A influência do contato com línguas africanas na performance do português popular brasileiro

  • Vanessa Caroline Silva Santos UESB/ODEERE/PPGREC
  • Jurgen Alves de Souza

Resumo

Em detrimento dos silenciamentos realizados por uma cultura de viés ideológico explicitamente eurocêntrico, a Sociolinguística é hoje a disciplina responsável por trazer à tona a imensa colaboração efetiva de negras e negros escravizadas/os, libertos/as e forros/as ao Português Brasileiro – PB. Disso se trata o seguinte artigo, que faz um arremate histórico e teórico da evolução da disciplina Linguística dentro das ciências humanas, oferecendo suporte teórico e metodológico, logo elevando a linguística ao patamar de ciência. Os estudos mencionados se servem dessa base e, em sua maioria, concluem: a população que veio de África, trazida à força para o Brasil, contribui definitivamente para a performance, falada e escrita, do que contemporaneamente ousou-se chamar de Português Popular Brasileiro - PPB. Na margem dos conflitos, estão frescas explicações com vasta comprovação, tanto em dados, quanto em casos e fenômenos na língua, cuja não inserção dentro da instrução em Língua Portuguesa no Brasil justifica-se a partir de um epistemicídio travestido de normatização que condena a economia linguística utilizada de norte a sul, da periferia aos condomínios fechados. A aceitação dos mencionados argumentos não é completa, mas eis o percurso que o artigo enviesa.
PALAVRAS-CHAVE: Português Popular Brasileiro; Performance e economia linguística; Contato linguístico; Variação e Mudança.
 

Referências

CARBONI, Florence; MAESTRI, Mario. A linguagem escravizada: língua, história, poder e luta de classes. 3ª ed, São Paulo: Expressão Popular, 2012.
CARNEIRO, Aparecida Sueli. A Construção do Outro como Não-Ser como fundamento do Ser.Feusp, 2005. (Tese de doutorado)
CARRASCOSA, Denise. Traduzindo no Atlântico Negro: por uma práxis teórico-política de tradução entre literaturas afrodiaspóricas. Cadernos de literatura em tradução, n. 16, p. 63 -71.
FARACO, Carlos Alberto. Linguística Histórica – uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.
LABOV, William. Principles of linguistic change: internalfactors. Oxford: Blackwell, 1994. In: FARACO, Carlos Alberto. Linguística Histórica – uma introdução ao estudo da história das línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2005.
LEITE, Yonne; CALLOU, Dinah. Como falam os brasileiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2002.
LOBO, Tânia; OLIVEIRA, Klebson [ORG]. África à vista: dez estudos sobre o português escrito por africanos no Brasil do século XIX. Salvador: EDUFBA, 2009.
LUCCHESI, D. A concordância de gênero. In: LUCCHESI, D., BAXTER, A., and RIBEIRO, I., orgs. O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009, pp.295-318
RAJAGOPALAN, Kanavilil. Nova pragmática: fases e feições de um fazer. São Paulo: Parábola, 2010.
Publicado
2019-07-22
Como Citar
SILVA SANTOS, Vanessa Caroline; DE SOUZA, Jurgen Alves. A influência do contato com línguas africanas na performance do português popular brasileiro. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 3, n. 1, p. 36-50, july 2019. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/240>. Acesso em: 18 oct. 2019.

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##

##plugins.generic.recommendByAuthor.noMetric##