Inversão de realidade e ironia: o humor nas crônicas de Porchat

  • Gabriela Gomes da Rocha Universidade Federal de São Paulo

Resumo

Considerando-se que Fábio Porchat – além de ator, roteirista, diretor, apresentador brasileiro e humorista ­– também é escritor, tendo em vista que publicou no jornal O Estado de S. Paulo crônicas humorísticas no período de setembro de 2014 a julho de 2016, neste trabalho, visa-se, por meio da análise de algumas de suas crônicas, assinalar as técnicas de produção de humor a que o cronista recorre para provocar um efeito humorístico, de modo que sejam além de bem-humoradas, também particulares de seu estilo. Na área do humor, as pesquisas a respeito das técnicas de produção de humor utilizadas para tornar um texto engraçado vem sendo tema de muitas pesquisas para estudiosos da área. Contudo, estudos a respeito da produção de humor em textos contemporâneos são ainda poucos – o que vem a justificar o presente trabalho. A pesquisa tem como hipótese que as técnicas de produção de humor mais utilizadas por Porchat nas crônicas selecionadas (que foram agrupadas em dois tipos) sejam a “inversão da realidade” (técnica que depende também do conhecimento prévio do leitor para que se deflagre o humor) no primeiro tipo e a ironia no segundo tipo. O estudo tem como base autores e teses que tratam de questões referentes ao humor e às técnicas humorísticas, tais como Bergson (1987); Possenti (1998, 2010) e Travaglia (1992, 2015).

Referências

ADOLF Hitler. History. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2016.
ALBERT Einstein. UOL. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2016.
ANTUNES, Irandé. Lutar com palavras: coesão e coerência. 1. ed. São Paulo: Parábola, 2005.
ATTARDO, S.; RASKIN, V. Script theory revis(it)ed: joke similarity and joke representation model. Humor: International Journal of Humor Research. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 1991. vol. 4-3/4. p. 293-347.
BENETTI, Marcia. A ironia como estratégia discursiva da revista Veja. Líbero (FACASPER), v. 20, p. 37-46, 2007.
BERGSON, H. O riso: ensaio sobre a significação do cômico. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.
CALGARO, Fernanda; RAMALHO, Renan; GARCIA, Gustavo. Câmara cassa mandato de Eduardo Cunha por 450 votos a 10. G1, Brasília, 12 set. 2016. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2017.
CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Intertextualidade. In: Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2012. p. 145-170.
CHERUBIM, Sebastião. Dicionário de figuras de linguagem. São Paulo: Enio Matheus Guazzelli, 1989.
COSTA, S. R. Dicionário de gêneros textuais. 2. ed. rev. ampl. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2008.
DENGUE, Chikungunya e Zika. Combate aedes. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2016.
FÁBIO Porchat: ator e roteirista. Perfil. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.
FEBRE Chikungunya. Portal da Saúde. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2016.
FIORIN, J. L. F. Figuras de retórica. São Paulo: Contexto, 2014.
FREUD, S. Os chistes e sua relação com o inconsciente. Edição Standard Brasileira das Obras Completas/ Sigmund Freud, v. III. Rio de Janeiro: Imago, 1996 (Edição original 1905).
IANSÃ. Candomblé: O mundo dos Oxirás. Disponível em: . Acesso em: 10 fev. 2017.
KOCH, I. Introdução à Linguística Textual: Trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 2009.
LEVIN, J. Índice de criminalidade piora no Rio, a tempo da Olimpíada. Exame. 14 jul. 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2016.
MINOIS, G. História do riso e do escárnio. Trad. de Maria Helena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: Editora da UNESP, 2003.
MOUTA, Margarida. Os jogos de linguagem e a aquisição de uma “competência humorística” em PLE. Linguística - Revista de Estudos Linguísticos da Universidade do Porto - Vol. 2 – 2007, p. 77-102.
PEREIRA, W. Crônica: a arte do útil e do fútil. Salvador: Calandra, 2004 (Coleção Biblioteca).
PORCHAT, F. Bate-papo hoje em dia. Cultura. Estadão, 17 jan. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
______. Comentários de internet. Cultura. Estadão, 24 jan. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
______, Fábio. Contrato. Cultura. Estadão, 31 jan. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
______. Tio. Cultura. Estadão, 07 fev. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
______. Céu católico. Cultura. Estadão, 27 fev. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
______. Tiririca. Cultura. Estadão 10 abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
______. Terrorismo. Cultura. Estadão 24 abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2016.
POSSENTI, S. Os humores da língua: análise linguística de piadas. São Paulo, Mercado das Letras, 1998.
______. Humor, língua e discurso. São Paulo: Contexto, 2010.
PROPP, Vladimir. Comicidade e riso. São Paulo, Ática, 1992.
RASKIN, V. Semantic mechanisms of humor. Holland: D. Reidel Publishing Company, 1985.
SERRA E GURGEL, J. B. Dicionário de gíria: o equipamento falado no Brasil. 5. ed. Local: Brasília: Mania do Livro, 1998.
TRAVAGLIA, L. C. Uma introdução ao estudo do humor pela linguística. D.E.L.T.A, v. 6, n. 1, p. 55-82, 1990.
______. O que é engraçado? Categorias do risível e o humor brasileiro na televisão. Leitura: Estudos linguísticos e literários. Maceió: Universidade Federal de Alagoas, n. 5, 6, p. 42-79, 1989.
TRENTIN, R. C. Um estudo de “frases engraçadas” que versam sobre bebida: construção de sentido e ethos. 2012. 143f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.
Publicado
2017-08-11
Como Citar
DA ROCHA, Gabriela Gomes. Inversão de realidade e ironia: o humor nas crônicas de Porchat. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 38-57, aug. 2017. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/53>. Acesso em: 25 may 2018.
Seção
Artigo experimental (acadêmico)