Interseccionalidade no esporte: reflexões sobre o estudo com as árbitras de futebol e o método corpo-experiência

  • Ineildes Calheiro Universidade Federal da Bahia /UFBA
  • Eduardo David Oliveira

Resumo

Esse estudo tem como objetivo refletir sobre a divisão racial e sexual no esporte, e o corpo-experiência-interseccional como método, tendo como recorte a esfera futebolística, a partir dos resultados da pesquisa concluída, intitulada “As mulheres árbitras de futebol: um estudo sobre tecnologias de gênero e perspectivas da divisão sexual do trabalho”[1]. Trata-se de abordar os resultados enfatizados no contexto da interseccionalidade, refletindo sob um olhar para além, visando pensar os tensionamentos nos marcadores da diferença no campo esportivo de forma mais abrangente, bem como debater sobre possíveis ações políticas. Na pesquisa analisada foi investigada a divisão sexual no trabalho de arbitragem, considerando a racialização, sendo utilizada a perspectiva interseccional impulsionada pelo corpo-experiência, com a pesquisadora desde dentro: implicada-participante, partindo dos marcadores em seu próprio corpo, como raça, sexualidade, classe, território e suas experiências como árbitra. O material empírico constituiu-se de análise documental e narrativas das árbitras. Teoricamente fundamentada em estudos raciais, de gênero, inclinando-se no ponto de vista e nos feminismos, e tendo como resultados principais: a divisão sexual no futebol; submissão de gênero; dupla opressão das mulheres negras e exclusão. As desigualdades são apontadas a partir de um número ínfimo de mulheres no quadro, bem como menor participação do trabalho de arbitragem em comparação com os homens. A saber, o campo futebolístico é androcêntrico, organizado em forma de política de gênero, lugar de macho e branco.  
 Palavras-chave: Interseccionalidade; árbitras/futebol; corpo-experiência; divisão sexual
 
[1]   A pesquisa encontra-se publicada em livro, em 2017,  fora do Brasil em editora internacional. Novas Edições Acadêmicas.

