Vicky, Trajetória Transnegra: discriminações e resistências

  • Joilson Santana Marques Junior UFRJ

Resumo

A discussão que pretendo suscitar com esse trabalho é a relação entre discriminação de diversidade sexual e de gênero e suas relações com o racismo atravessada pelo trabalho em uma perspectiva que posso dizer que irá misturar estudo de caso e história de vida, com o que eu vou nomear de uma dose de relato ficcional, na medida em que, a história que vou trazer não é um caso especifico, mas uma combinação de histórias de vida que me foram apresentadas no trabalho no Centro de Referencia LGBT e pela observação diária nos diversos espaços em que transito. Essa forma de analise tanto possibilita discutir as interseções entre as diferentes faces da discriminação como de percebê-las no trajeto cotidiano dos sujeitos que a sofrem. Como uma inferência inicial pode-se conceber que os sujeitos vivem processos de discriminação de maneira integralizada, não obstante são os espaços que fragmentam essas discriminações, contudo elas atuam de maneira indivisível nos sujeitos, segundo a questão do mundo do trabalho suscita enormes dilemas para essa população, pois, ora ela vai ser expulsa do mercado formal de trabalho, ora estará inserida nesse mercado das maneiras mais precárias, mais sofrendo a superexploração e uma série de discriminações, já que há um entendimento tácito de que essa população deve permanecer na clandestinidade longe do olhar “cidadão de bem”.   
Publicado
2018-06-28
Como Citar
MARQUES JUNIOR, Joilson Santana. Vicky, Trajetória Transnegra: discriminações e resistências. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 02, p. 116-122, june 2018. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/113>. Acesso em: 21 aug. 2018.
Seção
Relatos de Experiências