Plano de texto e responsabilidade enunciativa no gênero jornalístico reportagem

Autores

  • Maria Letícia França de Moura Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Célia Maria de Medeiros Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Resumo

Compreender um gênero discursivo textual perpassa pelo reconhecimento de sua organização global, e isso significa identificar os planos de texto que o constitui. Para tanto, também é necessário descrever as instâncias enunciativas que estão na fonte do dizer, assumindo o conteúdo proposicional ou se distanciando dele. Nesse contexto, propomos, neste artigo, descrever, analisar e interpretar o plano de texto e a responsabilidade enunciativa no gênero jornalístico reportagem. O corpus analisado é constituído de quatro reportagens jornalísticas extraídas de veículos de comunicação presentes no âmbito digital, a saber: El País, O Globo, Folha de S. Paulo e Estadão. A escolha das reportagens jornalísticas, selecionadas no mesmo espaço temporal, partiu do delineamento temático acerca dos cortes orçamentários na educação. Utilizamos a Análise Textual dos discursos (ADAM, 2011, 2017, 2019) e a perspectiva enunciativa (RABATEL, 2016), dentre outros autores, para fundamentar a pesquisa. Os dados demonstram que as instâncias enunciativas, locutor enunciador primeiro e enunciadores segundos, assumem a responsabilidade enunciativa em um jogo de engajamento ou distanciamento pelo dito.

Biografia do Autor

Maria Letícia França de Moura, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Bolsista PIBIC UFRN (IC) e discente do Curso de Jornalismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Célia Maria de Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutora em Linguística Teórica e Descritiva. Professora Adjunta do Departamento de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

ADAM, J-M. A Linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. Tradução Maria das Graças Soares Rodrigues, João Gomes da Silva Neto, Luis Passeggi e Eulália Vera Lúcia Fraga Leurquin. 2. ed. rev. e aum. São Paulo: Cortez, 2011.

______. O que é Linguística Textual? In: SOUZA, Edson Rosa Francisco de; PENHAVEL, Eduardo; CINTRA, Marcos Rogério (orgs.). Linguística Textual: interfaces e delimitações. Homenagem a Ingedore Grünfeld Villaça Koch. São Paulo: Cortez, 2017. p. 23-57.

______. Textos: tipos e protótipos. Tradução Mônica Magalhães Cavalcante et al. São Paulo: Contexto, 2019.

AGOSTINI, R. MEC desiste de cortes em universidades por ‘bagunça’ e diz que todas sofrerão contingenciamento. Estadão. Disponível em: https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,mec-desiste-de-bloqueio-a-verbas-em-universidades-por-bagunca,70002811148. Acesso em: 20 maio 2019.

CABRAL, A. L. T. O conceito de plano de texto: contribuições p ara o processo de planejamento da produção escrita. Linha d’Água, n. 26 (2), p. 241-259, 2013.

GUENTCHÉVA, Z. Manifestations de la catégorie du médiatif dans lês temps du français. Langue Française, Paris, v. 102, n. 1, 1994, p. 8-23. Disponível em: http://www.persee.fr/doc/lfr_0023-8368_1994_num_102_1_5711. Acesso em: 18 dez. 2019.

______. L’ opération de prise em charge et la notion de médiativité. In: DENDALE, Patrick; COLTIER, Danielle (Dirs). La prise en charge énonciative: éthudes théoriques e empiriques. Bruxelles: De Boeck/ Duculot, 2011, p. 117-142.

LAGE, N. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 7. ed. Rio de Janeiro: Record, 2008.

MARIZ, R. Bloqueio na Educação é o maior desde 2016. O Globo. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/bloqueio-na-educacao-o-maior-desde-2016-23668620. Acesso em: 20 maio 2019.

MENDONÇA, J. T. Manual do foca: guia de sobrevivência para jornalistas. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

OLIVEIRA, R. Os primeiros efeitos da asfixia financeira de Bolsonaro sobre as ciências do Brasil. El País. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/bloqueio-na-educacao-o-maior-desde-2016-23668620. Acesso em: 20 maio 2019.

PASSEGGI, L. et al. A análise textual dos discursos: para uma teoria da produção co(n)textual de sentido. In: BENTES, A. C. & LEITE, M. Q. (orgs.). Linguística de texto e análise da conversação: panorama das pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010. p. 262-312.

RABATEL, A. Homo narrans: por uma abordagem enunciativa e interacionista da narrativa – pontos de vista e lógica da narração - teoria e análise. Tradução Maria das Graças Soares Rodrigues, Luis Passeggi, João Gomes da Silva Neto. São Paulo: Cortez, 2016. v.1

RODRIGUES, M. G. S. Linguística textual e responsabilidade enunciativa. In: CAPISTRANO JÚNIOR, Rivaldo; LINS, Maria da Penha Pereira; ELIAS, Vanda Maria. (orgs.). Linguística textual: diálogos interdisciplinares. São Paulo: Labrador, 2017. p. 299-316.

SALDAÑA, P. Bloqueios no MEC vão do ensino infantil à pós-graduação. Folha de S. Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2019/05/bloqueios-no-mec-vao-do-ensino-infantil-a-pos-graduacao.shtml. Acesso em: 20 maio 2019.

Downloads

Publicado

2107-2020

Edição

Seção

Artigo experimental (acadêmico)