Discurso, doutrinação e propagação de ideais: o integralismo na perspectiva da Análise de Discurso Crítica

  • Marieli Rosa Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Claudia Maris Tullio Universidade Estadual do Centro-Oeste

Resumo

Compreendemos o discurso como prática social. Dessa forma, selecionamos um fragmento do jornal Folha do Oeste de 1937 na cidade de Guarapuava. A finalidade do estudo é refletir sobre o discurso da Ação Integralista Brasileira e as práticas discursivas. A política de expansão do movimento deu-se entre 1932 a 1938 no qual a doutrina pregada pelos militantes centrava-se no lema “Pátria, Família e Deus”. O movimento Integralista surge num cenário de instabilidade política e seu projeto buscava através da doutrinação e da propagação do Sigma com o objetivo de disseminar a salvação dos males que assolavam o Brasil. Assim, o presente estudo tem como base a teoria-metodologia de Norman Fairclough (2001). Portanto, com a historiografia pertinente, os resultados da pesquisa possibilitaram compreender o discurso como uma construção histórica e social, bem como o centro da disputa pelo poder. A proposta de análise proporcionou a reflexão da produção do discurso dentro da imprensa. O movimento Integralista se utilizava da imprensa para cooptar e doutrinar os sujeitos. Dessa forma, a ADC oportunizou discussões sobre os usos do jornal enquanto um mecanismo ideológico de um grupo caracterizado como fenômeno fascista no Brasil. Em tempos de crises, perceber e refletir sobre discursos que pontuam a “salvação” do país é um processo de repensar as construções das práticas discursivas na sociedade.
 

Referências

ARAÚJO, R. B. Totalitarismo e revolução: O integralismo de Plínio Salgado. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1988
ATHAIDES, R. As paixões pelo Sigma: afetividades políticas e fascismos. Tese de Doutorado. Curitiba: UFPR, 2012.
BACZKO, B. Imaginação Social. In: Enciclopédia Einaudi. v.5. AnthroposHomem. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1985
BERTONHA, J. F. O integralismo e sua história: memórias, fontes e historiografias. Salvador: Editora Pontocom, 2016.
CHARTIER, R. História cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: BertrandBrasil, 1988.
CHASIN, J. O Integralismo de Plínio Salgado: forma de regressividade no capitalismo hipertardio. Belo horizonte: UMA Editoria; São Paulo: Estudos e Edições Ad. Hominen, 1999.
CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios.Revista Portuguesa de Educação, Braga, v.16, n.2, p.221-. Disponível em http://redalyc.uaemex.mx/pdf/374/37416210.pdf> Acesso em: 12 março 2018.
COUTINHO, C. N. A hegemonia da pequena política. In: OLIVEIRA, F.; BRAGA, R.; RIZEK, C. (Org.). Hegemonia às avessas. São Paulo: Boitempo, 2010.
FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.
FUZER, C.; CABRAL, S. R. S. Introdução à Gramática Sistêmico-Funcional em Língua portuguesa. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2014.
GAVA, E. O fenômeno fascista da Ação Integralista Brasileira (AIB) no oeste paranaense: conflitos políticos na região de Guarapuava/PR (1935-1938). Dissertação Mestrado. Florianópolis, SC: 2016
GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002, 6 v
_____. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
GRUPPI, L. O conceito de hegemonia em Gramsci. Rio de Janeiro: Graal, 1978.
HALLIDAY, M. Anintroductionto Functional Grammar. Revisão Christian Matthiessen. London: Hodder Arnold, 2004.
MAGALHÃES, C. M. (org). Reflexões sobre a análise crítica do discurso. Belo Horizonte: Faculdade de Letras, UFMG, 2001
MAIO, M. C.; CYTRONOWICZ, R.. Ação Integralista Brasileira: um movimento fascista no Brasil (1932-1938). In: FERREIRA, J. DELGADO, L. de A. N. (org.). O Brasil Republicano – o tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003
MARTINS, A. L. Revistas em Revista: Imprensa e práticas culturais em tempos de República, São Paulo (1890-1922). São Paulo: Editora da USP/FAPESQ, 2001.
ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 2 ed. Campinas. SP: Pontes, 1987
RAMALHO, V; RESENDE, V. de M. Análise de Discurso (para a) Crítica: o texto como material de pesquisa. Vol. 1. Campinas, SP: Pontes Editores 2011.
_____. Análise de discurso Crítica. São Paulo: Contexto, 2006.
SCHMIDT, P. Plínio Salgado: o discurso integralista, a revolução espiritual e a ressureição da nação. (Dissertação de Mestrado em História. Florianópolis: UFSC, 2008.
SILVA, W. P. da. Guarapuava: sob o signo do Sigma. In: SEBRIAN, Raphael Nunes Nicoletti. [et al.] (org.). Ofício de historiador – Anais. Guarapuava: Unicentro, 2007.
_____. Entre Lustosa e João do Planalto: a arte da política na cidade de Guarapuava (1930-1970). Tese de Doutorado. Rio de Janeiro, Niterói: UFF, 2008.
TRINDADE, H. Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 1930. 2. ed. São Paulo: DIFEL, 1979
VACONCELLOS, G. A ideologia curupira: análise do discurso integralista. São Paulo: Brasiliense, 1979.
WODAK, R. Do que trata a ACD: um resumo de sua história, conceitos importantes e seus desenvolvimentos. Linguagem em (Dis) curso. Vol. 4. p. 223-243, 2004.
Publicado
2018-04-07
Como Citar
ROSA, Marieli; TULLIO, Claudia Maris. Discurso, doutrinação e propagação de ideais: o integralismo na perspectiva da Análise de Discurso Crítica. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 64-77, apr. 2018. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/70>. Acesso em: 11 dec. 2018.
Seção
Artigo experimental (acadêmico)