A neologia e os processos genolexicais em antropônimos brasileiros: um breve mapeamento de estudos realizados

  • Natival Almeida Simões Neto
  • Letícia Santos Rodrigues

Resumo

Este trabalho tem caráter revisionista e pretende destacar os aspectos morfolexicais atinentes à antroponímia brasileira, partindo, inicialmente, da constatação feita por alguns autores, como Castro (2004), de que o Brasil, diferentemente de Portugal, se caracteriza pela inovação na atribuição de nomes de pessoas. Partindo desse aspecto, foi feito um relato crítico, comparado e aproximativo de dois projetos de pesquisa realizados na primeira década do século XXI e que descreveram a antroponímia do Brasil em perspectivas diferentes, a partir de localidades diferentes (Rio de Janeiro e Bahia). Por fim, fez-se um detalhamento dos aspectos morfológicos em torno da inovação antroponímica brasileira, tomando como norte as categorizações de Monteiro (2002) e acrescentando discussões feitas por outros autores sobre o referido tema. Para subsidiar as discussões, foram coletados alguns registros de nomes em variados sites e páginas brasileiras na internet.  

##submission.authorBiography##

Natival Almeida Simões Neto
Mestre (2016) pelo Programa de Pós-graduação em Língua e Cultura, da Universidade Federal da Bahia. Graduado (2014) em Letras Vernáculas (Licenciatura), por essa mesma instituição. Atualmente, é professor substituto no Departamento de Letras Vernáculas da Universidade Federal da Bahia, atuando em disciplinas dos setores de Texto e de Língua Portuguesa. Os principais interesses de estudo e pesquisa estão nas áreas de Morfologia, Antroponímia, Léxico e Semântica em Perspectiva histórica e/ou cognitivista.

Referências

ALVES, Ieda Maria. Neologismo: criação lexical. São Paulo: Ática, 1990.
BELCHOR, Ana Paula Victoriano. Truncamento. In: GONÇALVES, C. A. V. (org). Processos marginais de formação de palavras. Campinas: Pontes, 2016.
CASTRO, Ivo. A atribuição do nome próprio no espaço luso-brasileiro: dados paulistas. In: AGRELO, A. I. B (org.). Novi te ex nomine: estudos filolóxicos oferecidos ao Prof. Dr. Dieter Kremer. A Coruña: Fundación Pedro Barrié de la Maza, 2004, pp. 245-256.
CORREIA, Margarita. Neologia em português. São Paulo: Parábola, 2012.
KEHDI, Valter. Formação de palavras em português. São Paulo: Ática, 2007.
MARTINS, Sônia. Expropriação de nomes indígenas e africanos na história linguística do Brasil. Trabalho apresentado no ROSAE: congresso internacional de linguística histórica. Salvador, Feira de Santana, 26-29 julho, 2009.
MEXIAS-SIMON, Maria Lúcia e Oliveira; MATTOS, Aleida de. O nome do homem: reflexões em torno dos nomes próprios. Rio de Janeiro: H. P. Comunicação, 2004.
MONTEIRO, José Lemos. Morfologia portuguesa. Campinas: Pontes, 2002.
NASCENTES, Antenor. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1952.
NASCIMENTO, Mauro José Rocha. Vogal temática nominal e gênero no português. Linguística (PPGL/UFRJ), v. 2, p. 207-228, 2006.
POSSIDÔNIO, Priscila Maria de Oliveira. A criação de nomes próprios no português brasileiro: aspectos mórficos da neologia antroponímica. Trabalho apresentado no seminário estudantil de pesquisa. Salvador, 3-5 outubro, 2007.
¬¬¬_____. Inventando nomes: a neologia antroponímica na Bahia contemporânea. Trabalho apresentado no ROSAE: congresso internacional de linguística histórica. Salvador, Feira de Santana, 26-29 julho, 2009.
RODRIGUES, Letícia Santos. Neologismos antroponímicos com base na utilização de formativos germânicos no Brasil. 2016. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal da Bahia, Salvador.
SILVA, Irani Sacerdote. Estrangeirismos e empréstimos: uma perspectiva antroponímica. Trabalho apresentado no ROSAE: congresso internacional de linguística histórica. Salvador, Feira de Santana, 26-29 julho, 2009.
SIMÕES NETO, Natival Almeida. Perdidas do nome: um estudo onomástico sobre a renomeação de travestis, mulheres transexuais e transformistas brasileiras. Revista Portuguesa de Humanidades, 18, 2014, pp. 67-90.
SOLEDADE, Juliana. A antroponímia no português arcaico: aportes sobre a sufixação em nomes próprios personativos. In LOBO, T., CARNEIRO, Z., SOLEDADE, J., ALMEIDA, A., and RIBEIRO, S., orgs. Rosae: linguística histórica, história das línguas e outras histórias [online]. Salvador: EDUFBA, 2012. ULLMANN, Stephen. Semântica: uma introdução à ciência do significado. Traduzindo por Mateus, J. A. Osorio. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1967.
Publicado
2017-08-11
Como Citar
SIMÕES NETO, Natival Almeida; RODRIGUES, Letícia Santos. A neologia e os processos genolexicais em antropônimos brasileiros: um breve mapeamento de estudos realizados. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 110-127, aug. 2017. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/33>. Acesso em: 25 may 2018.
Seção
Artigo de revisão de literatura