A língua portuguesa em direção ao século XVI: principais reconfigurações socioculturais

  • Cemary Correia de Sousa Universidade Federal da Bahia
  • Jane Keli Almeida da Silva Universidade Federal da Bahia

Resumo

Objetiva-se, neste trabalho, discutir ainda que brevemente as principais reconfigurações históricas e culturais que modificaram a língua portuguesa ao longo de quatro séculos de produção escrita. Defende-se, nesse contexto, que o português será gramaticizado no momento em que importantes mudanças sociais têm ocorrido, como o próprio surgimento de sua escrita, bem como a estreia da imprensa, em solo português, e a consolidação do primeiro cânone literário, com os Lusíadas, de Luís de Camões. Tudo isso impulsionará a elaboração de obras lexicográficas, como glosas, dicionários e as Cartinhas ou Cartilhas, as quais, voltavam-se exclusivamente ao ensino religioso e, posteriomente, a essas publicações, vieram a lume as primeiras gramáticas da língua, a de Fernão de Oliveira e a de João de Barros, justamente quando o Renascimento estava a todo vapor na Europa incentivando, consideravelmente, na formação das Nações e dos Estados nacionais. Portanto, este artigo traça de maneira sucinta um perfil histórico do português, tendo como aporte teórico, para isso, a Linguística Histórica Stricto Sensu, a Filologia Textual e a Lexicografia Histórica. Espera-se com este trabalho poder contribuir para as investigações sobre a constituição histórica da língua portuguesa, especificamente as que se inserem no recorte temporal do século XIII até o XVI.

