Preconceito linguístico: uma perspectiva no 6° ano do ensino fundamental

  • Lilian dos Santos Silva UNITINS
  • Tania Regina Martins Machado UNITINS

Resumo

O presente artigo tem como objetivo levantar uma discussão sobre o preconceito linguístico em relação às variedades linguísticas no ensino da língua portuguesa em uma escola da rede pública de Araguatins – TO. Dessa forma, optou-se pela pesquisa de campo, com ênfase quanti/qualitativa com abordagem bibliográfica e descritiva. Pautou-se em alguns autores, entre eles, Labov (2008), Bagno (1999, 2001-2003), Marchusci (2007), Silva (2015), Soares (1991) e em documentos como os PCN´s (BRASIL, 1998) para a análise dessa problemática, bem como, das respostas dos alunos do 6° ano do Ensino Fundamental dessa escola para o questionário elaborado para esta pesquisa. Suas respostas permitem inferir qual é a postura dos professores de língua portuguesa desse nível de ensino nessa cidade, além de refletir se sua língua é valorizada ou simplesmente tem o ensino pautado na gramática normativa. Com a realização da presente pesquisa, pretende-se contribuir para uma conduta em favor do respeito às diferenças linguísticas.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Licenciada em Letras com habilitação em Português, Espanhol e respectivas literaturas, pela Universidade Estadual do Tocantins - UNITINS, Campus Araguatins - TO.

Referências

BRASIL, Ministério da Educação e Cultura. Base Nacional Curricular: educação é a base. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: . Acesso em: 16 set. 2018.
______. Ministério da Educação e Cultura. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 1998.
BAGNO, Marcos. A norma oculta & poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.
______. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.
______. Português ou brasileiro? Um convite à pesquisa. São Paulo. Parábola Editorial, 2001.
BECHARA, Evanildo. Ensino da Gramática. Opressão? Liberdade? São Paulo. Editora Ática S.A, 1995.
GÖRSKI, Edair Maria et al. Sociolinguística. UFSC, UAB. Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2009.
LABOV, William. Padrões sociolinguísticos. Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre, Caroline Rodrigues Cardoso (Trads.). São Paulo, Parábola Editorial, 2008.
MARCUSCHI, Luiz Antonio; DIONISIO, Angela Paiva. Fala e Escrita. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2007.
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2010.
MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia. Contradições no ensino de português: a língua que se fala X a língua que se ensina. São Paulo: Contexto; Salvador: EDUFBA, 1995.
MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.
SOARES, Magda. Linguagem e escola: uma perspectiva social. São Paulo: Editora Ática, 1991.
SILVA, Thaïs Cristófaro. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 10 ed. São Paulo: Contexto, 2015.
TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de gramática. 14 ed. São Paulo: Cortez, 2009.
TEYSSIER, Paul. História da Língua Portuguesa. Celso Cunha (Trad.). São Paulo: Editora Martins Fontes, 1997.
Publicado
2019-07-24
Como Citar
SILVA, Lilian dos Santos; MACHADO, Tania Regina Martins. Preconceito linguístico: uma perspectiva no 6° ano do ensino fundamental. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 3, n. 1, p. 51-66, july 2019. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/264>. Acesso em: 19 oct. 2019.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##