Batuko http://revistas.unilab.edu.br/index.php/batuko <p><span style="font-weight: 400;">Batuko é uma Revista oficial da Pró-reitoria de Arte, Cultura e Extensão da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (PROEXT-UNILAB). É uma revista transdisciplinar aberta a diferentes campos de conhecimento, mas fortemente referenciada nas Ciências das Humanidades, Sociais, da Saúde, Naturais/ambientais, e, suas conexões com as linguagens artísticas quando de suas extensões e diálogos com as comunidades afins.</span> <span style="font-weight: 400;">Batuko é organizada por um coletivo de docentes dessa instituição, em diálogo e colaboração com seu conselho editorial, constituído por pesquisadores/as e docentes vinculados/as à instituições públicas ou não, de caráter formal e informal. É uma publicação semestral dedicada a divulgar trabalhos que versem sobre temas, resultados de pesquisas, projetos de extensão e modelos teórico-metodológicos de interesse para esse debate. A revista aceita periodicamente contribuições nos seguintes formatos: artigos e ensaios inéditos, traduções, resenhas, entrevistas, produções estéticas e audiovisuais, ensaios e proposições poéticas, escritas performativas. </span></p> <p><span style="font-weight: 400;">A escolha do nome tem relação com o “Batuko” que é uma manifestação Cabo Verdiana que incorpora música, dança e literatura, uma “herança dos africanos no arquipélago, o batuque é provavelmente a literatura e a expressão musical mais antiga de Cabo Verde trazida pelos africanos escravizados e que desenvolveu características próprias em Cabo Verde. O batuko se realiza por meio de um grupo de percussionistas (batukaderas) – vocalistas (kantadeiras de kumpanha). São mulheres organizadas em semicírculo (terreru) que prendem entre as coxas um pedaço de tecido enrolado e revestido com plástico ou algum material parecido e, executam as cantigas conforme a cantadeira solista (kantadera profeta). O ritmo também pode ser acompanhado por palmas conforme a proposta da performance. O som produzido pela percussão recebe o nome de chabeta e varia conforme o momento e a modalidade da expressão. (...) O Batuko vai além de uma manifestação cultural e musical construída a partir de uma prática tradicional. Para as mulheres cabo-verdianas essa prática tem um significado de sociabilização, em que avós, mães, filhas e netas são construídas enquanto mulheres, através da prática do Batuko e as experiências compartilhadas.”(https://www.geledes.org.br/batuko-poder-feminino-literatura-oral-e-tradicao/). </span></p> pt-BR Batuko 2675-8199