Referências

AUROUX, Silvain. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. São Paulo: UNICAMP, 2014. p. 21-22, 35-36, 38-39, 65.
BARROS, João de. Cartinha com os preceitos e mandamentos da Santa Madre Igreja. Lisboa: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1539.
______. Diálogos da Viçiosa Vergonha. Lisboa: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1540.
______. Grammatica da lingua portuguesa. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1540.
BORGES NETO, José. A teoria da linguagem de Fernão. In: ABAURRE, Maria Bernadete et al. Fernão de Oliveira: Um gramático na história. Campinas: Pontes Editores, 2009. p. 44-45.
BUESCU, Maria Carvalhão. Gramática da língua portuguesa, de João de Barros Lisboa: Faculdade de Letras de Lisboa, 1971, p. 1, 3-5, 292, 311, 317.
______. João de Barros e o cosmopolitismo do Renascimento. Oceanos. Lisboa, n. 27, jul/set, 1996. p. 14, 57-58.
______. Historiografia da língua portuguesa. Lisboa: Livraria Sá da Costa,1984.
CALDAS AULETE. Disponível em: . Acesso: 10. jan. 2017.
CALVET, Louis-Jean. Tradição oral e tradição escrita. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 19.
CARTINHA PERA ENSINAR A LEER. Lisboa: Biblioteca Nacional de Lisboa, 1500.
CASTRO, Ivo. Curso de história da língua portuguesa. Lisboa: Universidade Aberta, 1991.
CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Trad. Reginaldo de Moraes. São Paulo: UNESP, 1999. p. 77.
COSERIU, Eugenio. Língua e funcionalidade em Fernão de Oliveira. In: TORRES, Amadeu; ASSUNÇÃO, Carlos. Gramática da Linguagem portuguesa (1536) Fernão de Oliveira: Edição Crítica, Semidiplomática e Anastática. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, 2000.
DUARTE, Sónia. Fernão de Oliveira: Gramática da Linguagem Portuguesa, Fac-simile. Porto: Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto, v. 8, p. 249-253, 2013.
DUBOIS, Claude-Gilbert. O imaginário da Renascença. Brasília: UNB, 1995.
FRAGO, António Viñao. Por una historia de la cultura escrita: observaciones y reflexiones, Signo. Revista de Historia de la cultura escrita, 3, Universidad de Alcalá de Henares, 1996, p. 51.
FRANCO, Jose Eduardo; SILVESTRE, João Paulo. Gramática da Linguagem Portuguesa. Fac-simile, introdução e edição atualizada e anotada. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 2012.
GÂNDAVO, Pêro Magalhães de [1574]. Regras que ensinam a maneira de escrever e a ortografia da língua portuguesa. Com o diálogo que adiante se segue em defensão da mesma língua. Lisboa: Biblioteca Nacional, 1981. p. 61.
LE GOFF; Jacques, SCHMITT, Jean Claude (Org.). Dicionário temático do ocidente medieval. São Paulo: Imprensa Oficial; EDUSC, 2002.
LEÃO, Duarte Numes de. Orthographia da Lingoa Portuguesa. Lisboa: Biblioteca Nacional de Lisboa, 1576.
______. Origem da língua portuguesa. Lisboa: Faculdade de Letras, 1669.
MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes. A pontuação em manuscritos medievais portugueses. Salvador: EDUFBA, 2004. p.79.
______. Lexicografia histórica e questões de método. In: LOBO, Tânia et al. ROSAE: Linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 382.
______. Dicionário etimológico do português arcaico. Salvador: EDUFBA, 2013.
_______. Do conceito de variante nos estudos do léxico de perspectiva histórico-variacional. Revista de Filologia e Linguística Portuguesa. São Paulo, n. 2, p. 261-275, v. 16, jul./dez. 2014.
MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes; GÓIS, Iuri Alves. O conhecimento da etimologia aplicado ao ensino-aprendizagem da ortografia na escola. In: I Congresso Internacional do Estudo do Léxico e suas interfaces: Araraquara, Unesp, 2014.
MAIA, Clarinda. A consciência da dimensão imperial da Língua na produção linguístico-gramatical. In: Gramática, história, teorias, aplicações. Porto: Universidade do Porto, 2011. p. 30, 32.
______. A selecção do dialecto da antiga província da Estremadura como modelo de língua exemplar na tradição gramatical portuguesa: fundamentos históricos da sua “excelência idiomática”. In: XXV Congrés International de Linguistique et de Philologie Romane. Berlin, New York (De Greyton), v. 3, 2010. p. 485.
______. Linguística Histórica e Filologia. In: Lobo Tânia et al. ROSAE: linguística histórica, história das línguas e outras histórias. Salvador: EDUFBA, 2012.
MARTINS, Ana Maria. Ainda os mais antigos textos escritos em português. Documentos de 1175 a 1252. In: FARIA, Isabel (Org.) Lindley Cintra. Homenagem ao homem, ao mestre e ao cidadão. Lisboa: Edições Cosmos e FLUL, 1999.
MATTOS e SILVA, Rosa Virgínia. Reconfigurações socioculturais e linguísticas no Portugal de quinhentos em comparação com o período arcaico. In: MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes; MATTOS e SILVA, Rosa Virgína (Orgs.). O Português Quinhentista: Estudos Linguísticos. Salvador: EDUFBA, 2002. p. 12.
MATTOS e SILVA, Rosa Virgínia. Caminhos da linguística histórica. Salvador: EDUFBA, 2008. p. 163.
______. O Português arcaico: fonologia, morfologia e sintaxe. São Paulo: Contexto, 2006.
______. Para uma caracterização do período arcaico do português. D.E.L.T.A, 10 (nº especial) 247-276, 1994.
NEBRIJA, António de. Gramatica castellana. Madrid: Biblioteca Nacional de Madrid, 1492.
NICOLAU, Eunice. A influência do contexto histórico-social na reflexão de Fernão de Oliveira: Língua e sociedade na Grammatica da lingoagem portuguesa. In: ABAURRE, Maria Bernadete et al. Fernão de Oliveira: Um gramático na história. Campinas: Pontes Editores, 2009. p. 146.
OLIVEIRA, Fernão de Oliveira. Grammatica da lingoagem portuguesa. Lisboa: Biblioteca Nacional de Lisboa, 1536.
PAIVA, M. H. Os gramáticos portugueses quinhentistas e a fixação do padrão linguístico: contribuição da Informática para o estudo das relações entre funcionamento, variação e mudança. Porto. Tese de doutoramento em Linguística Portuguesa apresentada à Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2002.
PERINI, Mário A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.
ROSA, Maria Carlota. Uma Arte Pera Aprender a Leer Quinhentista. In: CAGLIARI-MASSINI, Gladis et al (Org.) Descrição do português: linguística histórica e historiografia linguística. São Paulo: Cultura Acadêmica Editora, 2002, p. 152.
SILVA, Jane Keli Almeida da. A Gramática de Fernão de Oliveira: anotações críticas sobre a edição de uma obra do final da Idade Média portuguesa, 2017, V – SIMELP/Lecce/Itália.
SILVA, Jane Keli Almeida da; MACHADO FILHO, Américo Venâncio Lopes.
Vocabulário gramatical quinhentista: para uma análise contrastiva da metalinguagem em Fernão de Oliveira e João de Barros. 2017. 2v. 204f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras da universidade Federal da Bahia, Salvador.
SOUZA, Armindo. A cultura. In: MATTOSO, J. (Org.) História de Portugal Lisboa: Círculo de Leitores, v. 2, 1993.
TEYSSIER, P. História da língua portuguesa. Tradução Celso Ferreira da Cunha. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 2007.
TORRES, Amadeu; ASSUNÇÃO, Carlos. Gramática da Linguagem portuguesa (1536) Fernão de Oliveira: Edição Crítica, Semidiplomática e Anastática. Lisboa: Academia das Ciências de Lisboa, 2000. p. 166, 168-169, 177, 178-179, 213, 217, 221-222.
TRASK, Robert Lawrence. Dicionário de Linguagem e Linguística. São Paulo: Contexto, 2004. p .191.
VERDELHO, Telmo; SILVESTRE, João (Org.). Dicionarística portuguesa: inventariação e estudo do património Lexicográfico. Coimbra: Universidade de Aveiro, 2007. p. 13, 14, 196.
Publicado
2018-04-07
Como Citar
DE SOUSA, Cemary Correia; DA SILVA, Jane Keli Almeida. A língua portuguesa em direção ao século XVI: principais reconfigurações socioculturais. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 8-23, apr. 2018. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/68>. Acesso em: 18 oct. 2018.
Seção
Artigo experimental (acadêmico)