O atendimento em saúde a travestis e transexuais: revisão sistemática de literatura (2008-2017)

Autores

Palavras-chave:

Atendimento em saúde, Revisão sistemática, Transexualidade

Resumo

O objetivo deste artigo foi realizar uma revisão sistemática da literatura acerca do acesso por serviços de saúde pelo grupo de travestis, transexuais. A revisão considerou os artigos publicados nas bases de dados: BIREME, LILACS e SCIELO, no período de 2008 até 2017, utilizando as palavras-chave: transexualidade, vulnerabilidade e Travestis, com combinações com discriminação em serviços de saúde, publicados em português, inglês e espanhol. Após a longa leitura foram selecionados 24 artigos para contemplar o artigo final. Os resultados indicaram o maior destaque para a temática em relação às travestis, transexuais foi no ano de 2012 e 2015. Destacando os relatos de dificuldade no acesso aos serviços de saúde, devido à discriminação sofrida por parte de alguns dos profissionais. Portanto, conclui-se que existe a necessidade de um atendimento humanizado para que seja erradicado os atos discriminatórios, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS), como no privado.

Biografia do Autor

Hosana Maria do Nascimento, Universidade Católica de Santos - UNISANTOS

Enfermeira, formada pela Universidade Católica de Santos – UNISANTOS.

Linha de pesquisa: Grupo de estudos Interdisciplinar sobre Saúde e Sexualidade na perspectiva do quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos (GEISPEQ).

Junior Araujo Sousa, Universidade Cat´ólica de Santos - UNISANTOS

Doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Católica de Santos – UNISANTOS, Mestre em Biotecnologia pela Universidade de Mogi das Cruzes – UMC. Trabalha na temática LGBT e políticas públicas.

 

Linha de pesquisa: Grupo de estudos Interdisciplinar sobre Saúde e Sexualidade na perspectiva do quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos (GEISPEQ).

Claudia Renata dos Santos Barros, Universidade Católica de Santos - UNISANTOS

Doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo – USP, Docente do programa stricto sensu em Saúde Coletiva na Universidade Católica de Santos – UNISANTOS.

Linha de pesquisa: Grupo de estudos Interdisciplinar sobre Saúde e Sexualidade na perspectiva do quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos (GEISPEQ).

 

Referências

ALMEIDA, G.; MURTA, D. Reflexões sobre a possibilidade da despatologização da transexualidade e a necessidade da assistência integral à saúde de transexuais no Brasil. Revista Latino Americana- Sexualidad, Salud y Sociedad. N.14, p.380-‐407, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872013000200017 >. Acessado em 18 jun.2017.

ARÁN, M.; MURTA, D.; LIONÇO, T. Transexualidade e saúde pública no Brasil. Revista Ciência Saúde Coletiva. v.14, n.4, p. 1141-1149, 2009.

ARÁN, M.; MURTA, D. Do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade: uma reflexão sobre gênero, tecnologia e saúde. Physis [online]. v.19, n.1, p.15- 41, 2009. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000100003 >. Acessado em 17 jun.2017.

AMORIM, S.M.G.; VIEIRA, F.S.; BRANCALEONI, A.P. Percepções acerca da condição de vida e vulnerabilidade à saúde de travestis. Revista de Saúde em Debate. v.37, n.98, p. 525- 535, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006005000038. >. Acessado em 16 jun.2017.

ANGONESE, M.; LAGO, M.C. de Direitos e saúde reprodutiva para a população de travestis e transexuais: abjeção e esterilidade simbólica. Saude soc., São Paulo, v. 26, n. 1, p. 256-270, Mar. 2017. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/s010412902017157712. >. Acessado em 15 jun.2017.

BRASIL. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

BRASIL. Carta dos direitos dos usuários da saúde / Ministério da Saúde. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Política Nacional de Saúde Integral para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Portaria Nº675/GM de 30 de março de 2006. Disponível em < http://www.saude.mt.gov.br/cosat/arquivo/1819/gestao-da-saude-do-trabalhador >. Acessado em 03 out.2015.

BORBA, R. Interconexões entre Linguística Aplicada e práticas de atenção à saúde: linguagem e Identidades na prevenção de DSTs/aids entre travestis profissionais do sexo. Revista de Saúde Coletiva. n.21, p.1369-1400, 2011. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000400012 >. Acessado em 18 jun.2017.

CARVALHO, M.; CARRARA, S. Em direito a um futuro trans?: contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil. Sex., Salud Soc. (Rio J.). n.14, p.319-35, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872013000200015 >. Acessado em 17 jun.2017.

CARDOSO, M.R.; FERRO, L.F. Saúde e População LGBT: Demandas e Especificidades em Questão. Revista Ciência e Profissão. v.32, n.3, p.552-53, 2012. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000300003 >. Acessado em 16 jun.2017.

FREIRE, E.C. et al. A clínica em movimento na saúde de TTTS: caminho para materialização do SUS entre travestis, transexuais e transgêneros. Saúde em Debate. v.37, n.98, p. 477-484, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000300011 >. Acessado em 15 jun.2017.

GARCIA, L.P.; FREITAS, L.R.S.D. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde. v.24, n.2, p. 227-237, 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000200005>. Acessado em 16 jun.2017.

