Análise de discurso crítica de semanários brasileiros da década de 1980 e de 2010: reflexões sobre violência e conservadorismo

  • Ana Paula Rabelo Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira
  • Pedro Henrique Lima Praxedes Filho Universidade Estadual do Ceará

Resumo

Reflexões sobre gênero social e suas representações implicam numa primeira e necessária conduta: a eliminação de categorias fechadas (BUTLER, 2013). Caminhamos para a descontinuidade (do sujeito no tempo e no espaço). Enquanto as instituições tentam manter ideias de forma (ameaçadoramente) conservadora, os coletivos e os indivíduos transitam entre o múltiplo, o “trans”, o indomável e incontrolável espírito de um futuro que se renova frequentemente. Nesta década de 2010, o Brasil, por exemplo, passa por um processo de fortalecimento do conservadorismo das instituições, que não dialogam com as conquistas socioculturais de indivíduos e de coletivos - transformação inegável ocorrida durante esta passagem de milênio. Neste contexto, é possível visualizar o recrudescimento do discurso homofóbico e racista no parlamento e na mídia. Para ilustrar este recuo das instâncias de poder, o presente trabalho visa analisar dois exemplares da Revista “Semanário” de 1989, que tratam de gênero e sexualidade em suas capas, bem como um exemplar da Revista “Tititi”, de outubro de 2013, por meio da Análise de Discurso Crítica (FAIRCLOUGH, 1999; CHOULIARACHI;  FAIRCLOUGH, 2003) aqui abraçada como teoria e método. Associada à ADC, utilizamos a Multimodalidade (KRESS; VAN LEEUWEN, 1996). Além das capas e suas respectivas matérias, consideramos – quando possível - textos relacionados às matérias das capas, publicados em revistas de grande circulação e sites. Na análise, associamos a dimensão textual do discurso, a composição das imagens das capas e textos associados. A análise qualitativa do corpus permite defender a tese de que na década 1980 havia mais liberdade e ousadia na mídia brasileira, ao mesmo tempo que identificamos menos violência e menos ódio do que há hoje.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual do Ceará (1998). No Programa de Pós-Graduação em Linguística, da Universidade Federal do Ceará, realizou seu mestrado em Linguística/Descrição e Análise de Língua (2003) e o doutorado (2017) em Linguística/Práticas Discursivas e Estratégias de Textualização. Na UFC, é membro do Grupo de Estudos em Discurso, Identidade e Práticas sociais (GEDIP/PROTEXTO/UFC). Leciona na Universidade da Integração Internacional Luso Afro-Brasileira (Unilab). Atualmente, realiza pesquisas nas áreas de Análise de Discurso Crítica, Gêneros Sociais, Gêneros discursivos e Metodologias da Pesquisa.

Referências

BAKHTIN, M. A Estética da criação verbal. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.
BAPTISTA, Íria Catarina Queiróz; ABREU, Karen Cristina Kraemer. A História das revistas no Brasil: Um olhar sobre o segmentado mercado editorial. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2010. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/pag/baptista-iria-abreukaren-a-historia-das-revistas-no-brasil.pdf Acesso em: julho de 2015.
CAMERON, Dédora. Desempenhando identidade de gênero: conversa entre rapazes e construção da masculinidade heterossexual. In: OSTERMANN, Ana Cristina; FONTANA, Beatriz (orgs). Linguagem, gênero e sexualidade: clássicos traduzidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010. p. 129 – 150.
CHOULIARAKI, L. & FAIRCLOUGH, N. Discourse in late modernity: rethinking critical discourse analysis. Edimburgo: Edinburgh University Press, 1999.
FAIRCLOUGH, Norman. Discurso e mudança social. Trad. por Izabel Magalhães. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001.
_____ . Analysing discourse: textual analysis for social research.Londres, Nova York: Routledge, 2003.
GUIDDENS, Antony. Sexualidade, amor e erotismo nas sociedades modernas. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1993.
HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz. Antropologia do ciborgue: As vertigens do pós-humano. Belo Horizonte, Autêntica Editora, 2013.
KRESS, Gunter; VAN LEEUWEN, Theo. Reading imagens: the gramar of visual design. London: Routledge, 1996.
KRESS, Gunter; LEITE-GARCÍA, Regina; VAN LEEUWEN, Theo. Semiótica discursiva. In: VAN DIJK, Teun A. El discurso como estructura y proceso: Estudos sobre el discurso I una introducción multidisciplinaria. Barcelona: Gedisa editorial, 2000.
LOURO, Guacira Lopes. Mulheres na sala de aula. In: DEL PRIORI, Mary. História das mulheres no Brasil. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2009.
MAGALHÃES, Izabel. Análise do Discurso Publicitário. Revista da ABRALIN, vol. 4, nº 1 e 2, p. 231-260. dezembro de 2005.
_____. Gênero e Discurso no Brasil.Revista Discurso e Sociedade. 2009. Disponível em: http://www.dissoc.org/ediciones/v03n04/DS3(4)Magalhaes.pdf. Acesso em: março de 2014.
MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção Textual, Análise de Gêneros e Compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
MIRA, Maria Celeste. O leitor e a banca de revistas: a segmentação da cultura no século XX. São Paulo: Olho d'Água/Fapesp, 2001.
_____.Cultura e segmentação: um olhar através das revistas. In: SILVA, Ana Amélia da; CHAIA, Miguel. Ensaios críticos: Sociedade, cultura e política.
SCALZO, Marília. Jornalismo de Revista. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2013.
TAVARES, Frederico de Mello B.; SCHWAAB, Reges. Revista e comunicação: percursos, lógicas e circuitos. In: _____ (orgs). A revista e seu jornalismo. Porto Alegre: Penso, 2013.
Publicado
2018-04-07
Como Citar
RABELO, Ana Paula; PRAXEDES FILHO, Pedro Henrique Lima. Análise de discurso crítica de semanários brasileiros da década de 1980 e de 2010: reflexões sobre violência e conservadorismo. Mandinga - Revista de Estudos Linguísticos, [S.l.], v. 2, n. 1, p. 78-94, apr. 2018. ISSN 2526-3455. Disponível em: <http://revistas.unilab.edu.br/index.php/mandinga/article/view/104>. Acesso em: 18 oct. 2018.
Seção
Artigo experimental (acadêmico)