Análise das implicaturas e implícitos: um olhar sobre os não-ditos na música "Inocente"

Autores

  • Nádia Carina da Silva Melo José Universidade Federal do Paraná

Resumo

No presente estudo objetivou-se analisar as Implicaturas e Implícitos na letra da música “Inocente”, do cantor angolano Paulo Flores, a fim de observar as intenções comunicativas do autor e identificar possíveis interpretações do texto a partir do olhar da Pragmática e da Análise do Discurso. A metodologia de pesquisa deu-se em duas etapas, inicialmente fez-se o levantamento bibliográfico do aporte teórico, posteriormente selecionou-se o objeto de estudo da pesquisa. A análise da música deu-se sob abordagem qualitativa para observar os não-ditos e possíveis inferências do texto (música) e suas contribuições na construção do sentido. No que tange a fundamentação teórica, referente à Pragmática abordou-se sobre a teoria das Implicaturas conforme contribuições de Grice (1975, 1978), nas abordagens de Basso e Pires de Oliveira (2014); Cançado (2012) e Costa (2009).  E do ponto de vista da Análise do Discurso, as concepções de Pêcheux sobre o sentido dos Implícitos segundo Moraes (2009) e Orlandi (2000). Dos resultados, observou-se que os não-ditos na letra da música contribuem significativamente para entender o significado completo do texto, pois trata-se, de identificar pressuposições que despertam o leitor sobre questões subjacente nele.

 

Referências

AZEREDO, J. C. de. Fundamentos de gramática do português. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

BAKHTIN, M. M. Estética da Criação Verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRANDÃO, H. N. Introdução à análise do discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

CANÇADO. C. Manual de semântica: noções básicas e exercícios. São Paulo: Contexto, 2012.

COSTA, J. C. da. A Teoria Inferencial das Implicaturas: descrição do modelo clássico de Grice. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 44, n. 3, p. 12-17, jul./set.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.

GRICE, H.P. Logic and conversation. In: COLE, P.; MORGAN, J.L. (Ed.). Sintax and demantics. New York: Academic Press. 1975. v. 3. p. 43.

MAINGUENEAU, D. Discurso e análise do discurso. São Paulo: Parábola, 2015.

MORAES, E. de. Semantic theories and the implicit meanings in language. Alfa, São Paulo, v.53, n.1, p.261-282, 2009.

ORLANDI, E. P. Sujeito, história e linguagem. In: _____. Análise do discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 2000.

PICONI, L.B; VALK, C. C. S; REGISTRO, E. S. R. O ensino de línguas via gêneros: possíveis abordagens teórico-metodológicas. Entretextos, Londrina, v. 13, n. 1, p. 368-400, jan./jun. 2013.

PIRES DE OLIVEIRA, R; BASSO, R. Arquitetura da conversação: Teoria das Implicaturas. 1ed. São Paulo: Parábola, 2014.

Downloads

Publicado

2812-2020

Edição

Seção

Artigo experimental (acadêmico)