A TV na internet: imitação do TV Fama em cena humorística pelo Porta dos Fundos

Imitação do TV Fama em cena humorística pelo Porta dos Fundos

  • Anderson Jorge Pinheiro do Nascimento Universidade Federal de São Paulo

Resumo

O objetivo deste trabalho é analisar um esquete produzido pelo coletivo de humor Porta dos Fundos, que satiriza o programa televisivo TV Fama, a fim de evidenciar os recursos intertextuais estilísticos, os métodos utilizados para a retomada do intertexto e levantar considerações sobre a relação existente entre este tipo de intertextualidade e o humor. Para tanto, é elaborado um panorama teórico acerca da intertextualidade como modo de situar este aos demais estudos sobre o fenômeno intertextual, e posteriormente é discutido sobre as teorias de Koch, Bentes e Cavalcante (2012) e Discini (2004) referentes ao tipo de intertextualidade aqui tratado, a estilística. A partir dos constructos teóricos mencionados, é feita uma análise do esquete Ok ok publicado em 14 de abril de 2014 no canal (YouTube) do Porta dos Fundos. Constatou-se que a intertextualidade estilística se manifesta de diversas formas nos enunciados, tanto pela língua quanto pela imagem, e há dois grupos de intertextualidade estilística: i) um que subverte o estilo do intertexto, ii) e outro grupo que não apresenta subversão. Referente ao humor, foi evidenciado que este se ancora no intertexto, e o conhecimento do programa TV Fama é necessário para o efeito humorístico. 

Referências

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Gêneros do discurso. In: BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. Estética da criação verbal. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2011. p. 261-306.
CARMELINO, Ana Cristina. (org.). Humor: eis a questão. São Paulo: Cortez, 2015.
______. Humor em cenas de curta duração: o esquete em sala de aula. In: CARMELINO, Ana Cristina; RAMOS, Paulo. (Orgs.) Gêneros humorísticos e ensino. (no prelo)
CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Intertextualidade. In: Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2014. p 145-170.
DISCINI, Norma. Intertextualidade e estilo. In: O sentido do texto. São Paulo: Contexto, 2004. p. 223-314.
FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Mini Aurélio: o dicionário da língua portuguesa. 8. ed. Curitiba: Positivo, 2010.
GALEMBECK, Paulo de Tarso. O turno conversacional. In: PRETI, Dino. (org.). Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas Publicações FFLCH/USP. 1999. p. 55-80.
GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Extratos traduzidos por Cibele Braga; Erika Viviane Costa Vieira; Luciane Guimarães; Maria Antônia Ramos Coutinho; Mariana Mendes Arruda; Mirian Vieira. Belo Horizonte: Viva Voz, 2010.
HODGSON, Terry. The drama dictionary. New York: New Amsterdam, 1988.
KOCH, Ingedore G. Villaça; BENTES, Anna Christina; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Intertextualidade: diálogos possíveis. São Paulo: Cortez, 2012.
KOCH, Ingedore Villaça. A intertextualidade. In: Introdução à Linguística Textual. São Paulo: Contexto, 2015. p. 143-151.
KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. São Paulo: Perspectiva, 1974.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Análise da Conversação. São Paulo: Ática, 1998.
MESERANI, Samir. Intertextualidade. In: O intertexto escolar: sobre leitura, aula e redação. São Paulo: Cortez, 2002. p. 59-76.
NOBRE, Kennedy Cabral. Tese. Critérios classificatórios de processos intertextuais. Fortaleza, 2014.
NOVO 'Zorra' é Porta dos Fundos com 'Tá no Ar', tudo junto e misturado. Folha de S.Paulo. Tony Goes. Disponível em: . Acesso em 26 jan. 2017.
OS 10 maiores canais brasileiros do YouTube. Blastingnews. Daniel Pereira Santos. Disponível em: . Acesso em 27 jan. 2017.
PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. Trad. J. Guinsburg; M. L. Pereira. São Paulo: Perspectiva, 1999.
PIÈGAY-GROS, Nathalie. Introduction à l’intertextualité. Paris: Dunod, 1996.
SANT’ANNA, Affonso Romano de. Paródia, paráfrase & CIA. São Paulo: Ática, 2008.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. A caracterização de categorias de textos: tipos, gêneros e espécies. Alfa: Revista de Lingüística. , v.51, p.39 - 79, 2007. Disponível em: . Acesso em 4 mai 2015.
______. Esquete: caracterização de um gênero oral e sua possível correlação com outros gêneros. Uberlândia: ILEEL/UFU, cópia de inédito (2016). 28 p.
______. O que é engraçado? Categorias do risível e o humor brasileiro na televisão. Estudos Linguísticos e Literários, Maceió, v. 5 e 6, p. 47-79, 1989.
______. Uma introdução ao estudo do humor pela linguística. DELTA – Revista de Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v.6, n.1, p. 55-82, 1990.
YouTube. Ok ok. Vídeo (2min54s). Disponível em: . Acesso em 14 jun. 2017.
Publicado
2017-08-11
Como Citar
NASCIMENTO, Anderson Jorge Pinheiro do. A TV na internet: imitação do TV Fama em cena humorística pelo Porta dos Fundos. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 58-78, aug. 2017. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/55>. Acesso em: 25 may 2018.
Seção
Artigo experimental (acadêmico)

Palavras-chave

Intertextualidade estilística; Humor; Esquete; Porta dos Fundos.