimentos sociais para a obtenção desse direito, traz, também uma análise da implementação de cotas por gênero na política brasileira, onde está posto um conjunto de ações que visam alcançar a conquista da igualdade de gênero na política. Metodologicamente é realizado uma revisão bibliográfica com o objetivo de identificar quais as limitações que as mulheres encontram no acesso político a vida pública e, na qual se constata um processo de subrepresentatividade que ocorre desde sua entrada na política, particularmente no Brasil, quando teve acesso ao sufrágio universal em 1932. Também traz o debate das cotas de gênero que depois de 1996, tem contribuído para uma maior participação política das mulheres, com o acesso a cargos eletivos. Conclui-se que a igualdade de gênero é uma meta a ser atingida e que não será realizada sem a organização efetiva das mulheres em torno de suas lutas.

Referências

ANDRADE, Lilian Furquim de Campos. A sub-representação das mulheres na política. EAESP/FGV. Disponível emhttp://politica.estadao.com.br/blogs/gestao-politica-e-sociedade/a-sub-representacao-das-mulheres-na-politica/. Acesso em: 28.08.16.

ARAÚJO, Clara. “Potencialidades e limites da política de cotas no Brasil”. Revista Estudos Feminista. s, v. 9, n. 1, . 2011.p. 231-252.

BADIA, Gilbert. Clara Zetkin. Vida e obra. São Paulo. Expressão Popular, 2003

BOHN, Simone R. Mulher para presidente do Brasil? Gênero e política na perspectiva do eleitor brasileiro. .Department of Political Science. York University. Opin. Publica vol.14 no.2 Campinas Nov. 2008.

PINTO, Céli Regina Jardim; MORITZ, Maria Lúcia; SCHULZ, Rosângela Maria. O desempenho das mulheres nas eleições legislativas de 2010 no Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Ciência Política, nº10. Brasília, janeiro - abril de 2013, pp. 195-223.

PARANÁ. SEED. A fábrica e a cidade até 1930. São Paulo: Atual, 1995, Correção de Fluxo, 1997.

PRÁ, Jussara Reis. Mulheres, direitos políticos, gênero e feminismo. Cadernospagu (43), julho-dezembro de 2014:169-196.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. Coordenação e revisão de Paul Singer; tradução de Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. – São Paulo: Abril Cultural, 1983.

SCHULZ, Rosângela. MORITZ, Maria Lúcia. Mulheres vitoriosas na política: estudo comparativo entre as candidaturas ao cargo de deputado estadual no RS em 2010. Sociologias vol.17 no.39 Porto Alegre May/Aug. 2015.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre. V.20 N.2. p.9-255. Jul. Dez. 1995.

STAMATTO, Maria Inês Sucupira. Um olhar na história: A mulher na escola. (BRASIL: 1549 – 1910). Programa de Pós-Graduação em Educação – UFRN. 2002. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema5/0539.pdf. Acesso em: 27.08.16

TARROW, Sidney. O poder em movimento. RJ: Vozes, 2009.
Publicado
2018-10-22
Como Citar
LOPES, Beliza Stasinski. A participação política das mulheres: do movimento sufragista as cotas eleitorais de gênero no Brasil. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 03, p. 58-72, oct. 2018. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/149>. Acesso em: 22 mar. 2019.
Seção
Artigos