Referências

BARBOSA, Lícia Maria de Lima. “Eu me alimento, eu me alimento, força e fé das iabás buscando empoderamento!”: expressões de mulheres negras jovens no Rip-hop baiano. Tese (Doutorado) – Universidade federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Programa Multidisciplinar em Pós-Graduação em estudos Étnicos e Africanos, 2013.
BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu (26), jan./jun, 2006, p.329-376.
CALHEIRO, Ineildes. As mulheres árbitras de futebol: tecnologias de gênero e divisão sexual do trabalho. Novas Edições Acadêmicas, 2017.
CALDWELL, Kia Lilly. Fronteiras da diferença: raça e mulher no Brasil. Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v. 2, n. 8, p. 92-108, 2000.
_____. A institucionalização de estudos sobre a mulher: perspectivas dos Estados Unidos e do Brasil. Revista da ABPN: experiências de mulheres negras na produção do conhecimento. Brasília, v. 1, n. 1, p. 18-27, 2010.
CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos avançados 17 (49) 2003.
__________. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro (Consciência em debate), 2011.
CEVA, Antonia et al. Mulheres em Campo Driblando Preconceitos. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. Mulheres no Esporte. Secretaria de Políticas Para as Mulheres da Presidência da República, Brasília, ano IV, n° 6, p. 19-24, dezembro de 2014.
CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, ano 10, p. 171-188, 1/2002.
DAMIANI, Cassia. Avanço da participação das mulheres nas políticas públicas de esporte. Revista do Observatório Brasil da Igualdade de Gênero. Mulheres no Esporte. Secretaria de Políticas Para as Mulheres da Presidência da República, Brasília, ano IV, n° 6, p. 44-52, dezembro de 2014.
DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.
FERRAZ, Cristina Lima. Marxismo e teoria das classes sociais. POLITEIA: Hist. e soc., Vitória da Conquista, v. 9, n.1, p. 271-301, 2009.
FIGUEIREDO, Ângela. Dialogando com os estudos de gênero e raça no Brasil. In: SANSONE, Lívio; PINHO, Osmundo Araújo. Raça: novas perspectivas antropológicas. Salvador: Associação Brasileira de Antropologia; EDUFBA, 2008, p. 237-255.
LESSA, Patrícia. Mulheres, corpo e esportes em uma perspectiva feminista. Revista Motrivivência, Florianópolis: UFSC, ano XVII, n. 24, p, 157-172, junho, 2005.
_____. VOTRE, Sebastião Josué. A tecnofabricação dos corpos sexuados nos Testes de feminilidade na Olimpíada de 1968. Rev. Bras. Ciênc. Esporte, Florianópolis, v. 35, n, 2, p. 263-279, abr./jun. 2013.
LIMA, Maria Nazaré Mota de. Identidades e cultura Afro-Brasileira: a formação de professores na escola e na universidade. Tese (Doutorado em Letras e Linguísticas) – Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguísticas, Bahia, 2007.
GONZALEZ, Lélia. Cultura, etnicidade e trabalho: Efeitos linguísticos e Políticos da exploração da mulher, 1979. Disponível em:
>http://www.portalafricas.com.br/v1/livros-e-textos-de-lelia-gonzalez/.
MATTOS, Ivanilde Guedes. Estética Afirmativa: corpo negro e educação física. Salvador: EDUNEB, 2010.
MENICUCCI, Eleonora. Entrevista. Revista Caros Amigos – A primeira à esquerda. Ano XIX, n. 234, setembro, 2016.
MESSEDER, Suely Aldir. O mundo do trabalho das mulheres masculinizadas: um estudo sobre as masculinidades em corpos femininos. XVIII ABEP – Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Águas de Lindóia/SP – Brasil, novembro, 2012.
MONTEIRO, Igor Chagas. Saindo da “posição de impedimento”: As árbitras brasileiras no futebol profissional. Anais do XIX Congresso Brasileiro de Ciências do Esporte – COMBRACE. Vitória-ES, 08-13 de set, 2015.
MOURÃO, Ludmila. et al. O perfil das árbitras brasileiras do futebol profissional. Livro de Atas do 1º congresso da Associação Internacional das Ciências Sociais e Humanas em Língua Portuguesa (XII Congresso Luso-Afro-Brasileiro - CONLAB). Lisboa, p. 4958-71,fev, 2015.
MOUTINHO, Laura. Diferença e desigualdades negociadas: raça, sexualidades e gênero em produções acadêmicas recentes. Cadernos pagu (42), jan./jun, p. 201-248, 2014.
MUNANGA, Kabengele. Nosso racismo é um crime perfeito. Revista Fórum, 77, agosto de 2013. . Acesso em: 11/11/2013.
ORTIZ, Renato. Imagens do Brasil. Revista Sociedade e Estado. ano 3, n. 28, p. 609-633, set./dez. 2013.
RIAL, Carmen; GROSSI, Míriam. Género, raza y violencia en las Olimpiadas de Río. Caderno de las olimpíadas 2. Setembro de 2016. Disponível em: http://www.clacso.org.ar/cuadernosdelasolimpiadas/co2_Carmen_Rial_e_Miriam_Grossi.php.
SANTOS, Ineildes Calheiro dos; Suely A. Messeder. A influência cultural na fisiologia do corpo sexuado vinculado à hegemonia masculina na divisão sexual do trabalho na arbitragem em futebol. Revista Ambivalências, V2, N.3, p. 170 – 193, Jan-Jun/2014.
__________; MESSEDER, A. SUELY. As mulheres árbitras de futebol: um estudo sobre tecnologias de gênero e perspectivas da divisão sexual do trabalho. (Mestrado em Pós-Crítica) - Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Programa de Pós-Graduação em Crítica Cultural. Bahia, 2016.
__________; MESSEDER, A. SUELY. A diferença do Desempenho físico e esportivo entre homens e mulheres: um estudo sobre inserção das mulheres no mundo da arbitragem do futebol brasileiro. In: VII Congresso Internacional de Estudos sobre a diversidade sexual e de gênero da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura – ABEH: Editora Realize, 2016, p.501-515. Disponível em: . http:// www.editora realize.com.br/revistas.php.>.
SANTOS, Joel Rufino dos. História Politica do futebol brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1981.
SILVA, Ana Célia da. A representação social do negro no livro didático: o que mudou? Por que mudou? Salvador: EDUFBA, 2011.
SOUSA, Eustáquia Salvadora de; ALTMANN, Helena. Meninos e meninas: Expectativas corporais e implicações na educação física escolar. Cadernos Cedes, ano XIX, nº 48, p 52-68, agosto, 1999.
TONINI, Diego Marcel. Além dos gramados: história oral de vida de negros no futebol brasileiro (1970-2010). Dissertação (Mestrado em história social) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em História Social, São Paulo, 2010.
Publicado
2018-10-22
Como Citar
CALHEIRO, Ineildes; OLIVEIRA, Eduardo David. Interseccionalidade no esporte: reflexões sobre o estudo com as árbitras de futebol e o método corpo-experiência. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 03, p. 34-57, oct. 2018. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/128>. Acesso em: 22 mar. 2019.
Seção
Artigos