GARCIA, C.deL. et al. Health of sexual minorities in north-eastern Brazil: representations, behaviours and obstacles. J. Hum. Growth Dev. [online], vol.26, n.1, pp. 95-100, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.110985. >. Acessado em 14 jun.2017.

GIBLON, R.; BAUER, G.R. Health care availability, quality, and unmet need: a comparison of transgender and cisgender residents of Ontario, Canada. BMC Health Services Research. Vol.17, p.1-10, 2017. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1186/s12913-017-2226-z.>. Acessado em 13 jun.2017.

GIONGO, C.R. et al. Travestis e Transexuais Profissionais do Sexo: Implicações da Psicologia. Revista Ciência e Profissão. v.32, n.4, p. 1000-1013, 2012. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000400017>. Acessado em 15 jun.2017.

JAFFER, M. et al. Improving Transgender Healthcare in the New York City Correctional System. LGBT Health, vol.3, n.2, p. 116-121, 2016. Disponível em:< https://doi.org/10.1089/lgbt.2015.0050>. Acessado em 16 jun.2017.

JESUS, J.G. Orientações sobre Identidade de gênero: conceitos e termos. EBOOK. Brasília: Protocolo EDA/DF 2012, n.366, p.24, 2012.

MARIN, G., SILBERMAN, M., MARTINEZ, S., AND SANGUINETTI, C. Healthcare program for sex workers: a public health priority. Int J Health Plann Mgmt, vol.30, n.3, p.276–284, 2015 Disponível em:< https://doi.org/10.1002/hpm.2234. >. Acessado em 13 jun.2017.

MELLO, L. et al.Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Revista Latino Americana: Sexualidad, Salud y Sociedad. n. 9, p. 7-28, 2011. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872011000400002 >. Acessado em 14 jun.2017.

MULLER, M.I.; KNAUTH, D.R. Desigualdades no SUS: o caso de atendimento às travestis é ‘babado’. Brasil: Cadernos EBAPE. v.6, n.2, p. 01-14, 2008. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512008000200002 >. Acessado em 17 jun.2017.

PETERS, M.M. They wrote “gay” on her file’: transgender Ugandans in HIV prevention and treatment. Culture, Health & Sexuality, vol.18, n.ss1, p-1-15, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1080/13691058.2015.1060359>. Acessado em 18 jun.2017.

PINTO, N.; MOLEIRO, C. As experiências dos cuidados de saúde de pessoas transexuais em Portugal: perspectivas de profissionais de saúde e utentes. Lisboa: Revista de Psicologia. v.26, p. 129- 151, 2012.

SAFER, J. et al. Barriers to healthcare for transgender individuals. Current Opinion in Endocrinology, Diabetes & Obesity. vol.23, n.2, p.168-171, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1097/MED.0000000000000227>. Acessado em 10 jun.2017.

SAMPAIO, L.L.P.; COELHO, M.T.Á.D. Transexualidade: aspectos psicológicos e novas demandas ao setor saúde. Revista Comunicação, Saúde, Educação. v.16, n.42, p. 637-649, 2012. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012000300005 >. Acessado em 11 jun.2017.

SANTOS, A.R.dos. et al . Implicações bioéticas no atendimento de saúde ao público LGBTT. Rev. Bioét., Brasília, v. 23, n. 2, p. 400-408, Aug. 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422015232078. >. Acessado em 14 jun.2017.

SAÚDE, MINISTÉRIO DA. Departamento de Apoio à Gestão Participativa, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Saúde da população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. Rev. Saúde Pública [online]. v.42, n.3, p.570-573, 2008. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000300027 >. Acessado em 16 jun.2017.

SILVA, S.M. et al. Redução de Danos: estratégia de cuidado com populações vulneráveis na cidade de Santo André – SP. Revista Saúde e Sociedade. v.18, n.2, p.100-103, 2009. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000600018 >. Acessado em 18 jun.2017.

SILVA, G.W.dosS. et al . Situações de violência contra travestis e transexuais em um município do nordeste brasileiro. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 37, n. 2, e56407, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.56407.>. Acessado em 17 jun.2017.

SOUSA, J.A. Travestis e transexuais no universo das pesquisas científicas. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, vol. 10, n. 15, 2016.

SOUZA, M.H.T.de; MALVASI, P.; SIGNORELLI, M.C; PEREIRA, P.P.G. Violência e sofrimento social no itinerário de travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública [online], vol.31, n.4, pp.767-776, 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00077514. >. Acessado em 19 jun.2017.

SOUZA, M.H.T.; SIGNORELLI, M.C.; COVIELLO, D.M.; PEREIRA, P.P.G. Itinerários terapêuticos de travestis da região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Ciência & Saúde Coletiva. v.19, n.7, p. 2277-2286, 2014. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014197.10852013 >. Acessado em 17 jun.2017.

SOUSA, M.R., RIBEIRO, A.L. Revisão sistemática e meta-análise de estudos de diagnóstico e prognóstico: um tutorial. Arq Bras Cardiol. v.92, n.3, p.241-51, 2009. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009000300013 >. Acessado em 11 jun.2017.

VILLAMIL, M.M.L. et al. Narrativas de travestis sobre su vivencia con el VIH/Sida. Revista Invest Educação Enfermagem. v.47, n.4, p. 353-362, 2011. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420130000400019 >. Acessado em 10 jun.2017.

Downloads

Publicado

1102-2019

Edição

Seção

Artigos