Banalidade do mal, anestesia cultural, comunidades sexualizadas e transfeminismos

algumas reflexões

  • Rafael da Silva Noleto Universidade Federal do Tocantins

Resumo

Articulando os conceitos de banalidade do mal (Hannah Arendt) e Anestesia Cultural (Allen Feldman), busco refletir sobre casos recentes envolvendo mortes de pessoas trans, seja por violência transfóbica (Dandara dos Santos – Fortaleza, CE – e Patrícia Ferraz – Belém, PA) ou por adoecimento (Raíssa Gorbatchof – Belém, PA). A intenção é refletir sobre a importância dos transfeminismos no combate à vulnerabilidade à qual a população travesti e transexual está sujeita cotidianamente. Pretendo refletir sobre como as formas de extermínio desses sujeitos buscam reconstruir as nações como comunidades sexualizadas, pautadas (obviamente) na hegemonia da heterossexualidade e cisgeneridade.
Publicado
2018-06-28
Como Citar
NOLETO, Rafael da Silva. Banalidade do mal, anestesia cultural, comunidades sexualizadas e transfeminismos. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 02, p. 78-92, june 2018. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/111>. Acesso em: 21 aug. 2018.
Seção
Ensaios